REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA SOBRE SUICÍDIO: REPERCUSSÕES NAS FAMÍLIAS E ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jeanderson Vilas Boas Oliveira
Larissa Amorim
Pablo Mateus dos Santos Jacinto

Resumo

Este estudo trata-se de uma pesquisa qualitativa na qual foram analisados artigos empíricos que investigassem repercussões do suicídio para a família da vítima, suas estratégias de enfrentamento e os modos de atuação dos profissionais da saúde. Realizou-se busca nas bases de dado SciELO, Pubmed, Lilacs e PsycInfo, resultando em uma amostra de 10 estudos, conforme os critérios de inclusão elencados. Foi identificado: desorganização no sistema familiar, seguido de sofrimento psíquico, bem como a estratégia de enfrentamento encontrada no suporte social e grupos de apoio. O papel do profissional de saúde envolve estabelecer atendimento e acolhimento. Espera-se uma melhor preparação para planejar estratégias de cuidados na prevenção e posvenção do suicídio, na graduação e formação continuada. Conclui-se a que o suicídio se trata de um fenômeno complexo e os estigmas e tabus que permeiam esse processo operam como empecilhos para elaboração do luto dos sobreviventes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
OLIVEIRA, J. V. B. .; AMORIM, L.; JACINTO, P. M. dos S. REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA SOBRE SUICÍDIO: REPERCUSSÕES NAS FAMÍLIAS E ATUAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 21, p. 103–116, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5525086. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/460. Acesso em: 9 dez. 2021.
Seção
Artigos

Referências

ALVAREZ, S. Q.; GOMES, G.C, OLIVEIRA, A. M. N; XAVIER, D. M. “Grupo de apoio/suporte como estratégia de cuidado: importância para familiares de usuários de drogas”. Revista Gaúcha de Enfermagem, vol. 33, n. 2, 2012.

ANDRADE, I. C. S.; GOMES, N. P.; CORREIA, C. M.; LÍRIO, J. G.; VIRGENS, I. R.; GOMES, N. P.; MONTEIRO, D. S. “Suporte social de familiares e amigos: discurso de pessoas com comportamento suicida”. Cogitare Enfermagem, vol. 24, 2019.

ARIÉS, P. A História da Morte no Ocidente. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria. Suicídio: informando para prevenir. Brasília: CFM/ABP, 2014.

BARDIN, L. A análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERMAN, A. “Estimating the Population of Survivors of Suicide: Seeking an Evidence Base”. Suicide and life-Threatening Behavior, vol. 41, n.1, 2011.

BERTHOUD, C. M. E. “Um olhar na família paulista”. In: BERTHOUD, C. M. E.; CERVENY, C. M. O. Família e ciclo vital: nossa realidade em pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010.

BOTEGA, N. J. Crise Suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed, 2015.

BOWLBY, J. Apego e perda: perda: tristeza e depressão, vol. 3. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Suicídio. Saber, agir e prevenir, vol. 48, n. 30, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02/02/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Área técnica da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: o que é a política nacional de humanização? Brasília, DF: 2013, Ministério da Saúde.

BRAZ, M. S.; FRANCO, M. H. P. “Profissionais Paliativistas e suas Contribuições na Prevenção de Luto Complicado”. Psicologia: Ciência e Profissão, vol. 37, n. 1, 2017.

BROMBERG, M. H. P. F. A Psicoterapia em situações de perdas e luto. São Paulo: Livro Pleno, 2000.

BRUSCATO, W. L. “Tipos de Equipe Multiprofissional”. In: BRUSCATO, W. L.; BENEDETTI, C.; LOPES, S. R. A (orgs.). A Prática da Psicologia Hospitalar na Santa Casa de São Paulo: novas páginas em uma antiga história. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.

CARTER, B.; MCGOLDRICK, M. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artmed, 1995.

CASSORLA, R. M. S. Suicídio: fatores inconscientes e aspectos socioculturais: uma introdução. São Paulo: Editora Edgard Blucher, 2018.

CFP - Conselho Federal de Psicologia (org.). O suicídio e os Desafios para a Psicologia. Brasília: CFP, 2013.

DUTRA, K.; PREIS, L. C.; CAETANO, J.; SANTOS, J. L. G.; LESSA, G. “Experiencing suicide in the family: from mourning to the quest for overcoming”. Revista Brasileira de Enfermagem, vol. 71, n. 5., 2018.

ENEZ, Ö. “Effectiveness of psychotherapy-based interventions for complicated grief: A systematic review”. Psikiyatride Güncel Yaklaşımlar, vol. 9, n. 4, 2017.

FARIA, P. M. Revisão Sistemática da Literatura: Contributo para um Novo Paradigma Investigativo. Metodologia e Procedimentos na Área de Ciências da Educação. Santo Tirso: White Books, 2019.

FERREIRA, G. S.; FAJARDO, A. P.; MELLO, E. D. “Possibilidades de abordagem do tema do suicídio na Estratégia Saúde da Família”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, vol. 29, n. 4, 2019.

FERREIRA, R. A; LIRA, N. P. M.; SIQUEIRA, A. L. N; QUEIROZ, E. “Percepções de psicólogos da saúde em relação aos conhecimentos, às habilidades e às atitudes diante da morte”. Revista Psicologia: Teoria e Prática, vol. 15, n. 1, 2013.

