AS CRIANÇAS COM AUTISMO E AS VIVÊNCIAS NO JARDIM SENSORIAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Danielle Marafon
Vânia Lemos Matozo dos Santos

Resumo

O debate sobre o papel da escola como ambiente inclusivo para crianças com autismo é corrente, reconhecendo a importância de oferecer espaços acessíveis e acolhedores que atendam às diversas necessidades de aprendizagem, nessa perspectiva o espaço escolar proporciona outras possibilidades de ensino que vão além do acondicionamento da sala de aula, por meio do seu espaço externo, que pode ser usado como dispositivo de inclusão e aproximação das crianças autistas com a natureza.  Nesse sentido esta investigação tem por objetivo analisar o uso de espaços externos, particularmente um Jardim Sensorial, como ferramenta pedagógica para a aprendizagem e inclusão de alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA).  A pesquisa segue a abordagem qualitativa e participante. A coleta de dados foi realizada em uma escola pública municipal de Paranaguá-PR, durante o ano letivo de 2023, com professoras do AEE por meio de um grupo focal. Assim sendo, constatamos que a interação dos autistas com a natureza desempenha papel fundamental na sua integração em um modelo de educação inclusiva, possibilitando a implementação de ações educacionais variadas e a certeza de que todo o espaço escolar é passível de aprendizagem.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MARAFON, D.; SANTOS, V. L. M. dos. AS CRIANÇAS COM AUTISMO E AS VIVÊNCIAS NO JARDIM SENSORIAL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 18, n. 52, p. 400–417, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.11177140. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/4070. Acesso em: 19 maio. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

AMARAL, A. et al. Neurodesenvolvimento Infantil em contato com a Natureza. Iguatu: Editora Quipá, 2021.

APA - American Psychiatric Association. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). Porto Alegre: Editora Artmed, 2014.

BARROS, M. I. A. Desemparedamento da infância: A escola como lugar de encontro com a natureza Rio de Janeiro: Editora Alana, 2018.

BETTIOL, F. K. P. B.; MANSILLA, D. P.; NORA, G. D. “O jardim sensorial como espaço de Aprendizagem para o ensino de Ciências Naturais e Biologia”. Anais da XI Mostra da Pós-Graduação. Mato Grosso: UFMT, 2019.

BRANDÃO, C. R. (org.). Repensando a Pesquisa Participante. São Paulo: Editora Brasiliense, 1999.

BRITO, G. A.; FLORES, M. M. L. “A inclusão de alunos com deficiência intelectual: em foco as práticas pedagógicas”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 16, n. 48, 2023.

BRUNER, J. “Pré-escola: algumas especificidades para o espaço”. In: CEPPI, G.; ZINI, M. (orgs.). Crianças, espaços e relações: como projetar ambientes para a educação infantil. Porto Alegre: Editora Penso, 2013.

CARVALHO, M. A. “O uso do jardim sensorial como ferramenta pedagógica na inclusão de alunos com TDAH”. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, vol. 8, n. 2, 2022.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

GADOTTI, M. Perspectivas atuais da Educação. Porto Alegre: Editora Artmed, 2000.

GAMBOA, E. C. S. “Análisis documental de las prácticas educativas inclusivas que facilitan el aprendizaje de los estudiantes con (TEA) en el nivel de educación inicial, con énfasis en los recursos didácticos”. Revista de Educación Inclusiva, vol. 16, n. 1, 2023.

GONZALEZ, H. O.; CONTRERAS, S. R.; LEYVA, G. I. “The school inclusion of the student with Asd from the historical-cultural conception of Vygotsky”. Conrado, vol. 17, n. 78, 2021.

HUSSEIN, H. “The influence of sensory gardens on the behaviour of children with special educational needs”. Procedia-Social and Behavioral Sciences, vol. 38, 2012.

LOUV, R. A Última Criança na Natureza: Resgatando nossas crianças do transtorno do déficit de natureza. São Paulo: Editora Aquariana, 2016.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: Editora EPU, 1986.

MACHADO, G. D. S. M. “A importância da rotina para crianças autistas na educação básica”. Revista Gepesvida, vol. 5, n 10, 2019.

MANTOAN, M. T. É. Inclusão Escolar: O que é? Por quê? Como? Fazer? São Paulo: Editora Summus, 2015.

MESIBOV, G.; SHEA, V. “Inclusão Total e Alunos com Autismo”. Associação de Amigos do Autista [2023]. Disponível em: . Acesso em: 27/03/2024.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

MONTESSORI, M. Pedagogia científica: a descoberta da nova criança. São Paulo: Editora Flamboyant, 1965.

MOORE, R.; YOUNG, D. “Childhood outdoors: toward a social ecology of the landscape”. In: ALTMAN, I.; WOHLWILL, J. (orgs.). Children and the environment. Nova York: Plenum, 1978.

OLIVEIRA, A. A. S.; OLIVEIRA, J. P. “Os desafios para a constituição de uma escola inclusiva: em cena formação de professores”. In: OLIVEIRA, A. A. S; FONSECA, K. A.; REIS; R. R. (orgs.). Formação de professores e práticas educacionais inclusivas. Curitiba: Editora CRV, 2018.

OLIVEIRA, M. M. S.; GRENNO, F. E.; PROFICE, C. C. (orgs.). “A natureza da criança: diálogos com Vigotski e Bronfenbrenner”. In: AMARAL, A. et al. Neurodesenvolvimento Infantil em contato com a Natureza. Iguatu: Editora Quipá, 2022.

POWELL, R. A.; SINGLE, H, M. “Focus groups”. International Journal for Quality in Health Care, vol. 8, n. 5, 1996.

QUEIROZ, N. M. O. et al. “Jardim Sensorial numa Escola do Campo: uma ferramenta para o ensino de ciências”. Revista Macambira, vol. 6, n. 1, 2022.

SANOFF, H.; SANOFF, J. Learning environments for children: a developmental approach to shaping activity áreas. Washington: Humanics, 1981

SANTOS, S. M. P. “Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos”. In: SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

SILVA, B. F. A importância dos jardins sensoriais para o processo de ensino-aprendizagem na educação de pessoas com deficiência na APAE/Areia-PB (Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Biológicas), Areia: UFPB, 2018.

TILLMANN, S. et al. “Mental health benefits of interactions with nature in children and teenagers: A systematic review”. Journal Epidemiology Community Health, vol. 72, n. 10, 2018.

TIRIBA, L. Crianças, natureza e educação infantil (Tese de Doutorado em Educação). Rio de Janeiro: PUCRJ, 2005.

TIRIBA, L. Educação Infantil como Direito e Alegria, Em Busca da Pedagogias Ecológicas e Libertárias. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2018.

TUAN, Y. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Editora Difel, 1983

VOLDEN, J. et al. Brief Report: “Pragmatic language in Autism Spectrum Disorder: Relationships to measures of ability and disability”. Journal of Autism and Developmental Disorders, vol. 39, n. 2, 2008.

VYGOTSKI, L. “Quarta Aula: a questão do meio na pedologia”. Psicologia USP, vol. 4, n. 21, 2011.

WEINSTEIN, C. S.; DAVID, T. G. Spaces for children: The built environment and child development. Nova York: Plenum. 1987.

ZWILLING, M.; LEVY, B. R. “How well environmental design is and can be suited to people with autism spectrum disorder (ASD): A natural language processing analysis”. International Journal of Environmental Research and Public Health, vol. 19, n. 9, 2022.