FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO SEXUAL: O RETRATO DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS NATURAIS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ana Paula Cler Mendel
Jean Carlos Miranda

Resumo

A abordagem de temas relacionados à Educação Sexual nas escolas tem se tornado, recentemente, um grande desafio para professores e demais profissionais da Educação. Dentre as questões envolvidas nessa problemática, destacam-se os tabus que permeiam a Educação Sexual, a influência de grupos conservadores e religiosos, e a ausência de diálogo nas famílias que, associados à uma formação de professores deficitária, dificultam a abordagem de questões relacionadas à temática no ambiente escolar. O presente trabalho tem por objetivo conhecer a realidade do curso de licenciatura em Ciências Naturais (Ênfase em Biologia), do Instituto do Noroeste Fluminense de Educação Superior da Universidade Federal Fluminense (INFES-UFF), no que tange a abordagem da Educação Sexual nas disciplinas que compõem o currículo, de forma a identificar as que abordam questões pertinentes à temática, além de conhecer as opiniões e percepções dos licenciandos do curso sobre aspectos à ela relacionados, bem como a maneira como é abordada durante a graduação, de forma a identificar possíveis lacunas existentes em seu processo formativo. Para tal, foi realizada, por meio de documentos oficiais do curso, uma análise dos objetivos e ementas de todas as disciplinas que compõem o currículo. A coleta de dados dos licenciandos se deu por meio da aplicação de um questionário, composto por 13 questões, criado no Google Forms, distribuído por meio de e-mail institucional e aplicativos de mensagens, o qual obteve 56 respostas. A análise dos objetivos e ementas das disciplinas identificou que apenas duas: Anatomia e Fisiologia Humana (obrigatória) e Diversidade Cultural, Gênero e Sexualidade (optativa) abordam temas ligados à Educação Sexual. Dentre os dados acerca das opiniões e percepções dos licenciandos sobre a Educação Sexual, destaca-se que aproximadamente 70% deles consideraram que não receberam, por meio das disciplinas oferecidas na graduação, uma formação que lhes dê segurança e ferramentas para trabalhar a temática em sala de aula. A necessidade de criação/implementação de uma disciplina que trabalhe especificamente temas relacionados à Educação Sexual foi apontada por 96,4% dos licenciandos participantes da pesquisa. A fim de atender a essa demanda, é proposta a criação da disciplina Tópicos em Educação Sexual, de forma a contribuir para uma melhor formação inicial desses futuros professores.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MENDEL, A. P. C.; MIRANDA, J. C. FORMAÇÃO DE PROFESSORES E EDUCAÇÃO SEXUAL: O RETRATO DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS NATURAIS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 13, n. 38, p. 216–248, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.7684817. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/939. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ABREU, A. R. L. Educação Sexual e a Formação de Professores: Uma Proposta para a Formação Inicial dos Licenciandos em Ciências Naturais (FUP) (Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências). Brasília: UnB, 2017.

ALTMANN, H. “Diversidad sexual y educación: desafíos para la formación docente”. Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 13, 2013.

APOLINÁRIO, P.; RICHARTZ, T. “Educação sexual a partir dos parâmetros curriculares: cultura e corpo”. Anais do VII Simpósio Mineiro de Gestão, Educação, Comunicação e Tecnologia da Informação. Varginha: UNIS, 2021.

ARAÚJO, S. S. M. M. “Educação sexual: para além dos tabus”. Revista ABC Educatio, vol. 6, n. 44, 2005.

ARRUDA, S.; CAVASIN, S. “Sexualidade e materiais educativos”. In: RIBEIRO, M. O prazer e o pensar: orientação sexual para educadores e profissionais de saúde. São Paulo: Editora Gente, 1999.

BARBOSA, L. U.; FOLMER, V. “Facilidades e dificuldades da educação sexual na escola: percepções de professores da educação básica”. Revista de Educação da Universidade Federal do Vale do São Francisco, vol. 9, n. 19, 2019.

BARCELOS, N. N. S.; JACOBUCCI, D. F. C. “Estratégias didáticas de educação sexual na formação de professores de Ciências e Biologia”. Revista Eletrônica de Enseñanza de las Ciencias, vol. 10, n. 2, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Editora Edições 70, 2011.

BARROS, M. P. et al. “A importância de não se negligenciar o gênero e a sexualidade na formação inicial em Pedagogia”. In: BARROS, M. P. (org.). Educação e Gênero: Estudos Multidisciplinares. Boa Vista: Editora IOLE, 2022.

BERTOLLO, L. P. G. et al. “Educação Sexual e Reprodutiva para adolescentes como educação entre pares: avaliação de uma experiência de extensão universitária”. Revista Brasileira de Extensão Universitária, vol. 9, n. 2, 2018.

BONFIM, C. R. S. “Educação sexual: contradições, limites e possibilidades”. Filosofia e Educação, vol. 2, n. 2, 2010.

BRAGA, E. R. M. “Sexualidade infantil: a importância da formação de professores(as) na questão de gênero”. In: CARBELLO, S. R. C.; COMAR, S. R. (orgs.). Educação no século XXI: Múltiplos desafios. Maringá: Editora da UEM, 2009.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: . Acesso em: 03/02/2023.

