A PRODUÇÃO E A LEITURA DO GÊNERO DISCURSIVO “MEMÓRIA DE AULA” COMO PROCESSOS DIALÓGICOS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marlon Cássio Gomes dos Santos
Sinval Martins de Sousa Filho

Resumo

Neste texto, tratamos sobre a leitura e escrita do gênero discursivo “Memória de Aula” (MA) no Ensino Superior (ES), a partir da produção e da leitura desse gênero, essas concebidas como processos dialógicos que acontecem partindo do entrecruzamento de discursos proferidos em sala de aula, em dada situação comunicativa. Objetivamos compreender como pode se dar a produção de uma MA e como ela pode ser (re)construtora de sentidos durante sua leitura, visando estimular outros professores a adotarem práticas semelhantes em suas aulas. Metodologicamente, nossa pesquisa é qualitativa e, quanto aos fins, de natureza descritiva, exploratória e explicativa. Os dados foram gerados a partir das produções textuais produzidas pelos estudantes do 2º período do curso de graduação em Pedagogia de uma Instituição de Ensino Superior (IES) da cidade de Goiânia-GO. As análises interpretativas e reflexivas foram realizadas com base no levantamento bibliográfico feito, tecendo um diálogo entre as teorias e os dados gerados. A fundamentação teórica parte de estudos sobre a teoria dialógica da linguagem do Círculo de Bakhtin em diálogo com a teoria sociocultural de Vigotski e com a perspectiva da pedagogia crítica de Paulo Freire. Como resultado do estudo, podemos avaliar que a experiência da produção da MA comprova a produção de gêneros discursivos como prática viva da linguagem capaz de fazer os interlocutores interagirem e produzirem novos conhecimentos. Dessa forma, os sujeitos leitores reconhecem e experienciam possibilidades e aceitabilidade de sentido conferidos ao texto por meio da interação verbal, em que os efeitos de sentido apreendidos no âmbito coletivo ultrapassam os sentidos que o autor do texto conseguiu imprimir enquanto escrevia ou, até mesmo, ultrapassam as expectativas de ramificação dos sentidos que teve ao produzir o discurso escrito, ressignificando o texto. Sendo assim, com base nos resultados e discussões apresentados, concluímos que a produção e a leitura da MA como recurso metodológico colabora dialogicamente para a formação de sujeitos mais ativos, responsivos, mais abertos às práticas de leitura e escrita e mais compromissados com o processo de ensino-aprendizagem ao qual fazem parte, passando a ser um instrumento avaliativo-formativo indicado para as aulas de Língua Portuguesa (LP) e outros componentes curriculares, não apenas no ES.


 

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, M. C. G. dos; SOUSA FILHO, S. M. de. A PRODUÇÃO E A LEITURA DO GÊNERO DISCURSIVO “MEMÓRIA DE AULA” COMO PROCESSOS DIALÓGICOS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 737–760, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10056526. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2440. Acesso em: 21 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

AMORA, A. S. Minidicionário Soares Amora da língua portuguesa. São Paulo: Editora Saraiva, 2009.

BAKHTIN, M. A teoria do romance I: a estilística. São Paulo: Editora Editora 34, 2015.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017.

BAKHTIN, M.; VOLOCHÍNOV, V. N. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora Hucitec, 2006.

BAÚ, M. F. F. Análise linguística no Ensino Médio: caminhos e descaminhos da leitura e da escrita na escola pública (Tese de Doutorado em Letras e Linguística). Goiânia: UFG, 2023.

CERTEAU, M. L‘invention du quotídien. Paris: Gallimard, 1990.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Brasília: Editora da UnB, 1994.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Porto Alegre: Editora Artmed, 2007.

FARIAS, S. A.; BORTOLANZA, A. M. E. “Concepção de mediação: o papel do professor e da linguagem”. Revista Profissão Docente, vol. 13, n. 29, 2013.

FERNANDES, N. M. “Concepções de linguagem e o ensino/aprendizagem de língua portuguesa”. INTERLetras – Revista Transdisciplinar de Letras, Educação e Cultura, Dourados (MS), v. 1, n. 1, 2004.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Editora Ática, 2006.

FREIRE, P. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Editora Autores Associados, 1989.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2013.

GERALDI, J. W. “Prática da leitura na escola”. In: GERALDI, J. W. (org.). O texto em sala de aula. São Paulo: Editora Ática, 2001.

GERALDI, J. W. Aula como acontecimento. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

LAJOLO, M. et al. Leitura em crise na escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Editora Mercado Aberto, 1991.

LIMA, S. A.; SOUSA FILHO, S. M. de. “Fundamentos da análise linguística enunciativa: Humboldt, Bakhtin, Franchi e a questão do estritamente linguístico”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 44, 2023.

LISBOA, J. R. S. Memória de aula: dispositivo de disciplina e controle (Tese de Doutorado em Letras e Linguística). Goiânia: UFG, 2017.

MARTINS, M. H. O que é leitura. São Paulo: Editora Brasiliense, 2003.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso. Campinas: Editora Pontes, 2002.

ORLANDI, E. P. Discurso e leitura. São Paulo: Editora Cortez, 2006.

PAULIUKONIS, M. A. “Texto e contexto”. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. (orgs.). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Editora Contexto, 2011.

PESCE, L. “O trabalho com memórias como recurso metodológico no ensino superior”. In: CARVALHO, M. Ensino Superior: reflexões sobre práticas docentes. São Paulo: Editora Musa, 2008.

REIS, G. P. Os gêneros discursivos no processo de ensino e a aprendizagem da leitura: um olhar a partir do referencial teórico bakhtiniano (Dissertação de Mestrado em Educação). Lavras: UFLA, 2022.

SALERNO, D. “A semiotic theory of memory: between movement and form”. Semiótica, vol. 2021, n. 241, 2021.

SANTOS, J. A. “Formação de professores: breve relação do conceito de diálogo de Paulo Freire com o dialogismo bakhtiniano”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 10, n. 28, 2022.

SANTOS, M. C. G. A retextualização na construção de relações dialógicas no processo de ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa (Dissertação de Mestrado em Letras e Linguística). Goiânia: UFG, 2016.

SCHUCK, R. J.; LORENZON, M. “O pensamento de Paulo Freire e a educação do campo na contemporaneidade”. In: SENHORAS, E. M. (org.). Educação do Campo: Pedagogia, Currículo e Formação Docente. Boa Vista: Editora IOLE, 2022.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

VIEIRA, L. A. et al. “A tecnologia assistiva entendida sob a perspectiva da mediação da teoria de Vygotsky”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 42, 2023.

VIGOTSKI, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2001.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas: tomo III. Madrid: Vysor Aprendizaje, 2000.