“SER ESTRANHO” EM FORMAÇÃO: OS DESAFIOS ENFRENTADOS POR SUJEITOS LGBTs EM ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO NORTE BAIANO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Kelvi da Silva Oliveira
Pedro Ricardo da Cunha Nóbrega

Resumo

A construção dos direitos da comunidade LGBT se depara com desafios de múltiplas ordens que linha de regra refletem um processo de invisibilização dos sujeitos pertencentes a esta comunidade. As fraturas sociais e legais apontam para a pessoa LGBT como um ser “estranho” frente a normatização imposta pelo padrão heteronormativo, neste sentido é fundamental discutir sobre a deslegitimação dos corpos LGBTs por meio da ordem social e entender estas relações no âmbito da educação. O objetivo desta pesquisa é apresentar os desafios enfrentados por sujeitos LGBTs em uma escola da Educação Básica no norte baiano. Deste modo, evidenciando a desconstrução de concepções naturalizadas, que geram inquietações aos indivíduos pela experiência escolar, bem como os conceitos que integram esta discussão, dos quais, é possível destacar o gênero, a sexualidade e a identidade de gênero. Metodologicamente esta pesquisa possui uma abordagem qualitativa, de tipo descritivo e explicativo, com o método de estudo de caso único, por trabalhar aspectos subjetivos relacionados aos fenômenos sociais. Deste modo, realizou-se um questionário que foi aplicado a dez sujeitos de uma escola da educação básica no norte baiano, posteriormente estas narrativas foram trabalhadas à luz da técnica da Análise Textual Discursiva -ATD possibilitando a elaboração de duas categorias centrais de análise: discriminação social e respeito à diversidade. Todos os participantes da pesquisa integram à comunidade LGBT e suas respostas serviram de narrativas para construção de reflexões, sendo essenciais para o avanço de políticas de tolerância, visando a igualdade, bem como as contribuições da temática LGBT, principalmente no que concerne aos discursos predominantes no espaço-tempo da escola. Como resultados e conclusões, foi possível compreender que os sujeitos LGBTs produzem suas histórias e criam modos de vida, pelo fato de serem vistos como uma parcela minoritária dentro do processo educacional, precisando, de forma contínua, lutar por direitos e garantias, assim como por mais representatividade a fim de conquistar espaços sociais de inclusão e respeito.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DA SILVA OLIVEIRA, K. da S. .; NÓBREGA, P. R. da C. . “SER ESTRANHO” EM FORMAÇÃO: OS DESAFIOS ENFRENTADOS POR SUJEITOS LGBTs EM ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO NORTE BAIANO. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 363–384, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10022559. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2379. Acesso em: 27 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ANDRÉ, M. “O que é um estudo de caso qualitativo em educação”. Revista da FAAEBA: Educação e Contemporaneidade, 2013.

ANDREANI, V.; IVANKOVIC, F.; DÍAZ, C. “Prácticas sexuales no heteronormadas en mujeres: violencias y (des) atenciones ginecológicas”. Revista Punto Género, n. 19, 2023.

BAEZ, J. “Identidad de género: desafíos y límites a las políticas de inclusión en la escuela secundaria de la Ciudad de Buenos Aires, Argentina”. Revista Punto Género, n. 7, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativo do Brasil. Brasília: Planalto, 1988.

Disponível em:

. Acesso em: 18/08/2023.

CASALI, J. P. “A Escola Ignora Essas Questões”: O Silêncio em Relação à Diversidade Sexual e as Discriminações Contra a População LGBT no Ambiente Escolar (Dissertação de Mestrado em Educação). Mato Grosso do Sul: UFMS, 2020.

GIL, A. C. “Como classificar as pesquisas”. Como elaborar projetos de pesquisa, v. 4, n. 1, 2002.

LUH, H. J. et al. “Preparing LGBTQ youth for the high school to college transition: a multidimensional approach”. Journal of LGBT Youth, 2023.

MARSHALL, M. C. “Docencia e Inclusión LGTBIQ+: Revisión de investigaciones sobre prácticas pedagógicas queer en las escuelas”. Revista Punto Género, n. 18, 2022.

