GESTÃO AMBIENTAL DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Luiz Cezar Lima Junior
Antônio Vital de Meneses

Resumo

O objetivo dessa pesquisa é caracterizar e analisar a gestão ambiental de espaços verdes urbanos. A pesquisa é do tipo exploratório- descritivo, documental e formulada a partir da análise de conteúdo. Os instrumentos de coleta de dados foram conversas informais e entrevista semidirigida em torno de planos, projetos e/ou programas relacionados à política pública municipal de gestão ambiental. Os resultados da pesquisa demonstram a existência de gestão ambiental, planejamento e execução de políticas públicas em áreas verdes dentro de espaços públicos urbanos na cidade de Aracaju. A gestão ambiental é desenvolvida com base em princípios burocráticos de governo. Destacam-se: Existe equipe multidisciplinar atuando em setores estratégicos da administração pública municipal, existe relativa autonomia de decisão, principalmente, com relação a planos, projetos e programas de educação ambiental, a qualidade de vida constitui- se como mote comum entre os gestores ambientais e existe falta de gestão de conhecimento dentro dos órgãos ligados ao tema, ou seja, o acesso as informações sobre projetos, planos e programas torna-se bastante dificultado.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LIMA JUNIOR, L. C. .; MENESES, A. V. de . GESTÃO AMBIENTAL DE ESPAÇOS PÚBLICOS URBANOS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 10, n. 29, p. 97–106, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.6522668. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/615. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Artigos

Referências

ACSELRAD, H. “Discurso Da Sustentabilidade Urbana”. Anais de Encontros Nacionais da ANPUR, vol. 8, 2013.

ALMEIDA, M; GUTIERREZ, G. “Políticas Públicas de lazer e qualidade de vida”. In: VILARTA, R. (org.). Qualidade de vida e políticas públicas. Campinas: IPES Editorial, 2004.

AZADI H. et al. “Multi-Stakeholder Involvement and Urban Green Space Performance”. Journal of Environmental Planning and Management, vol. 54, n. 6, 2011.

BARBIRATO, G, M; SOUZA, L, C, L, D; TORRES, S, C. Clima e Cidade: a abordagem climática como subsídio para estudos urbanos. Maceió: EdUFAL, 2007

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARTALINI, V. Áreas verdes e espaços livres urbanos: paisagem e ambiente. São Paulo: Ensaios, 1986.

BEDIMO, R. R; MOWEN, A. J; COHEN, D. A. “The Significance of Parks to Physical Activity and Public Health: a conceptual model”. American Journal of Preventive Medicine, vol. 28, n. 2, 2005.

BENINI, S. M. “Encarnita Salas. Decifrando As Áreas Verdes Públicas”. Formação, vol. 2, n. 17, 2011.

BRAVO, R. S. Técnicas de investigação social: Teoria e ejercicios. Madrid: Paraninfo, 1991.

CAVALHEIRO, F.; DEL PICCHIA, P.C.D. “Áreas verdes: conceitos, objetivos e diretrizes para o planejamento”. Anais do 1º Congresso Brasileiro sobre Arborização Urbana e 4º Encontro Nacional sobre Arborização Urbana. Vitória: ER Ambiental, 1992.

CAVALHEIRO, F. “Proposição de Terminologia Para o Verde Urbano”. Boletim Informativo Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, n. 3, julho/agosto/setembro, 1999.

CARVALHO, P. F.; BRAGA, R. (orgs.) Perspectivas de Gestão Ambiental em Cidades Médias. Rio Claro: LPM-UNESP, 2001.

CARVALHO, S. N. Planejamento Urbano e Democracia: a experiência de Santos (Tese de Doutorado em Ciência Política. Campinas: UNICAMP, 1999.

CELLARD, A. “A análise documental”. In: POUPART, J. et al. (orgs.). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração: Uma Visão Abrangente da Moderna Administração das Organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

FERREIRA, R. A. et al. Manual de Arborização Urbana de Aracaju: praças. Aracaju: UFS, 2011.

GOMES, P. C. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil, 2006.

HAQ, S. M. A. “Urban green spaces and an integrative approach to sustainable environment”. Journal of environmental protection, vol. 2, n. 5, 2011.

HELDER, R. R. Como fazer análise documental. Porto: Universidade de Algarve, 2006.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. “Áreas verdes Públicas Urbanas: conceitos, usos e funções”. Revista Ambiência, vol. 1, n. 1, 2005.

MAY, T. Pesquisa social: questões, métodos e processo. Porto Alegre: Artmed, 2004

MENDONÇA, M. G.; LIMA, S. C. “Histórico da Gestão Ambiental no Município de Uberlândia”. Caminhos de Geografia, vol. 1, n. 1, 2000.

MILLER-JÚNIOR, G. T. Ciência Ambiental. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

MINAYO, M. C. S.; HARTZ, Z. M. A.; BUSS, P. M. “Qualidade de Vida e Saúde: um debate necessário”. Revista Ciência & Saúde Coletiva, vol. 5, n. 1, 2000.

OLIVEIRA, J. A. P. Instrumentos Econômicos para Gestão Ambiental: Lições das experiências nacional e internacional. Salvador: NEAMA/CRA, 2003.

PHILIPPI Jr., A. BRUNA, G. C. “Enverdecimiento urbano en Brasil: un estudio de caso”. In: KRISHNAMURTHY, L.; NASCIMENTO, J. R. (eds.). Áreas Verdes Urbanas en Latinoamérica y el Caribe. Chapingo: Univerdidad Autónoma Chapingo, 1998.

PIMENTEL, A. “O método da análise documental: seu uso numa pesquisa histórica”. Cadernos de Pesquisa, n.114, novembro, 2001.

RIBAS, J. R.; SMITH, S. B. M. “O marketing verde recompensa”. Cadernos de Gestão Social, vol. 2, n. 1, 2009.

SANTOS, M. Espaço do cidadão. 3.ed. São Paulo: Nobel, 1997

SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Petrópolis: Vozes, 1979.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988

TORO, J. B.; WERNECK, N. M. D. Mobilização Social: um modo de construir a democracia e a participação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.