CONTABILIDADE INCLUSIVA: DIDÁTICA VISUAL E DESENHO UNIVERSAL PARA APRENDIZAGEM, ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DA BARREIRA DE APRENDIZAGEM

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Antonio Marcelino
Gina Morales-Acosta

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever as possíveis estratégias didáticas inclusivas no ensino de contabilidade para alunos com diversidade Surda no ensino superior. Foi utilizada a metodologia do tipo qualitativa, exploratória, a partir de revisão bibliográfica em contextos universitários que promoveram a inclusão de alunos com diversidade surda para o ensino da contabilidade. A proposta deste estudo se motivou principalmente pelo aumento do número de alunos Surdos no ensino superior, no curso de Ciências Contábeis, e pelo número reduzido de pesquisas voltadas ao assunto, bem como a pela falta de estratégias didáticas visuais e sinais-termos da área, cuja falta traz grandes problemas de aprendizagem dos conteúdos e dificuldade de comunicação. Diante desta perspectiva, concluímos que a utilização da didática visual e do desenho universal para a aprendizagem atrelada à língua materna do aluno Surdo auxilia no processo de aprendizagem. Percebe-se que são indispensáveis avanços na pedagogia visual e no desenvolvimento de adequações comunicativas do vocabulário pedagógico básico para o ensino da contabilidade em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MARCELINO, J. A.; MORALES-ACOSTA, G. V. CONTABILIDADE INCLUSIVA: DIDÁTICA VISUAL E DESENHO UNIVERSAL PARA APRENDIZAGEM, ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DA BARREIRA DE APRENDIZAGEM. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 5, n. 15, p. 142–154, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.4615291. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/261. Acesso em: 8 ago. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Gina Morales-Acosta, Universidad de Antofagasta

Fonoaudióloga. Doctora en Ciencias de la Educación mención Intercultural. Docente e Investigadora de la Facultad de Ciencias de la Salud. Universidad de Antofagasta, Chile. Directora del Laboratorio Virtual de Comunicación y Lenguaje del programa de Iniciación a la investigación - (DE No. 1/19). Colaboradora do Grupo de Investigación Cátedra de Discapacidad y Rehabilitación. Universidad del Valle, Cali - Colômbia. Escritora de narrativas inclusivas con traducción a las lenguas de señas de: Colombia (LSC), Brasil (Libras) y Chile (LSCh). Participación en congresos nacionales e internacionales. Miembro de Red Global de Leitura e Escritura para o Acercamiento de las Culturas-POEPAZ, da Red Iberoamericana de Estudios Interculturales e Interdisciplinarios e da Red de Investigadores Afrodescendientes de las Américas e do Caribe.

Referências

ALVES, E. B. M. Mãos que falam: reflexões sobre o processo ensino-aprendizagem de uma estudante surda na educação superior (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Ciências Contábeis). Ituiutaba: UFU, 2019.

ALVES, M. M.; RIBEIRO, J.; SIMÕES, F. “Universal Design for Learning (UDL): Contributos para uma escola de todos”. Indagatio Didactica, vol. 5, n. 4, 2013.

BOLZAN, G. Competências docentes: um estudo com professores de graduação em Ciências Contábeis no Rio Grande do Sul (Dissertação de Mestrado em Controladoria e Contabilidade). Porto Alegre: UFRGS, 2018.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Senado: Planalto, 2002a. . Acesso em: 16/08/2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Senado: Planalto, 2014b. . Acesso em: 10/08/2019.

BRASIL. Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004. Brasília: MEC, 2004c. . Acesso em: 10/08/2019.

CAMPELLO, A. R. S. “Pedagogia visual: sinal na educação dos Surdos”. In: QUADROS, R. M.; PELIN, G. (orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, 2007.

CAMPELLO, A. R. S. Aspectos da Visualidade na Educação de Surdos (Tese de Doutorado em Educação). Florianópolis: UFSC, 2008.

CAMPOS, T.; MELLO, M. A. F. “O desenho universal e a tecnologia assistiva como potencializadores dos processos de ensino e aprendizagem. Parte II”. Medicina de Reabilitação, vol. 92, maio, 2015.

CAST - Center for Applied Special Technology. “Diretrizes do Universal Design for Learning. Versão 2.2”. CAST [2018]. Disponível em: <http://udlguidelines.cast.org>. Acesso em: 14/11/2019.

