DEBATES SOBRE AS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO NO OLHAR DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cassiane Beatrís Pasuck Benassi
Queli Ghilardi Cancian
Deisiane De Toni Alves
Dulce Maria Strieder

Resumo

O debate acerca do conhecimento científico e suas fronteiras com outros conhecimentos, a exemplo do religioso, é de grande relevância, já que é possível perceber conflitos que podem interferir no processo de ensino e aprendizagem da Ciência. Nesse sentido, o objetivo da presente pesquisa considera identificar aspectos sociais e culturais dos estudantes do 3º ano do Ensino Médio de cinco escolas da Rede Estadual de Cascavel-PR. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descritiva, realizada por meio de uma revisão bibliográfica e estudo de campo. O instrumento utilizado na coleta de dados foi entrevista áudio gravada, contando com a participação de 27 estudantes. Os resultados sugerem a fragilidade do conhecimento sobre o evolucionismo e sobre as fronteiras deste com o criacionismo, embora em diferentes momentos do currículo escolar estejam presentes conteúdos científicos sobre a origem da vida e a evolução. Neste sentido, conclui-se que o tema, ainda que muito abordado em produções acadêmicas, necessita ser mais intensamente abordado no contexto escolar, destacando conflitos e desafios enfrentados por professores e estudantes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BENASSI, C. B. P. . .; CANCIAN , Q. G. .; ALVES, D. D. T. .; STRIEDER, D. M. . DEBATES SOBRE AS FRONTEIRAS DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO NO OLHAR DOS ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 51, p. 312–329, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10895598. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3750. Acesso em: 12 abr. 2024.
Seção
Artigos

Referências

BAPTISTA, G. C. S. “Importância da demarcação de saberes no ensino de Ciências para sociedades tradicionais”. Ciência e Educação, vol. 16, n. 3, 2010.

BAPTISTA, P. A. N.; SIQUEIRA, G. P. “O Ensino Religioso, a relação educadora-educando e a Base Nacional Comum Curricular–BNCC e o Currículo Referência de Minas Gerais–CRMG”. Revista Pistis Praxis, vol. 13, n. 1, 2021.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Editora Edições 70, 2016.

BARNES, M. E. et al. “Accepting evolution means you can’t believe in god”: atheistic perceptions of evolution among college biology students. CBE–Life Sciences Education, vol. 19, n. 2, 2020.

BEZERRA, T. M. M.; DAXENBERGER, A. C. S. “A relação étnico racial no ensino de biologia: desenvolvendo uma sequência didática”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 43, 2023.

BIZZO, N.; ARAÚJO, L. A. L. “Ensino de Evolução: o que dizem as pesquisas?”. Genética na Escola, vol. 16, n. 2, 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério de Educação, 2018. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2024.

CARVALHO, A. M. P. “Uma metodologia de pesquisa para estudar os processos de ensino e aprendizagem em salas de aula”. In: SANTOS, F. M. T.; GRECA, I. M. (orgs.). A pesquisa em ensino de ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí: Editora Unijuí, 2006.

CHRISTONASIS, A. et al. “Religiosity and teachers’ acceptance of the Big Bang Theory”. Eurasian Journal of Science and Environmental Education, vol. 3, 2023.

CUNHA, M. B. A percepção de ciência e tecnologia dos estudantes de ensino médio e a divulgação científica (Tese de Doutorado em Educação). São Paulo: USP, 2009.

DORVILLÉ, L F. M.; SELLES, S. L. E. “Criacionismo: transformações históricas e implicações para o ensino de ciências e biologia”. Cadernos de Pesquisa, vol. 46, n. 160, 2016.

GAMBOA, S. S. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Editora Argós, 2007.

GRESSLER, L. A. Introdução à pesquisa: projetos e relatórios. São Paulo: Editora Loyola, 2004.

LICATTI, F. O ensino de evolução biológica no nível médio: investigando concepções de professores de Biologia (Dissertação de Mestrado em Ciências). São Paulo: UNESP, 2005.

LOPES, A. R. C. “Pluralismo cultural em políticas de currículo nacional”. In: MOREIRA, A. F. B. (org.). Currículo: políticas e práticas. Campinas: Editora Papirus, 1999.

MACIEL, T. A. C.; MELLO, R. “Fatores que mais influenciam a percepção sobre evolução biológica e criacionismo em alunos do ensino médio do Distrito Federal”. Revista Ciências e Ideias, vol. 11, 2020.

MANTELAS, N.; MAVRIKAKI, E. “Religiosity and students’ acceptance of Evolution”. International Journal of Science Education, vol. 42, n. 18, 2020.

MARQUES, R.; CAMPOS, M. A. T. “A insurgência da cultura na escola como paradigma na pós-modernidade na educação”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 37, 2023.

OLEQUES, L. C.; BOER, N.; BARTHOLOMEI-SANTOS, M. L. “Reflexões acerca das diferentes visões sobre a natureza da ciência e crenças de alunos de um curso de Ciências Biológicas”. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, vol. 12, n. 1, 2013.

OLIVEIRA, A.; COOK, K. (eds.). Evolution Education and the Rise of the Creationist Movement in Brazil. New York: Lexington Books, 2019.

OLIVEIRA, G. S. et al. “Acceptance of evolution by high school students: Is religion the key factor?” PLoS One, vol. 17, n. 9, 2022.

OSÓRIO, M. V.; PECHLIYE, M. M. “Análise das concepções de alunos de uma escola pública em São Paulo sobre a imagem dos cientistas”. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Campinas: ABRAPEC, 2011.

PARANÁ. Currículo da Rede Estadual Paranaense. Curitiba: Secretaria de Educação, 2021. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2024.

PARANÁ. Diretrizes Curriculares de Biologia. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação, 2008a. Disponível em: . Acesso em: 24/01/2024.

PARANÁ. Diretrizes Curriculares de Biologia. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação, 2008b. Disponível em: . Acesso em: 24/01/2024.

RIBEIRO JR., M. C. et al. (2020). “Evolução biológica e criacionismo: vivência e discussão entre alunos do ensino médio”. Research, Society and Development, vol. 9, n. 7, 2020.

RICETO, B. V.; COLOMBO JUNIOR, P. D. “Diálogos entre ciência e religião: a temática sob a ótica de futuros professores”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, vol. 100, 2019.

SEPULVEDA, C.; EL-HANI, C. N. “Quando visões de mundo se encontram: Religião e ciência na trajetória de formação de alunos protestantes de uma licenciatura em ciências biológicas”. Investigações em Ensino de Ciências, vol. 9, 2004.

SILVA, H. M. et al. “Biology teachers’ conceptions of Humankind Origin across secular and religious countries: an international comparison”. Evolution: Education and Outreach, vol. 14, 2021.

STRIEDER, D. M. As relações entre a cultura científica e a cultura local na fala dos professores: um estudo das representações sobre o ensino de ciências em um contexto teuto-brasileiro (Tese de Doutorado em Educação). São Paulo: USP, 2007.

TAVARES, M. Literacia científica sobre sismos: um estudo com alunos açorianos no final do 1.º CEB e respetivos pais (Dissertação de Mestrado em Ciências da Educação). Braga: UMinho, 2018.

TEIXEIRA, P. “Acceptance of the theory of evolution by high school students in Rio de Janeiro, Brazil: scientific aspects of evolution and the biblical narrative”. International Journal of Science Education, vol. 41, n. 4, 2019.

YOK, M. C. K. et al. “Preliminary results on Malaysian teachers’ conception of Evolution”. Procedia-Social and Behavioral Sciences, vol. 167, 2015.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)