A DUALIDADE DO DISCURSO: MATEMÁTICA E GÊNERO NA PERSPECTIVA FOUCAULTIANA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eliézer Reis Vicente

Resumo

Este trabalho apresenta uma análise bibliográfica numa perspectiva foucaultiana com o objetivo de discutir a produção de relações de gênero e poder a partir do enunciado homem é melhor em Matemática (do que mulher). É possível encontrar inúmeros discursos científicos ou não, que contribuem para que tal concepção persista como verdade atravessando uma história de luta. Na história, os papéis femininos e masculinos extrapolam a relação genética e reprodutiva e foram demarcadas diferenças substanciais em uma relação de poder. Diante da invisibilidade feminina, buscou-se por meio de uma análise histórica evidenciar a contribuição das mulheres na Matemática. Como resultados, percebeu-se que a dicotomia masculino/feminino com relação à Matemática não é natural, ela é construída e imposta como verdade na sociedade, e possui muitos desdobramentos. Esse enunciado provoca discursos que instauram como espaço de diferenciação as relações entre mulheres, homens e matemática, e, nessas relações, a mulher é produzida como alguém a quem falta algo ao modo masculino.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
VICENTE, E. R. . A DUALIDADE DO DISCURSO: MATEMÁTICA E GÊNERO NA PERSPECTIVA FOUCAULTIANA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 11, n. 32, p. 17–26, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.6889292. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/669. Acesso em: 8 ago. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

BRÍGIDO, E. I. “Michel Foucault: Uma Análise do Poder”. Revista de Direito Econômico e Socioambiental, vol. 4, n. 1, 2013.

CARVALHO, M. P. “Pierre Bourdieu sobre Gênero e Educação”. Revista Ártemis, vol.

, dezembro, 2004.

FOUCAULT, M. Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense, 2020.

FOUCAULT, M. El yo minimalista y otras conversaciones. Buenos Aires: Biblioteca de la Mirada, 1996.

MELO, C. I. B. D. “Relações de gênero na matemática: O processo de afastamento das mulheres e algumas bravas transgressoras”. Revista Ártemis, vol. 24, n. 1, 2017.

MURARO, R. M. “Breve introdução histórica”. In: KRAMER, H.; SPRENGER, J. (orgs.). O Martelo das Feiticeiras. Rio de Janeiro: Record, 2017.

SHETTERLY, M. L. Estrelas além do tempo. Rio de Janeiro: HarperCollins, 2017.

SOUZA, K. C. S. S. As mulheres na matemática (Trabalho de Conclusão de Curso em Matemática). Brasília: UCB, 2006.

TOSSI, L. “Mulher e Ciência, A revolução científica, a caça às bruxas e a ciência moderna”. Cadernos Pagu, n. 10, 1998.

WALKERDINE, V. Couting Girls Out: Girl and Mathematics. London: Virago, 1998.

YANNOULAS, S. C. “Feminismo e academia”. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, vol. 81, n. 199, 2000.