CARTOGRAFIAS NO TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO: AION, CRONOS E SOLDADOS NA TRIPLICE FRONTEIRA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Carlos dos Santos
Márcia Regina Ristow

Resumo

O trópico de capricórnio corta os estados brasileiros do Paraná, São Paulo e Mato Grosso. Um território que, no século XVI, era de domínio espanhol. A triplice fronteira atual formada por Brasil, Paraguai e Argentina estão localizados neste mesmo e modificado território. Nela, memórias do tempo passado e do presente se cruzam de diversas formas. Apresentamos a discussão sobre o texto de um Relatório Militar, escrito em 1942, de autoria do 3º Sargento do Exército, Manuel Cursino Dias Paredes, quando da ocasião de sua visita à esta tríplice fronteira; ele se desloca por via hidrográfica nos rios Iguassu, Paraná e Ivai, refazendo itinerários que remonta a ancestralidades imperais e indígenas em disputa territorial, no século XVI. A fonte faz parte do acervo do DOPS/Pr. A análise dessa fonte histórica, crivada por um processo hermenêutico, deve fazer uma inserção no tempo e perquirir sobre seu conteúdo, como, quando, por quem e onde é construído? Há indícios do tempo presente: anos 1940 onde a identidade e integração nacional eram as temáticas que envolviam a produção historiográfica, a diplomacia e a atuação de forças militares. O resultado da análise apontou que as palavras, os conceitos e itinerários estão carregados de sentidos, deslocamentos e cocriações (DELEUZE e GUATARRI,2000); seu discurso é da ordem do normativo (FOUCAUT, 2014) e a guarda documental revela práticas de conservacionismo de memória (ALBUQUERQUE JR,2013; POLLAK,1989; LE GOFF,2003) frente as demandas sociais do tempo presente. O método hermenêutico adotado na análise, permitiu compreender o deslocamento que a produção de um Relatório realiza por dentre fantasmagorias construídas sobre a disputa territorial e que foram praticadas/lembradas na forma documental em 1940; o fragmento e a análise permite concluir e pensar nos mitos gregos de Aion e Cronos que Deleuze e Guatarri os aponta tecendo e controlando o tempo, ou seja, as práticas políticas de controle da memória e do território tecem o presente com memórias fantasmagóricas do passado. Este artigo é um ensaio interpretativo destas possibilidades.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, J. C. dos; RISTOW, M. R. CARTOGRAFIAS NO TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO: AION, CRONOS E SOLDADOS NA TRIPLICE FRONTEIRA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 559–584, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10049329. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2420. Acesso em: 27 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ABREU, C. F. “Colônia Militar do Iguaçu”. Boletim do Instituto Histórico Geográfico e Etnográfico Paranaense, vol. 22, 1974.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. “Raros e rotos, restos, rastros e rostos: os arquivos e documentos como condição de possibilidade do discurso historiográfico”. Revista ArtCultura, vol. 15, n. 26, 2013

BARROSO, L. “Método e Prática: A História e a Atualidade das Especificidades da Historiografia Antiga”. Boletim de Conjuntura (Boca), vol. 7, n. 21, 2021.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2019

BRASIL. Colônias Militares. Brasília: Exército Brasileiro, 2023. Disponível em: . Acesso em: 31/05/2023.

BRASIL. Decreto n. 406, de 04 de maio de 1938. Rio de Janeiro: Congresso Nacional, 1938. Disponível em: . Acesso em: 28/05/2023.

BRASIL. Decreto n. 490, de 16 de dezembro de 1898. Rio de Janeiro: Congresso Nacional, 1898. Disponível em: . Acesso em: 28/05/2023.

BRASIL. Decreto n. 729, de 09 de novembro de 1850. Rio de Janeiro: Congresso Nacional, 1850. Disponível em: . Acesso em: 31/05/2023

BRASIL. Decreto n. 733, de 21 de dezembro de 1900. Rio de Janeiro: Congresso Nacional, 1900. Disponível em: . Acesso em: 28/05/2023.

BRASIL. Marinha: Histórico. Brasília: Marinha do Brasil, 2022. Disponível em: . Acesso em: 31/05/2023.

BRASIL. Relatório da Secretaria de Estado da Guerra. Brasília: Exército Brasileiro, 1968. Disponível em: . Acesso em: 31/05/2023.

BRITO, J. M. A descoberta da Foz do Iguaçu. Foz do Iguaçu: Editora Tezza, 1938.

CARVALHO, S. Memórias: Dados para a história do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Cruzeiro, 1950.

CERTEAU, M. A invenção do Cotidiano. São Paulo: Editora Vozes, 2014.

DELEUZE, G. Foucault. São Paulo: Editora Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G. Conversações. Rio de janeiro: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs I: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2007.

LE GOFF, J. História e memória. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003.

LIEDKE FILHO, E. L. “A Sociologia no Brasil: história, teorias e desafios”. Sociologias, vol. 7, n. 14, 2005.

LORAUX, N. “Thucydide n'est pas un collège”. Quaderni di Storia, vol. 12, 1980.

MAYA, M. F. I.; FRANCH, T. “A Historiografia entorno da última Guerra na América do Sul: Cenepa 1995”. Boletim de Conjuntura (Boca), vol. 12, n. 36, 2022

MAZZARINO, S. Il Pensiero Storico Clássico. Bari: Laterza,1966.

MOTTA, R. P. S. “O ofício das sombras”. Revista do Arquivo Público Mineiro, n. 1, 2006.

PARANÁ. Relatório do 3º Sargento Manuel Cursino Dias Paredes. Curitiba: Delegacia de Ordem Política e Social, 1942.

POLLAK M. “Memória, esquecimento, silencio”. Revista Estudos Históricos, vol. 2, n. 3, 1989.