OCUPAÇÕES ARTÍSTICO-CULTURAIS: A EMANCIPAÇÃO HUMANA PELA RESSIGNIFICAÇÃO DO TRABALHO E APROPRIAÇÃO DO DIREITO À CIDADE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Donny Wallesson dos Santos
Maurício José Morais Costa
Conceição de Maria Belfort de Carvalho
Kláutenys Dellene Guedes Cutrim
Rozuila Neves Lima

Resumo

Este estudo busca analisar as oportunidades de libertação da classe trabalhadora do setor cultural, especialmente aqueles envolvidos em ocupações artísticas e culturais do Centro Histórico de São Luís, e sua relação com a redefinição dos espaços públicos para alcançar a emancipação humana nesse contexto. Utiliza uma abordagem metodológica crítico-dialética. Trata-se de uma pesquisa aplicada de natureza exploratória e descritiva, usando estudo de caso. Inicialmente, foi realizado um levantamento bibliográfico abrangendo os últimos 3 anos em fontes como SciELO, Portal de Periódicos da CAPES e Metabuscador Oasis do IBICT. Os dados foram coletados por meio de pesquisa de campo envolvendo 4 ocupações artísticas e culturais no Centro Histórico de São Luís. Foram conduzidas entrevistas semiestruturadas com os representantes dessas ocupações, com análises baseadas nas diretrizes da Análise de Conteúdo. O estudo discute o direito à cidade e sua correlação com diferentes formas de organização da classe trabalhadora cultural, explorando suas possíveis libertações. Os resultados destacam as ocupações artísticas e culturais como estratégias poderosas diante da precarização do trabalho, exercendo o direito à cidade para emancipar esses indivíduos das restrições impostas pelo capitalismo, não apenas pelo setor privado, mas também pelo Estado. Os achados revelam que essas ocupações se destacam no contexto da precarização do trabalho, desafiando a mercantilização da cidade e dos espaços públicos. Elas promovem atividades e oferecem serviços de forma pública, gratuita e colaborativa, subvertendo a lógica dominante. Conclui-se que redefinir os espaços públicos patrimoniais está intimamente ligado à garantia do direito à cidade, reconhecendo sua dinâmica como um projeto coletivo que envolve esferas pública, privada e sociedade civil.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, D. W. dos; COSTA, M. J. M.; CARVALHO, C. de M. B. de; CUTRIM, K. D. G.; LIMA, R. N. OCUPAÇÕES ARTÍSTICO-CULTURAIS: A EMANCIPAÇÃO HUMANA PELA RESSIGNIFICAÇÃO DO TRABALHO E APROPRIAÇÃO DO DIREITO À CIDADE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 239–265, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10531204. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3092. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ALVES, E. “As grandes corporações culturais e o trabalho criativo”. In: ALVES, E.; BARBALHO, A. VIEIRA, M. P. (orgs.). Os trabalhadores da cultura no Brasil: criação, práticas e reconhecimentos. Salvador: Editora da UFBA, 2017.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Editora Boitempo, 2018.

AYGÜN, M. et al. “Interdisciplinary Science and Social Studies Education in The Context of Five Weeks in a Balloon”. Journal of Science Learning, vol. 5, n. 2, 2022.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Editora Edições 70, 2015.

BATISTA, I. G.; PRAZERES, M. S. C. “Materialismo histórico-dialético: reflexões sobre o método”. Práxis Educacional, vol. 19, n. 50, 2023.

BOBBIO, N. Política e Cultura. São Paulo: Editora da UNESP, 2015.

BRASIL. As metas do Plano Nacional de Cultura. Brasília: Ministério da Cultura, 2013. Disponível em: . Acesso em: 17/12/2023.

BRASIL. Lei 13.467, de 13 de julho de 2017. Brasília: Planalto, 2017. Disponível em: . Acesso em: 17/12/2023.

CERQUEIRA, A. P. C.; SEVERINO, J. R. “Políticas de patrimônio e herança cultural: algumas observações sobre espoliação e restituição de bens culturais”. Políticas Culturais em Revista, vol. 15, n. 2, 2023.

CHAGAS, J. A. Pixação e as linguagens visuais no bairro Benfica: uma análise dos modos de ocupação de pixos e graffiti e de suas relações entre si (Dissertação de Mestrado em Sociologia). Fortaleza: UFC, 2015.

CORREIA, V. S. Dança como campo de ativismo político: o bicho caçador (Dissertação de Mestrado em Dança). Salvador: UFBA, 2013.

D’ANDREA, T. P. A formação dos sujeitos periféricos: cultura e política na periferia de São Paulo (Tese de Doutorado em Sociologia). São Paulo: USP, 2013.

DAS, R. J. “Contradictions of Capitalist Society and Culture: Dialectics of Love and Lying”. Studies in Critical Social Sciences, vol. 253, 2023.

DOMINGUES, J. “E se a economia da cultura debatesse com mais frequência o trabalho? Notas sobre a organização dos interesses laborais no campo cultura”. In: BARBALHO, A.; ALVES, E. P. M. E; VIEIRA, M. P. Os trabalhadores da cultura no Brasil: criação, práticas e reconhecimento. Salvador: Editora da UFBA, 2017.

