O ISOLAMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL: RETROCESSOS NA DIPLOMACIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Paulo Roberto de Almeida

Resumo

Este ensaio discute o isolamento internacional do Brasil, o qual tem a ver mais com o conteúdo de sua política externa, determinada pelo presidente e poucos assessores, do que com o desempenho da diplomacia, cujo corpo profissional foi constrangido durante a inteira gestão do primeiro chanceler do governo Bolsonaro. Na verdade, o governo Bolsonaro se auto-isolou no cenário internacional, ao definir relações prioritárias, ideológicas, com um número restrito de interlocutores, que foram paulatinamente perdendo poder (Mateo Salvini, na Itália, Donald Trump, nos EUA, e Benjamin Netanyahou, em Israel). O Brasil de Bolsonaro encontra-se isolado no próprio continente sul-americano.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ALMEIDA, P. R. de. O ISOLAMENTO INTERNACIONAL DO BRASIL: RETROCESSOS NA DIPLOMACIA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 19, p. 20–25, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5015027. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/392. Acesso em: 8 ago. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Miséria da Diplomacia: a destruição da inteligência no Itamaraty. Boa Vista: EdUFRR, 2019.

ARAÚJO, Ernesto. “Trump e o Ocidente”. Cadernos de Política Exterior, ano III, n. 6, 2º semestre, 2017.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)