AUTONOMIA SOBRE O CORPO FEMININO? : O (IR)RECONHECIMENTO DO DIREITO À LAQUEADURA COMO DIREITO REPRODUTIVO NO ORDENAMENTO BRASILEIRO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carulini Polate Cabral
Tauã Lima Verdan Rangel

Resumo

As questões relacionadas à reprodução, muito embora guardar relação com todos os indivíduos, recaem sobre o feminino simplesmente pelo fato da maior parte desse processo ocorrer no corpo da mulher. Dessa forma, em virtude de uma herança patriarcal, centrada na figura do homem, a mulher acaba se tornando a responsável por todas as tarefas ligadas à reprodução enquanto ao homem não recai ônus algum. Dessa maneira, a figura feminina passa a ser vinculada à tarefa de procriação, organização do lar, submissão ao marido e educação dos filhos, sendo excluída da vida social. Nesse diapasão, a autonomia reprodutiva feminina é desconsiderada e a sexualidade passa a ser restrita à apenas uma parcela de indivíduos. Após o período de industrialização, às mulheres foi dada uma maior autonomia no exercício de sua sexualidade devido ao desenvolvimento de métodos contraceptivos como a pílula anticoncepcional, por exemplo. Tal fato representa um marco importante nas escolhas reprodutivas e sexuais da população feminina e nesse âmbito, o procedimento de laqueadura torna-se uma ferramenta de autodeterminação individual importante para a concretização dessa autonomia sexual e reprodutiva. Importante destacar que tal procedimento foi, por muito tempo, considerado como crime de lesão corporal qualificada vindo a ser realmente regulada pela lei 9.263/96 que normatiza o procedimento cirúrgico da laqueadura como exercício do planejamento familiar. Metodologicamente, optou-se pela utilização dos meios dedutivo e historiográfico, contando ainda com a utilização da revisão de literatura no caráter sistemático.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CABRAL, C. P.; RANGEL, T. L. V. . AUTONOMIA SOBRE O CORPO FEMININO? : O (IR)RECONHECIMENTO DO DIREITO À LAQUEADURA COMO DIREITO REPRODUTIVO NO ORDENAMENTO BRASILEIRO. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 9, n. 25, p. 38–55, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.5811108. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/526. Acesso em: 26 jan. 2022.
Seção
Artigos

Referências

ARANTES, Fernanda Inêz Siqueira. A mulher desdobrável: a articulação entre as esferas pública e privada (Dissertação de Mestrado em Direito). Belo Horizonte: PUC Minas, 2011.

ÁVILA, Maria Betênia. Direitos sexuais e reprodutivos: desafios para as políticas de saúde. Caderno de Saúde Pública, vol. 19, n. 2, 2003.

BIROLI, Flávia. Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria política feminista. Revista de Estudos Feministas, vol. 21, n. 1, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.263, de 12 de janeiro de 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 20/12/2021.

CAMPOS, Carmen Hein de; OLIVEIRA, Guacira Cesar de. Saúde Reprodutiva das Mulheres – direitos, políticas públicas e desafios. Brasília: CFEMEA et al., 2009.

CANEZIN, Claudete Carvalho. A mulher e o casamento: da submissão à emancipação. Revista Jurídica Cesumar, vol. 4, n. 1, 2004.

CITELI, Maria Teresa; SOUZA, Cecilia de Mello e; PORTELLA, Ana Paula. Corpo e Reprodução. Rio de Janeiro: Editora da FIOCRUZ, 1998.

COSTA, Ana Alice. Gênero, poder e empoderamento das mulheres. Anais do Seminário de aprofundamento do trabalho com gênero no Pró-Gavião. Salvador: UFBA, 2000.

FERNANDES, Maíra Cristina Corrêa. Sobreviver mulher: sujeitas às violências de gênero, sujeitas insurgentes do feminismo (Dissertação de Mestrado em Direito). Belo Horizonte: UFMG, 2018.

GALLI, Beatriz; ROCHA, Helena. Direitos sexuais e reprodutivos, autonomia reprodutiva, política e (des)respeito ao Princípio da laicidade. Plataforma de Direitos Humanos [30/06/2014]. Disponível em: . Acesso em: 20/12/2021.

GUEDES, Rebeca Nunes; FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa da. A autonomia como necessidade estruturante para o enfrentamento da violência de gênero. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 45, n. 2, 2011.

LEITE, Vanessa Cavasotto. O consentimento do cônjuge como condição para realização de laqueadura no Brasil: votação da autonomia sobre o corpo e do direito ao livre planejamento familiar (Monografia de Graduação em Direito). Criciúma: Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2017.

MATTAR, Laura Davis. Desafios e Importância do Reconhecimento Jurídico dos Direitos Sexuais frente aos Direitos Reprodutivos (Trabalho de Conclusão do Curso de Especialização em Direitos Humanos). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2004.

MATTAR, Laura Davis. Reconhecimento jurídico dos direitos sexuais – uma análise comparativa com os direitos reprodutivos. SUR: Revista Internacional de Direitos Humanos, vol. 5, n. 8, 2008.

MOREIRA, Maria Helena Camargo. ARAÚJO, José Newton Garcia de. Planejamento familiar: Autonomia ou encargo feminino? Psicologia em Estudo, vol. 9, n. 3, 2004.

NASCIMENTO, Giulia Correia Oliveira. O (não) direito ao corpo: a supremacia do poder masculino nas decisões relacionadas aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres (Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Serviço Social). Natal: UFRN, 2016.

NIELSSON, Joice Graciele; STURZA, Janaína Machado; ANDRADE, Estela Parussolo de. A violação ao direito à saúde reprodutiva através da instrumentalização do corpo da mulher:o caso Janaína Aparecida Quirino e a esterilização feminina no Brasil. Revista da Faculdade de Direito da UFG, vol. 44, n. 1, 2020.

ONU - Organização das Nações Unidas. Objetivos de desarrollo del milênio uma mirada desde América Latina y el Caribe. Repositório CEPAL [2005]. Disponível em: <https://repositorio.cepal.org>. Acesso em: 20/12/2021.

ONU - Organização das Nações Unidas. Relatório da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. Cairo: ONU, 1994. Disponível em: <https://brazil.unfpa.org>. Acesso em: 28/01/2021.

PEIXOTO, Francisco Davi Fernandes. Direitos Sexuais e Reprodutivos da mulher para além dos direitos humanos. Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI. Fortaleza: CONPEDI, 2010.

RIOS, Roger Raupp. Para um direito democrático da sexualidade. Horizontes Antropológicos, vol.12, n. 26, 2006.

SILVA, Juliana Gomes. A construção da subordinação feminina e seu impacto na exploração do tráfico de mulheres. Revista Eletrônica dos Alunos da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, vol. 1, n. 12, 2019.

SINIGAGLIA, Bruna; ALVES, Carla Rosane da Silva Tavares. Raízes da subordinação feminina em uma sociedade historicamente patriarcal. Di@logus, vol. 8, n. 2, 2019.

SOUZA, Carola Maciel de. Lei do Planejamento Familiar e o Direito da Mulher Dispor do Próprio Corpo: Análise Aos Requisitos Para a Esterilização Voluntária. Âmbito Jurídico [03/10/2019]. Disponível em: <https://ambitojuridico.com.br>. Acesso em: 28/01/2021.

VENTURA, Miriam. Direitos Reprodutivos no Brasil. Brasília: UNFPA, 2009.