O COMPROMETIMENTO DA SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DIANTE DA JORNADA DIÁRIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Diorlani
Marli
Wesley Martins
Fernanda

Resumo

Objetivo: identificar na literatura científica os fatores que podem desencadear esgotamento físico e mental nos profissionais de enfermagem e consequentemente afastamentos laborais. Materiais e métodos: trata-se de uma revisão integrativa de literatura, permitindo uma análise ampla da literatura, contribuindo para a discussão sobre métodos e resultados das pesquisas, bem como reflexões para futuros estudos. Os artigos selecionados são estudos publicados nos últimos 5 anos, escritos no idioma português, disponíveis online ou em periódicos de circulação nacional. A coleta de dados ocorreu em outubro de 2021 em publicações de nos últimos cinco anos. A busca foi realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS-BIREME), utilizando os seguintes descritores: “Saúde Mental”, “Enfermagem” e “Jornada de Trabalho”. Resultados: foram selecionados e analisados 13 artigos que obedeceram aos critérios de inclusão e agrupados em três categorias: estudos com foco no processo de trabalho, estudos com foco na Unidade de Terapia Intensiva e estudos com foco na pandemia de Covid-19. Conclusão: foi evidenciado nos estudos com foco no processo de trabalho que a sobrecarga na jornada de trabalho, as muitas atribuições, inclusive as responsabilidades da vida pessoal influenciam na saúde do profissional de enfermagem, em sua maioria mulheres que já são casadas e tem filhos, especialmente se são também estudantes e realizam trabalho noturno e em UTI. Esse excesso de funções contribui para a negligência no autocuidado e elevam a vulnerabilidade a agravos em saúde, tanto física quanto psíquica, interferindo na adoção de comportamentos preventivos e de promoção a saúde. A pandemia de COVID 19 só potencializou os problemas de sobrecarga de trabalho que já existiam mesmo antes da pandemia.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, D. R. A. dos .; PINTO, M. de S.; MARTINS, W.; CARVALHO, F. F. O COMPROMETIMENTO DA SAÚDE MENTAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DIANTE DA JORNADA DIÁRIA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 8, n. 23, p. 124–135, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5640176. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/496. Acesso em: 9 dez. 2021.
Seção
Artigos

Referências

AGUIAR, S. M. M. T. Depressão na enfermagem: uma revisão bibliográfica (Trabalho de Conclusão de Curso de Enfermagem. Boa Vista: UFRR, 2017.

ALBUQUERQUE, G. A. et al. “Dupla jornada de trabalho: implicações na saúde da enfermeira”. Revista de Enfermagem UFPE online, vol. 10, n. 9, 2016.

ALVIM, C. C. E. et al. “Relação entre processo de trabalho e adoecimento mental da equipe de enfermagem”. Revista Fluminense de Extensão Universitária, vol. 7, n. 1, 2017.

DAL’BOSCO, E. B. et al. “A saúde mental da enfermagem no enfrentamento da Covid-19 em hospital universitário regional”. Reben-Revista Brasileira de Enfermagem, vol. 73, n. 2, 2020.

DUARTE, M. L. C.; SILVA, D. G.; BAGATINI, M. M. C. “Enfermagem e saúde mental: uma reflexão em meio à pandemia do Coronavírus”. Revista Gaúcha de Enfermagem, vol. 42, n. especial, 2021.

ESPIRIDIÃO, E.; SAIDEL, M. G. B.; RODRIGUES, J. “Saúde mental: foco nos profissionais de saúde”. Revista Brasileira de Enfermagem, vol. 73, n. 1, 2020.

FERREIRA, L. A. L.; FERREIRA, L. L. “Depressão no trabalho de enfermagem: revisão sistemática de literatura”. Universitas: Ciências da Saúde, vol. 13, n. 1, 2015.

FERREIRA, T. S. et al. “Efeitos de um turno de 12 horas nos estados de humor e na sonolência de enfermeiros de unidade de tratamento intensivo neonatal”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 51, 2017.

FRANCK, H. H. M.; FÓFANO, G. A.; SANTOS, C. M. “A saúde da equipe de enfermagem na unidade de terapia intensiva: revisão integrativa”. Revista de Enfermagem da UFJF, vol. 3, n. 2, 2017.

FRANÇA, C. S.; MACHADO, A. B.; VALENTE, G. S. C. “Saúde mental do estudante / trabalhador de enfermagem no serviço noturno hospitalar”. Research, Society and Development, vol. 9, n. 9, 2020.

HUMEREZ, D. C.; OHL, R. I. B.; SILVA, M. C. N. “Saúde mental dos profissionais de enfermagem do Brasil no contexto da pandemia de Covid 19: ação do conselho federal de enfermagem”. Cogitare Enfermagem, vol. 25, 2020.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVAO, C. M. “Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem”. Texto Contexto - Enfermagem, vol. 17, n. 4, 2008.

MOURA, R. S.; SARAIVA, F. J. C.; ROCHA, K. R. S. L.; SANTOS, R. M.; SILVA, N. A. R.; ALBUQUERQUE, W. D. M. “Estresse, burnout e depressão nos auxiliares e técnicos em enfermagem das unidades de terapia intensiva”. Enfermeria Global - Revista Eletrônica Trimestral de Enfermeria, n. 54, abril 2019.

MUNIZ, D. C.; ANDRADE, E. G. S.; SANTOS, W. L. “A saúde do enfermeiro com a sobrecarga de trabalho”. Reicen - Revista de Extensão Científica e Extensão Online, vol. 2, n. especial, 2019.

NONNENMACHER, L. L. et al. “Transtorno mental em profissionais de enfermagem no setor de urgência e emergência: revisão sistemática de literatura”. Revista Multidisciplinar e de Psicologia, vol. 13, n. 48, 2019.

OLIVEIRA, D. M. et al. “Afastamento do trabalho por transtornos mentais e comportamentais entre profissionais de enfermagem”. Revista Cuidarte, vol. 10, n. 2, 2019.

SOUSA, K. H. J. F. et al. “Fatores associados aos riscos de adoecimento da equipe de enfermagem no trabalho em instituição psiquiátrica”. Revista Latino-americana de Enfermagem, vol. 28, 2020.

SOUZA, I. A. S. et al. “Processo de trabalho e seu impacto nos profissionais de enfermagem em serviço de saúde mental”. Acta Paulista de Enfermagem, vol. 28, n. 5, 2015.