PIBID E PRP: POLÍTICAS PÚBLICAS NECESSÁRIAS NA FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Antonio Avelar Macedo Neri
Arnóbio Rodrigues de Sousa Júnior

Resumo

Considerando o atual contexto histórico e político e a extrema relevância de debater sociologicamente as perspectivas de formação acadêmica e profissional, chegamos à proposta de discutir brevemente o PIBID (Programa de Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência) e o PRP (Programa Residência Pedagógica) enquanto políticas públicas de formação docente. Desse modo, o presente texto objetiva a discussão destas políticas públicas de êxito e permanência num viés de formação crítica enraizada numa epistemologia educacional de cunho político e cultural. De imediato é oportuno destacar que nenhuma das duas políticas públicas citadas substituem a formação inicial. Ambas são necessárias para aproximar, alinhar, manter e fortalecer diálogos entre as instituições de ensino superior com as escolas e instituições de educação básica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
NERI, A. A. M.; SOUSA JÚNIOR, A. R. de . PIBID E PRP: POLÍTICAS PÚBLICAS NECESSÁRIAS NA FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 1, n. 1, p. 42–48, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.3773974 . Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/186. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

AGUIAR JR, O. “A ação do professor em sala de aula: identificando desafios Contemporâneos à prática docente”. In: CUNHA, A. M. O. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Livro 5. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 5ª edição. São Paulo: Editora Córtex, 2007.

BRASIL, Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 009/2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em: 25/04 2020.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2003.

GATTI, B. A. “Análise das políticas públicas para formação continuada no Brasil, na última década”. Revista Brasileira de Educação, vol. 13, n. 37, 2008.

GIROUX, H. A escola crítica e a política cultural. São Paulo: Cortez Autores Associados, 1992.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. 6ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

HÖFLING, E. M. “Estado e políticas (públicas) sociais”. Cadernos CEDES, vol. 21, n. 55, 2001.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia Alemã: Feuerbach – a contraposição entre as cosmovisões materialista e idealista. 3ª edição. São Paulo: Martin Claret, 2005.

NARDI, R. “Origens e evolução da pesquisa em Educação em Ciências no Brasil: uma retrospectiva histórica”. In: VALE, J. M. F. MAGNONI-JÚNIOR, L.; LUCCI, E. A.; MAGNONI, M. G. M. (orgs.) Escola Pública e Sociedade. São Paulo: Editora Saraiva, 2002.

PÉREZ-GÓMEZ, A. “O pensamento prático do professor – a formação do professor como profissional reflexivo”. In: NÓVOA, A. (org.). Os Professores e a sua Formação. 2ª edição. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1995.

PIMENTA, S. G. “Professor Reflexivo: construindo uma crítica”. In: PIMENTA, S. G.; SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.