O CONAR E O SEXISMO NA PROPAGANDA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Fernanda Almeida Marcon
Ana Maria Simões Ribeiro
João Henriques de Sousa Júnior
Elton Belz
Rudimar Antunes da Rocha

Resumo

As questões de gênero permeiam o mercado em diversos aspectos, e o machismo estrutural e sexismo presentes na sociedade muitas vezes fazem uso da figura feminina de forma distorcida nas propagandas e ações publicitárias, problematizando ainda mais essas questões, sendo necessário, algumas vezes, denunciar tais peças publicitárias ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR), órgão responsável pela autorregulamentação publicitária no Brasil, a fim de que sejam tomadas providências. Diante disso, este artigo tem como objetivo identificar qual o entendimento predominante do CONAR nos casos de denúncias reportando ofensas à figura feminina. Para tanto, realizou-se uma pesquisa documental das decisões do CONAR proferidas entre os anos de 2007 e 2020, disponibilizadas no portal da instituição na internet, analisadas sob a ótica da análise de conteúdo. Os resultados apontam que o entendimento predominante do órgão ainda é pelo arquivamento das reclamações, apesar de haver um aumento na quantidade de decisões pela sustação da veiculação dos anúncios denunciados. Frente ao exposto, conclui-se ser necessário elucidar ainda mais as discussões de gênero dentro do contexto do marketing, especialmente na publicidade e propaganda, ressaltando-se a importância da compreensão das novas concepções sociais e a necessidade de um mercado cada vez mais inclusivo e sem preconceitos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MARCON, F. A.; RIBEIRO, A. M. S.; SOUSA JÚNIOR, J. H. de; BELZ, E.; ROCHA, R. A. da. O CONAR E O SEXISMO NA PROPAGANDA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 18, n. 52, p. 116–136, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.11003190. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3929. Acesso em: 19 maio. 2024.
Seção
Artigos

Referências

AN, D.; KIM, S. “Relating Hofstede's masculinity dimension to gender role portrayals in advertising”. International Marketing Review, vol. 24, n. 2, 2007.

ARAGÃO, A. S. D. “Liberdade de Expressão Comercial”. Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico, n. 6, 2006.

ARSEL, Z.; ERÄRANTA, K.; MOISANDER, J. “Introduction: theorising gender and gendering theory in marketing and consumer research”. Journal of Marketing Management, vol. 31, n. 15, 2015.

BALAKRISHNAN, A.; BARCLAY, F. P. “Does Sexism Still Sell? Audience Perception of Bigoted Advertisements”. In: BARCLAY, F. P. Gender and Popular Visual Culture in India. London: Routledge, 2023.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BESCÓS, J. M. R. Creatividad y comunicación persuasiva. Barcelona: Editora UAB, 2000.

BEZERRA, G. M. P. Liberdade de expressão comercial: autorregulamentação como estratégia corporativa do setor publicitário (Tese de Doutorado em Sociologia). Recife: UFPE, 2015.

BODDEWYN, J. J. Advertising self-regulation and outside participation: a multinational comparison. New York: Quorum Books, 1988.

BÖHMER, N.; GRIESE, K. M. “Developing Gender Equality Marketing Beyond 2025: A Systematic Literature Review”. In: PARK, S. H. et al. (ed.). The Palgrave Handbook of Corporate Sustainability in the Digital Era. Cham: Palgrave Macmillan, 2020.

BRAGA, E. S.; SANTOS, J. N. “A Percepção da Mulher sobre Oportunidade e Igualdade de Gênero no Mercado de Trabalho em Rondonópolis (MT)”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 17, n. 50, 2024.

BRASIL. Lei n. 8.078, de 11 de setembro de 1990. Brasília: Planalto, 1990. Disponível em: . Acesso em: 10/01/2024.

CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Código Brasileiro de autorregulamentação Publicitária. Brasília: CONAR, 1980. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2024.

CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Decisão n. 001, de 25 de março de 2015. Brasília: CONAR, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2024.

CONAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Decisão n. 206, de 01 de novembro de 2011. Brasília: CONAR, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20/01/2024.

DAVLIKANOVA, E.; LYLYK, I. “An Unexpected Journey to State and Self-Regulation of Sexist Advertising in Ukraine”. Advertising and Society Quarterly, vol. 1, n. 24, 2023.

DUNCAN, T. IMC: Using advertising and promotion to build brands. New York: McGraw-Hill, 2002.

EISEND, M. “A meta-analysis of humor in advertising”. Journal of The Academy of Marketing Science, vol. 37, n. 2, 2008.

EISEND, M.; PLAGEMANN, J.; SOLLWEDEL, J. “Gender Roles and Humor in Advertising: The Occurrence of Stereotyping in Humorous and Nonhumorous Advertising and Its Consequences for Advertising Effectiveness”. Journal of Advertising, vol. 43, n. 3, 2014.

GLICK, P.; FISKE, S. T. “The Ambivalent Sexism Inventory: Differentiating Hostile and Benevolent Sexism”. Journal of Personality and Socialpsychology, vol. 70, n. 3, 1996.

GRAU, S. L.; ZOTOS, Y. C. “Gender stereotypes in advertising: a review of current research”. International Journal of Advertising, vol. 35, n. 5, 2016.

GURRIERI, L.; FINN, F. “Gender transformative advertising pedagogy: promoting gender justice through marketing education”. Journal of Marketing Management, vol. 39, n. 1, 2023.

HACKLEY, C. “The Panoptic Role of Advertising Agencies in the Production of Consumer Culture”. Consumption, Markets and Culture, vol. 5, n. 3, 2002.

HUHMANN, B. A.; LIMBU, Y. B. “Influence of gender stereotypes on advertising offensiveness and attitude toward advertising in general”. International Journal of Advertising, vol. 35, n. 5, 2016.

JONES, S. C.; REID, A. “The use of female sexuality in Australian alcohol advertising: public policy implications of young adults' reactions to stereotypes”. Journal of Public Affairs, vol. 10, n. 1, 2010.

KALBFLEISCH, P. J.; CODY, M. J. Gender, Power, and Communication in Human Relationships. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1995.

KALYNETS, K. “The Inluence of Sexism on our Society: The marketing aspect in pre-war Ukraine and in the current confitions of war”. Madrid: Universidad Carlos III de Madrid, 2022.

LYSARDO-DIAS, D. “A Construção e a desconstrução de estereótipos pela publicidade brasileira”. In: MACHADO-BORGES, T. (org.). Passando dos limites? Mídia e transgressão: casos brasileiros. Stockholm: Stockholm University, 2007.

LYSONSKI, S.; POLLAY, R. W. “Advertising Sexism is Forgiven, But Not Forgotten: Historical, Cross-Cultural and Individual Differences in Criticism and Purchase Boycott Intentions”. International Journal of Advertising, vol. 9, n. 4, 1990.

MARCON, F. A. Papéis femininos na propaganda e seus efeitos sobre consumidores brasileiros (Dissertação de Mestrado em Administração). Florianópolis: UFSC, 2018.

MARTINS NETO, J. P. Fundamentos da Liberdade de Expressão. Florianópolis: Editora Insular, 2008.

MIGUEL, L. F. “Discursos sexistas no humorismo e na publicidade: A expressão pública, seus limites e os limites dos limites”. Cadernos Pagu, vol. 41, 2013.

MILL, J. S. Sobre a liberdade. Rio de Janeiro:Editora Nova Fronteira, 2011.

MILLS, S. Language and sexism. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

MOREIRA, V. Autorregulamentação Profissional e Administração Pública. Coimbra: Editora Almedina, 1997.

NEUENDORF, K. A. “Content Analysis – A Methodological Primer for Gender Research”. Sex Roles, vol. 64, n. 4, 2011.

