DIREITO, UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E INSTITUIÇÕES PARTICIPATIVAS: ASPECTOS JURÍDICOS NORMATIVOS SOBRE A PERSPECTIVA SÓCIO-HISTÓRICA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rhadson Rezende Monteiro
Alexandre Schiavetti

Resumo

A criação de áreas protegidas, em especial as unidades de conservação são essenciais para a manutenção da estabilidade climática global, para a conservação de recursos naturais e a promoção do desenvolvimento sustentável. A existência de espaços de democracia participativa que promovam a governança dessas áreas é um princípio consolidado em tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário e aplicado em todo planeta. Não obstante, nos últimos anos, houve notória redução dos mecanismos de participação social, especialmente a supressão dos conselhos paritários federais. Esse artigo busca através de uma abordagem quali-quantitativa analisar e sistematizar a legislação correlata a Unidades de conservação (UCs) e participação social nos níveis global, nacional e estadual, bem como analisar os dados sobre implantação e funcionamento dos conselhos gestores (CG) das UCs. Como resultado são apresentados quadros que sistematizam a legislação nos 3 níveis (internacional, federal e estadual); a análise normativa dos mecanismos de participação social previstos no Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC e no Sistema Estadual de Unidades de Conservação – SEUC/Bahia, além de gráficos lastreados em dados do Ministério do Meio Ambiente e do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Bahia) que demonstram a evolução da implantação de instituições participativas em UCs. Os resultados revelam a revogação da ratificação de tratados internacionais ambientais e o retrocesso das políticas ambientais correlatas no nível federal e em contrapartida, o avanço de políticas similares no nível estadual.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MONTEIRO, R. R. .; SCHIAVETTI, A. . DIREITO, UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E INSTITUIÇÕES PARTICIPATIVAS: ASPECTOS JURÍDICOS NORMATIVOS SOBRE A PERSPECTIVA SÓCIO-HISTÓRICA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 13, n. 38, p. 139–160, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.7678856. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/869. Acesso em: 21 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ALMEIDA, C. et al. Efetividade da participação nos conselhos municipais de assistência social do Brasil. Campinas: Editora Opinião Pública, 2016.

ARAÚJO, M. A. R. Unidades de Conservação do Brasil: da república à gestão de classe mundial. Belo horizonte: SEGRAC, 2007.

BAHIA. Lei Estadual n. 10.431, de 20 de dezembro de 2006. Salvador: Assembleia Legislativa da Bahia, 2006. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2023.

BARRETO, M. Parque estadual da Serra do Conduru: histórico da criação, implementação e conflitos socioambientais (Dissertação de Mestrado em Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Sustentável). Uruçuca: Instituto de Pesquisas Ecológicas, 2014.

BRANDÃO, C. S.; SCHIAVETTI, A. “Efetividade da gestão do Parque Nacional Serra da Capivara, Piauí, Brasil: uma avaliação temporal”. Gaia Scientia, vol. 11, n. 2, 2017.

BRASIL. “Relatório Final do Gabinete de Transição Governamental”. Portal Gabinete de Transição [2022]. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2023.

BRASIL. Lei Federal n. 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília: Planalto, 2000. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2023.

COZZOLINO, L. F. F. Unidades de Conservação e os processos de Governança Local: o caso da APA do Sana (Macaé, RJ) (Dissertação de Mestrado em Filosofia e Ciências Humanas). Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

DIEGUES, A. C. S. Etnoconservação: Novos Rumos para a Conservação da Natureza. São Paulo: Editora Hucitec, 2000

FERREIRA, A. F. et al. “A importância da Convenção de Aarhus como instrumento de democracia ambiental”. Brazilian Journal of Development, vol. 7, n. 6, 2021.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

HABERMAS, J. A Inclusão do Outro: estudos de teoria política. São Paulo: Editora Loyola, 2002.

JACOBI, P. R. et al. “Agenda 21 e Governança”. Estudos Avançados, vol. 26, n. 74, 2012.

JERONYMO, C. A. L. et al. “Boa governança e participação social: uma revisão do caso das unidades de conservação da natureza do Brasil”. O Espaço Geográfico em Análise, vol. 50, 2021.

LIMONT, M.; FISCHER, D. “Gestão Participativa em Unidades de Conservação”. In: DICK, E.; DANIELI, M. A.; ZANINI, A. M. (orgs.). Gestão participativa em Unidades de Conservação: uma experiência na Mata Atlântica. Rio do Sul: APREMAVI, 2012.

MACEDO, J. A. C. Avaliação da Gestão Participativa dos Parques Estaduais da Bahia (Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento Sustentável). Brasília: UnB, 2008.

MACEDO, J. A. C.; DRUMMOND J. A. “Efeitos da gestão Participativa dos Parques Estaduais Da Bahia”. Revista de Ciências Sociais e Econômicas, vol. 32, n. 1, 2012.

ONU - Organização das Nações Unidas. Global Biodiversity Outlook 5 - GBO 5. Secretariat of the Convention on Biological Diversity. Quebec: Secretariat of the Convention on Biological Diversity, 2020. Disponível em: <https://www.unep.org>. Acesso em 05/01/2023.

ONU - Organização das Nações Unidas. “The Millennium Development Goals Report 2015”. Working Papers, n. 7222, 2015. Disponível em: <https://ideas.repec.org>. Acesso em 05/01/2023.

PORTO, M. F; MILANEZ, B. “Eixos de desenvolvimento econômico e geração de conflitos socioambientais no Brasil: desafios para a sustentabilidade e a justiça ambiental”. Ciência, Saúde Coletiva, vol. 14, n. 6, 2009

REIS, J. H. S.; CAMPELLO, L. G. B. “Razões Para a Utilização de Normas de Soft Law no Direito Internacional do Meio Ambiente”. Revista Brasileira de Direito Internacional, vol. 4, n. 1, 2018.

RIBEIRO, E. B. Q.; MACHADO, B. A. “O Acordo de Escazú e o acesso à informação ambiental no Brasil”. Revista de Direito Internacional, vol. 15, n. 3, 2018.

SANTANA, V. V. et al. “Contribuições do plano de manejo e do conselho gestor em Unidades de Conservação”. Meio Ambiente, vol. 2, n. 2, 2020.

SILVA, A. T. “Relações internacionais e meio ambiente: construindo uma agenda de governança policêntrica”. Humanitas, vol. 22, 2006.

SILVA, D. P. A.; FIGUEIREDO FILHO, D. B.; DA SILVA, A. H. “O poderoso NVivo: uma introdução a partir da análise de conteúdo”. Revista Política Hoje, vol. 24, n. 2, 2015.

SOARES, I. A. Sustentabilidade socioambiental e efetividade de gestão de unidades de conservação (Tese de Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Natal: UFRN, 2019.

VIEIRA, R. S. “Rio+20 – Conferência Das Nações Unidas Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: Contexto, Principais Temas e Expectativas em Relação Ao Novo Direito da Sustentabilidade”. Revista NEJ, vol. 17, n. 1, 2012.