CAST - Center for Applied Special Technology (CAST). “Universal Design for Learning Guidelines version 2.0”. Disponível em: <http://udlguidelines.cast.org>. Acesso em: 14/11/2019.

DE ALMEIDA, M. P.; ALMEIDA, M. E. “História de LIBRAS: característica e sua estrutura”. Revista Philologus, ano 18, n. 54, 2012

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. “Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa”. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens, vol. 2, Porto Alegre: ArtMed, 2006.

FARIA-DO-NASCIMENTO, S. P. Representações lexicais da língua de sinais brasileira: uma proposta lexicográfica (Tese de Doutorado em Linguística). Brasília: UnB, 2009.

FELTEN, E. F. Glossário sistêmico bilíngue Português-Libras de termos da história do Brasil (Dissertação de Mestrado em Linguística). Brasília: UnB, 2016.

FRIEDRICH, M. A. Glossário em Libras: uma proposta de terminologia pedagógica (Português-Libras) no curso de administração da UFPel (Dissertação de Mestrado em Letras). Pelotas: UFPel, 2019.

HARRISON, K. M. P. Língua brasileira de sinais (Libras): apresentando a língua e suas características. São Carlos: UFScar, 2014.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopise Estatística da Educação Superior 2018. Brasília: INEP, 2018. Disponível em: <http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica>. Acesso em: 12/07/2019.

MARION, J. C. O Ensino da contabilidade. São Paulo: Editora Atlas, 2001.

MARQUES, L.; BIAVATTI, V. T. “Estratégias aplicadas no ensino da contabilidade: evidências dos planos de ensino de uma universidade pública”. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, vol. 12, n. 2, maio, 2019.

MARTINS, F. C. Terminologia da Libras: coleta e registro de sinais-termo da área de Psicologia. (Tese de Doutorado em Linguística). Florianópolis: UFSC, 2018.

MARTINS, I.; GOUVÊA, G.; PICCININI, C. “Aprendendo com imagens”. Revista Ciência e Cultura, vol. 57, n. 4, outubro/dezembro, 2005.

MORALES–ACOSTA, G. “Percepciones sobre lalengua de señas chilena enlaeducación de estudiantesSordos: docente y codocente como sujetos históricos situados comunicativamente enel aula”. Revista Educación, vol. 43, n. 2, julho/dezembro, 2019.

NERY, C. A.; BATISTA, C. G. “Imagens visuais como recursos pedagógicos na educação de uma adolescente surda: um estudo de caso”. Revista Paidéia, vol. 14, n. 29, setembro/dezembro, 2004.

NUNES, C.; MADUREIRA, I. “Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas”. Da Investigação às Práticas, vol. 5 n. 2, setembro, 2015.

PERLIN, G. T.; REZENDE, P. L. F. Didática e educação de Surdos. Florianópolis: UFSC, 2011.

QUADROS, R. M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

REILY, L. H. “As imagens: o lúdico e o absurdo no ensino de arte para pré-escolares-escolares surdos”. In: SILVA, I. R.; KAUCHAKJE, S.; GESUELI, Z. M. (orgs.). Cidadania, Surdez e Linguagem: desafios e realidades. São Paulo: Plexus Editora, 2003.

ROSE, D. H.; MEYER, A. Teachingeverystudent in the digital age: Universal design for learning. Alexandria: Association for Supervisionand Curriculum Development, 2002.

SALLABERRY, J. D.; VENDRUSCOLO, M. I.; BITTENCOURT, B. R. “A eficácia dos métodos de ensino em contabilidade”. Cuadernos de Educacion y Desarollo, julho, 2017.

SANTOS, B. R. L. O ensino de contabilidade introdutória e o desafio da linguagem: percepções de professores, intérpretes de Libras e alunos surdos (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis). Curitiba: UFPR, 2018.

SANTOS, B. R. L.; COSTA, F. “Desafios percebidos por alunos Surdos no ensino da disciplina de contabilidade introdutória nos cursos de ciências contábeis e administração”. Contabilidade Vista & Revista, vol. 30, n. 3, setembro/dezembro, 2019.

STROBEL. K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2013.

VASCONCELOS, A. F. “Fatores que influenciam as competências em docentes de Ciências Contábeis”. Anais do XXXIV Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro: ANPAD, 2010.

VASCONCELOS, A. F. Professores em Ciências Contábeis: um estudo sobre as competências para o exercício da docência nos cursos presenciais no nordeste brasileiro (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis). Brasília: UnB, 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1989.