FIGUEIREDO, A. E. B; SILVA, R. M.; VIEIRA, L. J. E. S.; MANGAS, R. M. N.; SOUSA, G. S.; FREITAS, J. S.; CONTE, M.; SOUGEY, E. B. “É possível superar ideações e tentativas de suicídio? Um estudo sobre idosos”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 20, n. 6, 2015.

FRANCO, M. H. P. “Por que estudar o luto na atualidade”. In: FRANCO, M. H. P. (org). Formação de vínculos, o dilema das perdas. São Paulo: Summus, 2010.

FRITSCH, A. K. O.; SILVA, J. C. “Refletindo sobre o suicídio a morte e o sofrimento na clínica”. Boletim Entre SIS, vol. 2, n. 1, 2017.

FUKUMITSU, K. O.; ABILIO, C. C. C.; LIMA, C. F. S.; GENNARI, D. M.; PELLEGRINO, J. P.; PEREIRA, T. L. “Posvenção: uma nova perspectiva para o suicídio”. Revista Brasileira de Psicologia, vol. 2, n. 2, 2015.

FUKUMITSU, K. O.; KOVACS, M. J. “Especificidades sobre processo de luto frente ao suicídio”. Psico (Porto Alegre), vol. 47, n. 1, 2016.

KREUZ, G.; ANTONASSI, R. P. N. “Grupo de apoio para sobreviventes do suicídio”. Psicologia em estudo, vol. 25, 2020.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1969.

LAMB, D. H. “Loss and grief: Psychotherapy strategies and interventions”. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, vol. 25, n. 4, 1988.

LIMA. M. C.; SENHORAS, E. M. “Geografia Política e Geopolítica à luz de uma revisão integrativa”. Revista Intellector, vol. 17, n. 33, 2020.

MALGAREZI, V. A.; VON BOROWSKI, S. B.; CESCONETTO, R. A. Z.; WACHHOLZ, T. “As percepções de psicólogos em relação ao suicídio: uma pesquisa qualitativa no cenário sul catarinense”. Revista Psicologia e Saúde, vol. 12, n. 2, 2020.

MAZORRA, L. A construção de significados atribuídos à morte de um ente querido e o processo de luto (Tese de Doutorado em Psicologia Clínica). São Paulo: PUC-SP, 2019.

MELO, A. K.; BRASIL, C. C. P; FIGUEIREDO, I. A.; CATUNDA, M. L.; CARIOCA, S. P. B. “Atuação do psicólogo no hospital geral com pacientes de tentativa de suicídio: estudo fenomenológico”. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, vol. 1, n. 4, 2018.

MULLER, S. A.; PEREIRA, G.; ZANON, R. B. “Estratégias de prevenção e pósvenção do suicídio: Estudo com profissionais de um Centro de Atenção Psicossocial”. Revista de Psicologia da IMED, vol. 9, n. 2, 2017.

NICHOLS, M.; SCHWARTZ, R. C. Terapia Familiar conceitos e métodos. São Paulo: Artmed, 2007.

OKAJIMA, F. K. “Suicídio, luto e posvenção”. In: OKAJIMA, F. K. (org.). Vida, morte e luto. São Paulo: Summus Editorial, 2018.

OMS - Organização Mundial da Saúde. Preventing suicide: a global imperative. Genebra: OMS, 2014. Disponível em: <https://www.who.int>. Acesso em: 02/02/2021.

OMS - Organização Mundial da Saúde. Preventing suicide: how to start a survivors group. Genebra: OMS, 2008. Disponível em: <https://www.who.int>. Acesso em: 02/02/2021.

OPAS - Organização Pan-Americana da Saúde. “Suícidio”. Portal Eletrônico da Organização Pan-Americana da Saúde. Disponível em: <https://www.paho.org>. Acesso em: 02/06/2020.

PARKES, C. M. Luto: estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo: Editora Summus, 1998.

RAMOS, I. N. B.; FALCAO, E. B. E. “Suicídio, um Tema Pouco Conhecido na Formação Médica”. Revista Brasileira de Educação Médica, vol. 35, n. 4, 2011.

SCAVACINI, K. O suicídio é um problema de todos: a consciência, a competência e o diálogo na prevenção e posvenção do suicídio (Tese de Doutorado em Psicologia). São Paulo: USP, 2018.

SEIBEL, B. L et al. “Rede de Apoio Social e Funcionamento Familiar: Estudo Longitudinal sobre Famílias em Vulnerabilidade Social”. Pensando Famílias, vol. 21, n. 1, 2017.

SERRA, A. P. E.; FREITAS, J. L. “Luto materno no suicídio: a impotência e o desamparo frente às (im)possibilidades”. Revista do NUFEN, vol. 12, n. 3, 2020.

SHELBY, J.; PRIGERSON, H. “Psychotherapy of traumatic grief: a review of evidence for psychotherapeutic treatments”. Death Studies, vol. 24, n. 6, 2000.

SILVA, D. R. “Famílias e situação e luto”. In: OSORIO, L. C.; PASCUAL DO VALE, M. E. (orgs.). Manual de terapia familiar. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SOUZA, M. T.; SILVA, M. D.; CARVALHO, R. “Revisão integrativa: o que é e como fazer”. Revista Einstein, vol. 8, n. 1, 2010.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Editora Atlas, 1987.

VASCONCELLOS, M. J. E. Pensamento sistêmico: O novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2010.

ZANA, A. R. O.; KOVACS, M. J. “O psicólogo e o atendimento a pacientes com ideação ou tentativa de suicídio”. Estudos e pesquisas em Psicologia, vol. 13, n. 3, 2013.