BRASIL. Gênero e Diversidade na Escola: reconhecer diferenças e superar diferenças. Brasília: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03/02/2023.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília: Planalto, 1990. Disponível em: . Acesso em: 03/02/2023.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Brasília: Planalto, 2014. Disponível em: . Acesso em: 03/02/2023.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: Ministério da Educação, 1998. Disponível em: . Acesso em: 03/02/2023.

BUENO, K. C.; FRANZOLIN, F. “A utilização de recursos didáticos nas aulas de ciências naturais nos anos iniciais do Ensino Fundamental”. Anais do XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: UFSC, 2017.

CAMARGO, A. M. F.; RIBEIRO, C. Sexualidade(s) e Infância(s): A sexualidade como um tema transversal. São Paulo: Editora da UNICAMP, 1999.

CAMPOS, I. C.; MIRANDA, J. C. “Educação Sexual nas escolas: uma necessidade urgente”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 12, n. 34, 2022.

CASTOLDI, R.; POLINARSKI, C. A. “A utilização de recursos didático-pedagógicos na motivação da aprendizagem”. Anais do I Simpósio Internacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa: UFTPR, 2009.

CERTEZA, L. M. “A sexualidade da pessoa com deficiência”. Anais do I Simpósio Internacional de Estudos sobre a Deficiência. São Paulo: Editora da USP, 2013.

CIRÍACO, N. L. C. et al. “A importância do conhecimento sobre Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) pelos adolescentes e a necessidade de uma abordagem que vá além das concepções biológicas”. Em Extensão, vol. 18, n. 1, 2019.

FELIPE, J.; GUIZZO, B. S. “Entre batons, esmaltes e fantasias”. In: MEYER, D.; SOARES, R. (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade. Porto Alegre: Editora Mediação, 2004.

FIGUEIRÓ, M. N. D. “Educação Sexual: como ensina no espaço da escola”. In: FIGUEIRÓ, M. N. D. Educação sexual: múltiplos temas, compromissos comuns. Londrina: Editora da UEL, 2009.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Formação de Educadores Sexuais: adiar não é mais possível. Londrina: Editora da UEL, 2006.

FREITAG, I. H. “A Importância dos Recursos Didáticos para o Processo Ensino-Aprendizagem”. Arquivos do Mudi, vol. 21, n. 2, 2017.

FURLANI, J. Mitos e tabus da sexualidade humana: subsídios ao trabalho em educação sexual. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2007.

GESSER, M. et al. “Docência e Concepções de Sexualidade na Educação Básica”. Psicologia e Sociedade, vol. 27, n. 3, 2015.

GIOVANI, L. M. “Do professor informante ao professor parceiro: reflexões sobre o papel da universidade para o desenvolvimento profissional de professores e as mudanças na escola”. Cadernos Cedes, vol. 19, n. 44, 1998.

GODOY, D. A. “Educação em Sexualidade no Brasil: um tour histórico e seus importantes desdobramentos para a formação do educador e do desenvolvimento da área na educação escolar”. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, vol. 20, n. 2, 2018.

GONÇALVES, R. C.; FALEIRO, J. H.; MALAFAIA, G. “Educação sexual no contexto familiar e escolar: impasses e desafios”. Holos, vol. 5, n. 29, 2013.

GUIMARÃES, C. R. P. O descaso em relação à educação sexual na escola: estudo de manifestações de futuras professoras de 1ª a 4ª série de 1º. Grau (Dissertação de Mestrado em Educação). São Carlos: UFSCar, 1992.

JANEIRO, J. M. “Educar sexualmente os adolescentes: uma finalidade da família e da escola?” Revista Gaúcha de Enfermagem, vol. 29, n. 3, 2008.

KERNTOPF, M. R. et al. “Sexualidade na adolescência: uma revisão crítica da literatura”. Adolescência e Saúde, vol. 13, n. 2, 2016.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. São Paulo: Editora Atlas, 2010.

LEÃO, A. M. C.; RIBEIRO, P. R. M., BEDIN, R. C. “Sexualidade e orientação sexual na escola em foco: algumas reflexões sobre a formação de professores”. Revista Linhas, vol. 11, n. 1, 2010.

LIMA, E.; ALMEIDA, G. B. “Educação sexual e práticas pedagógicas”. Anais do IV Colóquio de História “Abordagens Interdisciplinares sobre História da Sexualidade”. Recife: FASA, 2010.

LORENZI, F. Educação sexual na formação do/a pedagogo/a no estado do Paraná (Dissertação de Mestrado em Educação). Francisco Beltrão: Unioeste, 2017.

MAIA, A. C. B. “Orientação sexual na escola”. In: RIBEIRO, P. R. M. (org.). Sexualidade e educação: aproximações necessárias. São Paulo: Editora Arte e Ciência, 2004.

MAIA, A. C. B.; RIBEIRO, P. R. M. “Educação Sexual: princípios para ação”. DOXA: Revista Paulista de Psicologia e Educação, vol. 15, n. 1, 2011.

