FEMINISMO E IDEOLOGIA DE GÊNERO: CENSURA DE QUESTÕES DO ENEM A PARTIR DE SIMONE DE BEAUVOIR

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Jucenilton Alves dos Santos

Resumo

O objetivo deste ensaio, derivado do I Congresso Internacional Simone de Beauvoir realizado na Universidade Federal de São Carlos/UFSCar, é orientado para discutir as ações do atual governo no que concerne ao silenciamento e expurgação de questões consideradas por ele como de “ideologia de gênero” no Exame Nacional do Ensino Médio/ENEM à luz da citação da filósofa francesa Simone de Beauvoir em uma questão de Ciências Humanas da edição do ENEM de 2015 que foi considerada como uma tentativa de doutrinação por parte do então deputado Jair Messias Bolsonaro. Metodologicamente, utilizamos excertos das obras “A Força da Idade” e “Segundo Sexo” de Beauvoir e algumas notícias publicadas na internet. A proposta permitiu discussão e análise sobre a temática para além de uma visão homogênea das estruturas distintas da realidade sociopolítica, principalmente, educacional.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, J. A. dos . FEMINISMO E IDEOLOGIA DE GÊNERO: CENSURA DE QUESTÕES DO ENEM A PARTIR DE SIMONE DE BEAUVOIR. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 10, n. 29, p. 107–117, 2022. DOI: 10.5281/zenodo.6524234. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/616. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo, volume 2. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BEAUVOIR, S. A Força da Idade, vol. 1. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1961.

BIOGRAFIAS. “Biografia de Simone de Beauvoir”. YouTube [15/01/2020]. Disponível em: <https://www.youtube.com>. Acesso em: 12/04/2022.

BORRILLO, D. “A homofobia”. In: LIONÇO, T.; DINIZ, D. (orgs.) Homofobia e educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres, 2009.

BRANDALISE, C. “Afinal, o que é a ideologia de gênero da qual o presidente fala?” UOL [04/01/2019]. Disponível em <https://www.uol.com.br/universa>. Acesso em: 10/04/2022.

BRASIL. Lei n. 12.852, de 5 de agosto de 2013. Brasília: Planalto, 2013. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 05/05/2022.

BUTLER, J. “Contagious Word: paranoia and “homosexuality” in the Military”. In: BUTLER, J. (ed.). Excitable Speech – a politics of performative. New York/London: Routledge, 1997.

DIOCESE PORTO NACIONAL. “Dom Fernando Rifan fala sobre ideologia de gênero”. Diocese Porto Nacional [8/6/2015]. Disponível em: <https://dioceseportonacional.org.br>. Acesso em: 13/05/2019.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GEBARA, I. O que é cristianismo. São Paulo: Brasiliense, 2008.

LIMA, T. “Enem 2015: questão sobre feminismo é comentada nas redes sociais”. G1 Educação [25/10/2015]. Disponível em: <https://g1.globo.com/educacao>. Acesso em: 12/04/2022.

LOURO, G. L. “Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas”. Pro-Posições, vol. 19, n. 2, n. 56, 2008.

MICHAELIS. Moderno dicionário da língua portuguesa. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1998.

MIOTO, L. H. et al. “O que é falar de gênero na escola?”

Youtube [10/09/2018]. Disponível em: <https://www.youtube.com>. Acesso em: 10/04/2022.

MOVIMENTO DPVFAM. “Entendendo Ideologia de Gênero em 2 minutos”. Youtube [13/02/2017]. Disponível em <https://www.youtube.com>. Acesso em: 10/04/2022.

OEA – Organização dos Estados Americanos. Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. Belém: CIDH, 1994. Disponível em: <http://www.cidh.org>. Acesso em: 11/10/2015.

OHCHR - Office of the High Commissioner for Human Rights. Nascidos livres e iguais: orientação sexual e identidade de gênero no regime internacional de direitos humanos. Brasília: OHCHR, 2013. Disponível em: <http://www.ohchr.org>. Acesso em: 15/05/2019.

ONU – Organização das Nações Unidas. Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Mulheres. New York: ONU, 1979.

ONU – Organização das Nações Unidas. Declaração Universal dos Direitos Humanos. New York: ONU, 1948.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes, 1987.

PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. “Objetivos do Desenvolvimento Sustentável”. PNUD [2015]. Disponível em: <https://br.undp.org>. Acesso em: 11/05/2019.

SPW – Sexuality Policy Watch. Princípios de Yogyakarta. Princípios sobre a aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação a orientação sexual e identidade de gênero. Rio de Janeiro: Sexuality Policy Watch, 2007. Disponível em: <https://sxpolitics.org>. Acesso em: 08/05/2019.

REIS, T.; EGGERT, E. “Ideologia de gênero: uma falácia construída sobre os planos de educação brasileiros”. Revista Educação & Sociedade, vol. 38, n. 138, 2017.

SANT'ANNA, E. “Feminismo, tema da redação e autores marxistas provocam ´Fla-Flu do Enem´”. Folha de São Paulo [27/10/2015]. Disponível em: <https://folha.uol.com.br/educacao>. Acesso em: 10/04/2022.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Educação para Todos: o compromisso de Dakar. Brasília: UNESCO/CONSED/Ação Educativa, 2001.

UNFPA – Fundo de População das Nações Unidas. Declaração e Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial sobre a Mulher. Pequim: UNFPA, 1995. Disponível em: <http://www.unfpa.org.br>. Acesso em: 11/05/2019.