MELO, N.; MENDONÇA, R.; CARDOSO, F. S. “As intersecções entre gênero e educação em direitos humanos na produção do conhecimento (2015-2020)”. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 28, 2023.

MORAES, R. “Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva”. Ciência & Educação (Bauru), v. 9, 2003.

MORAES, R.; GALIAZZI, M.C. “Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces”. Ciência & Educação (Bauru), v. 12, 2006.

MOTA, G. M.; PORDEUS, M. P. “DIREITOS HUMANOS, EDUCAÇÃO E CIDADANIA LGBT: UMA ANÁLISE DAS AÇÕES E PROGRAMAS DO ESTADO DO CEARÁ”. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 9, n. 1, 2023.

NEVES, A. L. M. et al. “Representações sociais de professores sobre diversidade sexual em uma escola paraense”. Psicologia Escolar e Educacional, v. 19, 2015.

OLIVEIRA, E. B.; MENDONÇA, J. L. S. “Familiar com dependência química e consequente sobrecarga sofrida pela família: pesquisa descritiva”. Online Revista Brasileira de Enfermagem , v. 11, n. 1, 2012.

PEDROSO, A. P. F. et al. “REVISITANDO O ESPAÇO DAS JUVENTUDES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS”. Boletim de Conjuntura (BOCA), v. 15, n. 45, 2023.

QUEIROZ, I. S. Práticas de enfrentamento à discriminação aos alunos e alunas LGBT (Trabalho de Conclusão de Curso em Gênero e Diversidade na Escola). Minas Gerais: UFMG, 2016.

REYES, A. I. C. “La construcción de referentes de género y sus implicaciones en la violencia de género en las universidades”. Revista Punto Género, n. 18, 2022.

RIOS, P. P. O estranho que habita em mim: Narrativas de vida e formação de professores gays no semiárido baiano (Tese de Doutorado em Educação). Sergipe: UFS, 2019.

SANTOS, R. M. B.; VASCONCELOS, T. C. “EPISÓDIOS FORMATIVOS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA INCLUSIVA NA ABORDAGEM DO DESENHO UNIVERSAL PARA APRENDIZAGEM”. Boletim de Conjuntura (BOCA), v. 15, n. 45, 2023.

SARTORI, T. L. “Políticas Públicas, educação para os direitos humanos e diversidade sexual”. Práticas Educativas, Memórias e Oralidades-Rev. Pemo, v. 3, n. 3, 2021.

SOUSA, C. et al. “Narrativas de alunos/as da comunidade LGBTQ+ no espaço da Universidade Federal do Piauí: tensões e abalos/Narratives by students of LGBTQ+ community at the Federal University of Piaui: tensions and upheavals”. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 1, 2022.

SOUZA, Fernanda S. C.; ANDRADE, L. R. S.; MAGALHÃES, J. S. “LEITURA NAS MÍDIAS DIGITAIS: UMA PESQUISA DESCRITIVA A PARTIR DA REVISTA CAPRICHO”. Simpósio Internacional de Educação e Comunicação-SIMEDUC, n. 10, 2021.

POLLITT, A. M.; ROBERTS, T. S. “Internalized binegativity, LGBQ+ community involvement, and definitions of bisexuality”. Journal of bisexuality, v. 21, n. 3, 2021.

STORINO, A. L. B.; AMARO, I. Desenho animado, gênero e sexualidades: “A hora da aventura” e as narrativas dissidentes na escola. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto) biográfica, v. 2, n. 6, 2017.

TAVAREZ, J. “Bisexuality’s never enough...” using composite narratives to explore bissexual students’ experiences within LGBTQ campus spaces. Journal of LGBT Youth, 2023.

TERTO, A. P.; SOUZA, P. H. N. “De Stonewall à Assembleia Geral da ONU: reconhecendo os direitos LGBT”. Revista de Relações Internacionais da UFGD, v. 3, n. 6, 2015.

TORRES, M. A. A diversidade sexual na educação e os direitos de cidadania LGBT na escola. São Paulo: Editora Autêntica, 2017.