ORTH, U. R.; HOLANCOVA, D. “Men's and women's responses to sex role portrayals in advertisements”. International Journal of Research in Marketing, vol. 21, n. 1, 2004.

PAGANOTTI, I. “Redemocratização e reposicionamento de instâncias reguladoras da comunicação: disputas pelo controle da mídia no Brasil”. Anais do XIV Congresso Internacional IBERCOM. São Paulo: USP, 2015.

PEÑA-FERNANDEZ, S.; LARRONDO-URETA, A.; MORALES-I-GRAS, J. “Feminism, Gender Identity and Polarization in TikTok and Twitter”. Media Education Research Journal, vol. 31, n. 75, 2023.

PETROLL, M. L. M.; ROSSI, C. A. V. “Apelo Sexual na Propaganda e seus Efeitos sobre o Consumidor: um experimento em mídia impressa”. Revista de Administração Eletrônica, vol. 1, n. 2, 2008.

PLAKOYIANNAKI, E.; ZOTOS, Y. “Female role stereotypes in print advertising: Identifying associations with magazine and product categories”. European Journal of Marketing, vol. 43, n. 12, 2009.

POLLAY, R. W. “The distorted mirror: reflections on the unintended consequences of advertising”. Journal of Marketing, vol. 2, n. 50, 1986.

POLLAY, R. W.; LYSONSKI, S. “In the Eye of the Beholder”. Journal of International Consumer Marketing, vol. 6, n. 2, 1993.

RAWLS, J. Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2008.

REBOUÇAS, E. “Estratégia retórica dos ‘donos’ da mídia como escudo ao controle social”. Líbero, vol. 9, 2006.

REICHERT, T.; CARPENTER, C. “An update on sex in magazine advertising: 1983 to 2003”. Journalism and Mass Communication Quarterly, vol. n. 81, 2004.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. “Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas”. Revista Brasileira de História e Ciências Sociais, vol. 1, n. 1, 2009.

SCHNEIDER, A. Conar 25 anos: ética na prática. São Paulo: Editora Terceiro Nome Albatroz, 2005.

SENGUPTA, J.; DAHL, D. W. “Gender-related reactions to gratuitous sex appeals in advertising”. Journal of Consumer Psychology, vol. 18, n. 1, 2008.

SHINER, R. Freedom of Commercial Expression. Nova Iorque: Oxford University Press, 2003.

SIQUEIRA, F. B. G. A mulher margarina: uma representação dominante em comerciais de TV nos anos 70 e 80. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.

SOUSA JÚNIOR, J. H.; ROCHA, R. A. “Os Significados Sociais Atribuídos ao Corpo Gordo ao Longo do Tempo”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 42, 2023.

STERNTHAL, B.; CRAIG, C. S. “Humor in Advertising”. Journal of Marketing, vol. 37, n. 4, 1973.

VAN HELLEMONT, C.; BULCK, H. V. D. “Impacts of advertisements that are unfriendly to women and men”. International Journal of Advertising, vol. 31, n. 3, 2012.

WEINBERGER, M. G.; GULAS, C. S. “The Impact of Humor in Advertising: A Review”. Journal of Advertising, vol. 21, n. 4, 1992.

WHIPPLE, T. W.; COURTNEY, A. E. “How Men and Women Judge Humor Advertising Guidelines for Action and Research”. Current Issues and Research In Advertising, vol. 4, n. 1, 1981.

WOLIN, L. D. “Gender issues in advertising: An oversight synthesis of research: 1970-2002”. Journal of Advertising Research, vol. 43, n. 1, 2003.

ZLOCHA, L. “Právna regulácia sexizmu v reklame – základné východiská”. Právny Obzor, vol. 106, 2023.

ZOTOS, Y. C.; TSICHLA, E. “Female Stereotypes in Print Advertising: A Retrospective Analysis”. Procedia - Social and Behavioral Sciences, vol. 148, 2014.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)