DOWNING, J. D. H. Mídia radical, rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. São Paulo: Editora do Senac, 2002

FALLAHI, F.; SAFA, A. "Right to the City" theory from the perspective of geriatric nursing. Nursing and Midwifery Studies, vol. 12, n. 4, 2023.

FERRARI FILHO, F.; TERRA, F. “The Brazilian 'secular stagnation': Its causes and an agenda to overcome it”. Brazilian Journal of Political Economy, vol. 43, n. 1, 2023.

FERREIRA JUNIOR, J. et al. “Ciber-cidadania em rede : mobilização e articulação virtual do movimento”. Mediação, vol. 20, 2018.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. Barueri: Editora Atlas, 2022.

GOHN, M. G. Movimentos sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis: Editora Vozes, 2015.

GOHN, M. G. Teoria dos Movimentos Sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São paulo: Editora Loyola, 2014.

GUERRA, A. L. R. “Metodologia da pesquisa científica e acadêmica”. Revista Interdisciplinar de Ensino e Educação, vol. 1, n. 2, 2023.

HARVEY, D. “Os rebeldes na rua: o Partido de Wall Street encontra sua nêmesis”. In: HARVEY, D. et al. Ocuppy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo: Editora Boitempo, 2012.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Editora Annamblume, 2022.

HARVEY, D. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2014.

HIRATA, H. “Classe, gênero, raça e movimentos sociais: a luta pela emancipação”. Revista de Políticas Públicas, vol. 22, 2018.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. SIIC 2009-2020: setor cultural ocupava 4,8 milhões de trabalhadores em 2020. Rio de Janeiro: IBGE, 2021.

LACERDA, A. C. S. et al. “Cidades inteligentes e sua contribuição para a melhoria do saneamento ambiental no Brasil: uma revisão de literatura”. Revista do CEDS, vol. 2, n. 11, 2022.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Editora Nebli, 2016.

LEITÃO, S. S. “O Desenvolvimento da Economia da Cultura”. Inter Vozes [2007]. Disponível em: . Acesso em: 29/12/2023.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MARX, K. “O processo de trabalho e o processo de valorização”. In: MARX, K. O Capital. São Paulo: Editora Boitempo, 2013.

PITOMBO, M.; BARBOSA, F. “Carreiras artístico-culturais e economia criativa: princípios, valores e tensões em processos de formação e profissionalização”. In: ALVES, E. et al. (orgs.). Os trabalhadores da cultura no Brasil: criação, práticas e reconhecimentos. Salvador: Editora da UFBA, 2017.

PRIMORAC, J. “Preface”. In: HADLEY, J. (ed.). The Position of Cultural Workers in Creative Industries: the south-eastern European Perspective. London: European Cultural Foundation, 2022.

REIJERS, W.; ORGAD, L.; DE FILIPPI, P. “The rise of cybernetic citizenship”. Citizenship Studies, vol. 27, n. 2, 2023.

RODRIGUES, R. S.; NEUBERT, P. S. Introdução à pesquisa bibliográfica. Florianópolis: Editora da UFSC, 2023.

RUBIM, A. A. C. “Políticas culturais no Brasil: tristes tradições”. Revista Galáxia, n. 13, 2007.

SANTIN, J. R.; BERNDSEN, G. R. “Right to the city, participation and sustainable urbanism: challenges and possibilities for Local Government in Brazil and Spain”. Revista de Direito da Cidade, vol. 15, n. 1, 2023.

SANTOS, D. W. Usos da cidade: ocupações artístico-culturais de espaços públicos patrimoniais do Centro Histórico de São Luís (Dissertação de Mestrado em Cultura e Sociedade). São Luís: UFMA, 2020.

SANTOS, J. V. As manifestações de junho de 2013 pra gente não acabou: um estudo sobre as formas de contestação no Coletivo Debaixo em Aracaju (Dissertação de Mestrado em Sociologia). São Cristóvão: UFS, 2017.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da USP, 2023.

SILVA, F. A. B.; ZIVIANI, P. Mercado de trabalho da cultura: considerações sobre a Meta 11 do Plano Nacional de Cultura (PNC). Rio de Janeiro: IPEA, 2021.

SILVA, I. M. F.; OLIVEIRA, R. M. “Política e emancipação: ‘de que espécie de emancipação se trata?’” Revista Humanidades e Inovação, vol. 6, n. 17, 2019.

STANDING, G. O precariado: a nova classe perigosa. Traduzido por Cristina Antunes. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2015.

TONET. I. “Cidadania ou Emancipação Humana?” Ivo Tonet [2012]. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

WILLIAMS, R. G. Studies of Capitalist Culture. Newcastle: Cambridge Scholars Publishing, 2023.

ZHOU, H.; GUNS, R.; ENGELS, T. C. E. “Are social sciences becoming more interdisciplinary? Evidence from publications 1960–2014”. Journal of the Association for Information Science and Technology, vol. 73, n. 9, 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)