SE AS CRIANÇAS NÃO PODEM IR AO LABORATÓRIO, ESTE DEVE VIR ÀS CRIANÇAS: EXPERIMENTOS CIENTÍFICOS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO EM SALA DE AULA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Kaique Borel de Jesus
Vanessa dos Santos Marinho
Gênesis Guimarães Soares

Resumo

O presente artigo tem como interesse trazer reflexões acerca da utilização de experimentos em sala de aula enquanto recursos pedagógicos promotores da aprendizagem significativa por meio de um relato de experiência. A vivência relatada ocorreu em uma escola do sudoeste da Bahia, em uma aula de ciências acerca do ciclo hidrológico para 13 crianças do terceiro ano do ensino fundamental. A aula tinha o intuito primordial de possibilitar o reconhecimento, por parte dos educandos, dos processos envolvidos no ciclo hidrológico através de uma atividade experimental, assim como análise dos mesmos, a descrição dos fenômenos ocorridos e a documentação dos mesmo por meio da escrita. Em síntese, concluímos a necessidade de utilização de estratégias de ensino por parte dos educadores e participação efetiva por parte dos educandos no processo de aprendizagem.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
JESUS, K. B. de .; MARINHO, V. dos S. .; SOARES, G. G. SE AS CRIANÇAS NÃO PODEM IR AO LABORATÓRIO, ESTE DEVE VIR ÀS CRIANÇAS: EXPERIMENTOS CIENTÍFICOS COMO ESTRATÉGIAS DE ENSINO EM SALA DE AULA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 5, n. 13, p. 01–09, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.4274286. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2. Acesso em: 6 jul. 2022.
Seção
Artigos

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEC, 1997.

BONDIA, J. L. “Notas sobre a experiência e o saber de experiência”. Revista Brasileira de Educação, n. 19, abril, 2002.

COELHO, G. Faça ciências, 5º. ano: ciências: ensino fundamental: anos iniciais. São Paulo: FTD, 2016.

COELHO, L; PISONI, S. “Vygotsky: sua teoria e a influência na educação”. Revista e-PED, vol. 2, n. 1, agosto, 2012.

CORREIA, W.; BONFIM, C. “Práxis pedagógica na filosofia de Paulo Freire: um estudo dos estádios da consciência”. Trilhas Filosóficas, vol. 1, n. 1, 2008.

FARIA, M. B.; PARENTE, R. S.; BASTOS, R. S.; SILVA, W. F.; FERREIRA, F. M.; ALENCAR, D. B.; LIMA, B. A. V.; BARROS, I. N. “The importance of the use of scientific experiments for Science education in Fundamental Education: A case study”. Research, Society and Development, vol. 9, n. 7, maio, 2020.

FLORES, E. P. “Análise do comportamento: contribuições para a psicologia escolar”. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, vol. 19, n. 1, outubro, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GALLO, S. “Transversalidade e educação: pensando uma educação não-disciplinar”. O sentido da escola, vol. 2, 2000.

HENKLAIN, M. H. O.; CARMO, J. S. “Contribuições da análise do comportamento à educação: um convite ao diálogo”. Cadernos de Pesquisa, vol. 43, n. 149, agosto, 2013.

KELLER, F. S. “Adeus, Mestre!”. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, vol. 1, n. 1, 1999.

KUBO, O. M.; BOTOMÉ, S. P. “Ensino-aprendizagem: uma interação entre dois processos comportamentais”. Interação em Psicologia, vol. 5, n. 1, 2001.

SKINNER, B. F. Tecnologia do ensino. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1975.