MATANÓ, M. S. C. Orientação sexual: projeto de ação pedagógica da rede municipal de ensino de São Paulo (1978-1982) (Dissertação de Mestrado em Educação), São Paulo: PUC-SP, 1990.

MIRANDA, J. C. “Adolescência e vida sexual: o retrato de uma escola pública da região metropolitana do Rio de Janeiro”. Revista de Saúde e Biologia, vol. 8, n. 2, 2013.

MOIZÉS, J. S.; BUENO, S. M. V. “Compreensão sobre sexualidade e sexo nas escolas segundo professores do Ensino Fundamental”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 44, n. 1, 2010.

OLIVEIRA, D. L. “Sexo e saúde na escola: isto não é coisa de médico?”. In: MEYER, D. E. E. (org.). Saúde e sexualidade na escola: isto não é coisa de médico? Porto Alegre: Editora Mediação, 2000.

OLIVEIRA, P. N. A sexualidade em adolescentes no ambiente escolar (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Psicologia). Atibaia: UNIFAAT, 2020.

OSÓRIO, L. C. Adolescente hoje. Porto Alegre: Editora Artes Médicas, 1992.

QUIRINO, G. S.; ROCHA, J. B. T. “Sexualidade e educação sexual na percepção docente”. Educar em Revista, n. 43, 2012.

REIS, G. V.; RIBEIRO, P. R. M. “A orientação sexual na escola e os Parâmetros Curriculares Nacionais”. In: RIBEIRO, P. R. M. (org.). Sexualidade e educação sexual: apontamentos para uma reflexão. São Paulo: Editora Laboratório Editorial FCL, 2002.

REIS, V. L.; MAIA, A. C. B. “Educação sexual na escola com a participação da família e o uso de novas tecnologias da educação: um levantamento bibliográfico”. Cadernos de Educação, vol. 41, 2012.

RODRIGUES JÚNIOR, O. M. “Os conflitos sexuais na adolescência”. In: RIBEIRO, M. (org.). Educação sexual: novas ideias, novas conquistas. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1993.

RODRIGUES NETO, A. “Educação em Sexualidade na Europa e as sexualidades interseccionais do Brasil”. Revista Estudos Feministas, vol. 30, n. 1, 2022.

RODRIGUES, A. R. F.; SALLES, G. D. “Educação Sexual, Gênero e Diversidade Sexual: formação de professoras e alunas multiplicadoras como metodologia de ensino”. Anais do II Simpósio Gênero e Políticas Pública. Londrina: UEL, 2011.

RONCA, A. C. C.; ESCOBAR, V. F. Técnicas pedagógicas: domesticação ou desafio à participação? Petrópolis: Editora Vozes, 1984.

SAITO, M. I.; LEAL, M. M. “Educação sexual na escola”. Pediatria, vol. 22, n.1, 2000.

SANTOS, A. L. R. et al. Educação Sexual no Ambiente Escolar (Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Pedagogia). Betim: Centro Universitário UNABETIM, 2021.

SILVA, R. C. P.; MEGID NETO, J. “Formação de professores e educadores para abordagem da educação sexual na escola: o que mostram as pesquisas”. Ciência e Educação, vol. 12, n. 2, 2006.

SILVEIRA, J. M.; PEREIRA, J. A. “Violência sexual intrafamiliar contra crianças e adolescentes: possibilidades de atuação das instituições escolares”. Anais do I Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação. Naviraí: UFMS, 2017.

SOUZA, D. G. Análise da Implementação do PIBID Ciências Naturais pela Universidade Federal Fluminense, no período de 2014 a 2015 (Dissertação de Mestrado em Ensino). Santo Antônio de Pádua: UFF, 2018.

SOUZA, E. J.; SILVA, J. P.; SANTOS, C. “Educação Sexual na Escola: Concepções e modalidades didáticas de docentes sobre sexualidade, gênero e diversidade sexual”. Interfaces Científicas - Humanas e Sociais, vol. 3, n. 3, 2015.

SOUZA, S. E. “O uso de recursos didáticos no ensino escolar”. Anais do I Encontro de Pesquisa em Educação. Maringá: UEM, 2007.

UFF - Universidade Federal Fluminense. Projeto pedagógico do curso de Licenciatura em Ciências Naturais (Ênfase em Biologia). Santo Antônio de Pádua: UFF, 2018.

UNFPA - United Nations Population Fund. Fecundidad y maternidade adolescente en el Cono Sur: apuntes para la construcción de una agenda común. Santiago: Fondo de Población de las Naciones Unidas, 2016.

VIEIRA, P. M.; MATSUKURA, T. S. “Modelos de educação sexual na escola: concepções e práticas de professores do ensino fundamental da rede pública”. Revista Brasileira de Educação, vol. 22, n. 69, 2017.

WHO - World Health Organization. Global health sector strategy on sexually transmitted infections 2016-2021: Towards ending STIs. Geneva: WHO, 2016.

ZOMPERO, A. F.; LEITE, C. M.; GIANGARELLI, G. C.; BERGAMO, M. C. “A temática sexualidade nas propostas Curriculares no Brasil”. Revista Ciências e Ideias, vol. 9, n. 1, 2018.