DITADURA, HISTÓRIA E ESQUECIMENTO NO BRASIL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Michel Goulart da Silva

Resumo

Este trabalho problematiza os discursos contemporâneos acerca da ditadura no Brasil. Busca-se analisar como elabora-se o passado ocultando pelas razões mais diversas os acontecimentos traumáticos. Consolidaram-se certos discursos que afirmam ser “errado” falar em ditadura, pois essa postura seria “revanchista” e estaria tentando abrir novamente uma ferida fechada. Por meio da “transição democrática” essas feridas teriam sido fechadas e, mais do que isso, todo o passado teria sido superado. Contudo, persistem e são reelaborados uma multiplicidade de discursos e memórias em toda a sociedade ainda na atualidade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SILVA, M. G. da . DITADURA, HISTÓRIA E ESQUECIMENTO NO BRASIL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 1, n. 1, p. 49–54, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.3834933 . Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/187. Acesso em: 7 jul. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

ADORNO, Theodor. “O que significa elaborar o passado”. In: ADORNO, Theodor. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

CASTRO, Celso. “Comemorando a “revolução” de 1964: a memória histórica dos militares brasileiros”. In: FICO, Carlos et al. (orgs.). Ditadura e democracia na América Latina: balanço histórico e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2008.

SILVA, Michel Goulart da. “Cultura política e discursos de modernização em Santa Catarina (1970-75)”. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo: ANPUH-SP, 2011.

SILVA, Michel Goulart da. “Ditadura, transição e democracia na Constituição de 1988”. Aurora (UNESP), vol. 12, 2019.

SILVA, Michel Goulart da. “Geopolítica, imperialismo e interdependência na América Latina”. Contra a Corrente, vol. 10, 2013.

TOLEDO, Caio Navarro de. “Crônica política sobre um documento contra a “ditabranda”. Revista de Sociologia e Política, vol. 17, n. 34, 2009.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os assassinos da memória. Campinas: Papirus, 1988.