ESTADO PATRIARCAL E POLÍTICAS PARA MULHERES: DA LUTA PELA EQUIDADE DE GÊNERO AO CASO DE POLÍCIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Beatriz Borges Brambilla

Resumo

O Brasil é um país marcado pelo processo de formação social-histórica-política alicerçado em bases coloniais (racista-patriarcal-capitalista), que opera sobre as relações sociais e formas de vida. Observa-se uma formação do Estado Moderno em nosso país que legitimou a superexploração dos corpos e da vida das mulheres; estupradas, escravizadas, dominadas e inferiorizadas. O presente artigo, assim, propõe-se como um ensaio teórico-crítico que visará analisar o desenvolvimento de políticas públicas para as mulheres, analisando as medidas adotadas para a equidade de gênero, e observando uma abordagem patriarcal do Estado brasileiro ao sucatear, precarizar e findar as políticas para as mulheres, abordando, por fim, a problemática da desigualdade/violência de gênero e da violência doméstica como um “caso de polícia”. Tal cenário acentua ainda mais a violência contra as mulheres, exigindo uma repolarização da política, com a despatriarcalização e feministação do Estado e das relações sociais, com a produção de novas sínteses e teias de sentido a partir da desnaturalização das relações de exploração-dominação-opressão patriarcal, da luta organizada das mulheres, do reconhecimento da pluralidade e das interseccionalidades, com políticas sociais efetivas e com a ocupação da política institucional.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BRAMBILLA, B. B. . ESTADO PATRIARCAL E POLÍTICAS PARA MULHERES: DA LUTA PELA EQUIDADE DE GÊNERO AO CASO DE POLÍCIA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 5, n. 13, p. 27–42, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.4292706. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/5. Acesso em: 6 jul. 2022.
Seção
Artigos

Referências

ALONZO, N. “Análisis | ¿Despatriarcalizar la política?: apuntes sobre las elecciones desde una perspectiva feminista”. Sítio Eletrónico del Centro de Estudio para la Democracia (CESPAD) [11/06/2020]. Disponível em: <https://cespad.org.hn>. Acesso em: 24/11/2020.

FBSP - Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2020.

BRAMBILLA, B; B. Um Nó Escamoteado: a dimensão subjetiva da desigualdade social e seus desdobramentos na política de assistência social. (Tese de Doutorado em Psicologia: Psicologia Social). São Paulo: PUC-SP, 2019.

BRASIL. Decreto nº 1.973, de 01 de agosto de 1996. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2020.

BRASIL. Decreto nº 89.460, de 20 de marco de 1984. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2020.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 95, de 15 de dezembro de 2016. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2020.

BRASIL. Lei Federal nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2020.

BRASIL. Lei Federal nº 11.340, de 07 de agosto de 2006. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2020.

BRASIL. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004.

COLETIVO SYCORAX. “Notas das Tradutoras”. In: FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

DAVIS, A. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Editora Boitempo, 2017.

FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa: Mulheres, Corpo e Acumulação Primitiva. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

FERRO, Á. K.; FARIA SOUZA, Ú. G. T. “Violação de Direitos Humanos: Atendimento Policial à Mulher Vítima de Violência Doméstica”. Revista da EMERON: Escola da Magistratura do Estado de Rondônia, n. 25, 1996.

GONÇALVES, R.; ABREU, S. “Do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres ao “Machistério” de Temer”. Revista de Políticas Públicas, vol. 22, n. 02, 2019.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

MATOS, M.; PARADIS, C. G. “Desafios à Despatriarcalização do Estado Brasileiro”. Cadernos Pagu, n. 43, 2014.

MENEGHETTI, F. K. “O que é um ensaio-teórico?” Revista de Administração Contemporânea, vol. 15, n. 02, 2011.

MÉSZÁROS, I. O Poder da Ideologia. São Paulo: Editora Boitempo, 2014.

MIGUEL, L. F. “Voltando à Discussão sobre Capitalismo e Patriarcado”. Revista Estudos Feministas, vol. 25, n. 03, 2017.

ONU - Organização das Nações Unidas. Recomendação Geral Nº. 33 do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra as Mulheres (CEDAW). Nova York: ONU, 2015.

PATEMAN, C. The Sexual Contract. Stanford: Stanford University Press, 1993.

SAFFIOTI, H. I. B. “Contribuições Feministas para o Estudo da Violência de Gênero”. Cadernos Pagu, n. 16, 2001.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)