O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS SOBRE A PROFISSÃO DOCENTE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Stela Martins Teles
Maristela Rossato

Resumo

O presente estudo tem como objetivo analisar os significados produzidos pelos estudantes de estágio supervisionado sobre a profissão docente A pesquisa foi desenvolvida no curso de Licenciatura em Educação Profissional e Tecnológica do Instituto Federal de Brasília. A fundamentação teórica foi referenciada por perspectivas da psicologia histórico-cultural. A pesquisa realizada foi de natureza qualitativa e as informações para análise foram geradas a partir do trabalho de conclusão de curso de 3 estudantes do curso de Licenciatura em Educação Profissional e Tecnológica. A análise identificou que os estudantes significam o estágio como espaço de profissionalização necessário para a formação docente, sendo o momento da formação que possibilita novas reflexões e tomada de posicionamento na prática docente. Concluímos que é necessária uma organização intencional de formação de professores que considere as produções subjetivas no processo formativo para que este se constitua como promotor de mudanças na prática profissional.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
TELES, S. M.; ROSSATO, M. O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO ESPAÇO DE PRODUÇÃO DE SIGNIFICADOS SOBRE A PROFISSÃO DOCENTE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 15, n. 44, p. 48–65, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8207112. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/1790. Acesso em: 24 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

BIOTO, P. A. “Pressupostos teóricos da investigação sobre formação de professores”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 12, n. 34, 2022.

BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília. Planalto, 1996. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2023.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 02, de 20 de dezembro de 2019. Brasília: Ministério da Educação, 2019. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2023.

DINIZ-PEREIRA, J. E. “Prodoc: 20 anos de pesquisas sobre a profissão, a formação e a condição docentes”. Formação Docente, vol. 10, 2018.

GONZÁLEZ REY, F. “O social como produção subjetiva: superando a dicotomia individuo -sociedade numa perspectiva cultural histórica da subjetividade”. In: SANTANA, M. F.; SAMPAIO, R. L.; PINTO, L. A. (orgs.). Diálogos sobre o Social e a Psicologia. Rio de Janeiro: Grupo Multifoco, 2020.

IFB – Instituto Federal de Brasília. Resolução n. 15, de 12 de agosto de 2014. Brasília: IFB, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2023.

JANERINE, A. S.; QUADROS, A. L. “O processo de configuração identitária docente de licenciandos em química durante uma experiência de imersão na docência”. Revista Ciência e Educação, vol. 38, 2022.

MACIEL, A. O.; ALMEIDA, S. M. N.; PONTES JÚNIOR, J. A. F. “The role of the supervising teacher in the curricular intership: whato do publications say?”. Tendências Pedagógicas, vol. 39, 2022.

MIETO, G. S. M.; BARBATO, S.; ROSA, A. “Professores em transição: produção de significados em atuação inicial na inclusão escolar”. Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol. 32, 2017.

MITJÁNS MARTÍNEZ, A.; GONZÁLEZ REY, F. “A preparação para o exercício da profissão docente: contribuições da Teoria da Subjetividade”. In: ROSSATO, M.; PERES, V. L. A. Formação de educadores e psicólogos: contribuições e desafios da subjetividade na perspectiva cultural-histórica. Curitiba: Editora Appris, 2019.

NÓVOA, A. “Conhecimento profissional docente e formação de professores”. Revista Brasileira de Educação, vol. 27, 2022.

NÓVOA, A. “Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente”. Cadernos de Pesquisa, vol. 47, n. 166, 2017.

PANIAGO, R. N. et al. “A formação de professores nos institutos federais e a aprendizagem da docência na prática como componente curricular”. Revista Pro-Posições, vol. 32, 2021

PAULO, J. P. A. Compreendendo formação de professores no âmbito do Modelo dos Campos Semânticos (Tese Doutorado em Educação Matemática). Rios Claros: UNESP, 2020.

SARTI, F. M.; ARAÚJO, S. R. P. M. “Acolhimento no estágio supervisionado: entre modelos e possibilidades para a formação docente”. Educação, vol. 39, 2016.

SCOZ, B. J. L. “Aprendizagem e ensino de professores: sentidos subjetivos”. In: MITJÁNS MARTÍNEZ, A.; TACCA, M. C. V. R. (orgs.). A complexidade da aprendizagem: destaque ao ensino superior. Campinas: Editora Alínea, 2009.

SCOZ, B. J. L.; ANDION, T. M. “Formação pessoal de psicopedagogos; a constituição da subjetividade nos processos de aprender e de ensinar”. In: BARONE, L. M. C. et al. (org.). Psicopedagogia do ontem ao amanhã: avanços e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora Walk, 2020.

SILVA, W. L. M.; JULIO, R. S.; OLIVEIRA, V. C. A. “Quando mudam os interlocutores: produzindo diferentes significados a partir de “ser professor de matemática”. Boletim de Educação Matemática, vol. 35, n. 71, 2021.

SOEK, A. M.; ALCOFORADO, J. L. M.; HARACEMIV, S. M. C. “Memoriais de formação e a escrita (auto)biográfica no estágio supervisionado na EJA”. Educar em Revista, vol. 38, 2022.

SOUZA NETO, S. S.; SARTI, F. M.; BENITES, L. C. “Entre o ofício e o habitus de professor: os desafios do estágio supervisionado no processo de iniciação à docência”. Movimento, vol. 22, 2016.

SOUZA, J. S.; ZAMPERETTI, M. P. “Entre formação de professores e suas práticas: reflexões sobre o campo em disputa”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 41, 2023.

VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2007.