O NADA DO PENSAMENTO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Caio César Costa Santos

Resumo

Este ensaio trata de dois pontos: da substancialização da coisa pensante na consciência e da dessubstancialização desta coisa pensante ao passar para o nada abstrato local de pura inércia objetal. Nosso objetivo é esclarecer alguns pontos deste processo. A metodologia empregada é crítico-reflexiva. Concluímos e defendemos que o nada do pensamento é um momento fundante e fundamental para a efetiva estruturação da coisa pensante.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, C. C. C. O NADA DO PENSAMENTO. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 30, n. 10, p. 31–36, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.6544448. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/627. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

BERGSON, H. A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

CRUZ, S. J. A noite escura da alma. São Paulo: Editora Vozes, 2014.

DELEUZE, G. O anti-édipo. São Paulo: Editora 34, 2011.

HEGEL, G. Ciência da lógica: a doutrina do ser. São Paulo: Vozes, 2016.

HEGEL, G. “Quem pensa abstratamente?”. Síntese Nova Fase, vol. 22, n. 69, 1995.

SARTRE, J-P. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Petrópolis: Vozes, 2015.