MST ENQUANTO REDE SOCIAL PROMOTORA DE CUIDADOS: REFLEXÕES ACERCA DE UMA LUTA POR SAÚDE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Gênesis Guimarães Soares

Resumo

O presente estudo tem como objetivo central realizar uma reflexão acerca de algumas das formas como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) se organizam e apreendem as práticas de cuidado enquanto uma rede social. Durante as discussões realizamos reflexões sobre a concepção de saúde adotada pelo MST e como esta se articula em sua organização, bem como as possível interpelações entre as práticas educativas enquanto forma de luta e resistência, os cuidados agroecológicos enquanto manutenção da natureza que promove saúde, a valorização e a manutenção dos saberes populares, a luta por terras e as condições de bem-estar adequadas que lhes é direito.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SOARES, G. G. . MST ENQUANTO REDE SOCIAL PROMOTORA DE CUIDADOS: REFLEXÕES ACERCA DE UMA LUTA POR SAÚDE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 4, n. 12, p. 01–05, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.4247273. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/23. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

BORSATTO, R. S.; CARMO, M. S. “A construção do discurso agroecológico no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST)”. Revista de Economia e Sociologia Rural, vol. 51, n. 4, dezembro, 2013.

BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

CALDART, R. S. “O MST e a formação dos sem terra: o movimento social como princípio educativo”. Estudos Avançados, vol. 15, n. 43, dezembro, 2001.

CALDART, R. S. “Educação do Campo: notas para uma análise de percurso”. Trabalho, Educação e Saúde, vol. 7, n. 1, junho, 2009.

PINHEIRO, R. L.; GUANAES, C. “O conceito de rede social em saúde: pensando possibilidades para a prática na estratégia saúde da família”. Nova Perspectiva Sistêmica, vol. 20, n. 40, abril, 2016.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Editora Centauro, 2006.

LIMA, W. “Lutar por saúde é lutar pela vida”. Portal Eletrônico do MST [07/06/2018]. Disponível em <https://mst.org.br>. Acesso em: 21/09/2020.

ROTOLO, L. M. A participação dos movimentos sociais do campo na construção das políticas públicas de saúde (Dissertação de Mestrado Acadêmico em Saúde Pública). Recife: Instituto Aggeu Magalhães/Fundação Oswaldo Cruz, 2017.

RUCKERT, B.; ARANHA, A. V. S. “Lutar por saúde é lutar por reforma agrária: estudo sobre práticas de saúde no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra”. Revista Saúde e Sociedade, vol. 27, n. 1, janeiro, 2018.

SENHORAS, E. M. “A reforma agrária, a luta pela terra e os assentamentos rurais”. Revista Formação Econômica, vol. 10, junho/dezembro, 2003.

STEDILE, J. P.; FERNANDES, B. M. Brava gente: a trajetória do MST e a luta pela terra no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2012.