O SAMBA COMO MOVIMENTO CULTURAL DE RESISTÊNCIA: UMA APROXIMAÇÃO ATRAVÉS DE PENSADORES MARXISTAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcos Vinicius Reis Fernandes

Resumo

Este artigo buscou analisar o samba como movimento cultural de resistência e reinvindicação dos trabalhadores e trabalhadoras das periferias e favelas do país. Utilizou-se as composições “Zé do Caroço” de autoria de Lecy Brandão (1975) e “Sonho Estranho” de autoria compartilhada entre Moacyr Luz e Chico Alves (2019). Como percurso teórico-metodológico utilizou-se o materialismo histórico dialético. Utilizamos autores do campo crítico, em especial, E. P. Thompson e M. Bakhtin, por formularem concepções teóricas referentes às categorias: Cultura/Classe/Consciência de Classe e Linguagem/Discurso. Para analisar o samba como “comunicação do oprimido” privilegiamos Eduardo Granja Coutinho. Teve-se como hipótese que a cultura da classe trabalhadora continua tendo seu papel necessário e urgente nesse caminhar marcado por opressões. Como conclusão entendemos que o samba tem espaço demarcado como protagonista na cultura da classe popular, em momentos de lutas e em momentos de glórias, através da dialogicidade passado-presente-futuro e que a construção do discurso está implicada por completa nos seus significados comuns, de vivência.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FERNANDES, M. V. R. . O SAMBA COMO MOVIMENTO CULTURAL DE RESISTÊNCIA: UMA APROXIMAÇÃO ATRAVÉS DE PENSADORES MARXISTAS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 5, n. 13, p. 43–57, 2020. DOI: 10.5281/zenodo.4292781. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/7. Acesso em: 8 ago. 2022.
Seção
Artigos

Referências

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Editora Letramento, 2018.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora Hucitec, 2002.

BATISTA, W. M. “A inferiorização dos negros a partir do racismo estrutural”. Revista Direito e Práxis, vol. 9, n. 4, 2018.

COUTINHO, E. G. “A comunicação do oprimido: malandragem, marginalidade e contra-hegemonia”. In: PAIVA, R; SANTOS, C. (orgs.). Comunidade e Contra-Hegemonia no Rio de Janeiro: rotas de Comunicação Alternativa. Rio de Janeiro: Mauad, 2008.

FERREIRA, M. “Moacyr Luz propaga 'Sonho estranho' em single com Samba do Trabalhador”. G1 [11/08/219]. Disponível em: <https://glo.bo/324HjCW>. Acesso em: 26/11/2020.

GUIMARÃES, M. E. A. Do Samba ao Rap: a música negra no Brasil (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas: UNICAMP, 1998.

LISBOA, L. “O samba como resistência e reafirmação”. Revista África e Africanidades, n. 8, fevereiro, 2010.

MONTEIRO, C. A, B; ALMEIDA JR, O, F “Intelectual orgânico como mediador da informação: algumas considerações acerca de um diálogo possível”. CID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, vol. 8, n. 2, 2017.

SILVA, S. A. G. “Entre batuques e cantos: o samba como arma de resistência negra”. Revista de História da UEG, vol. 5, n. 1, 2016.

THOMPSON. E. P. A Formação da Classe Operária Inglesa, Vol. 1. A Árvore da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

VENDRAMINI, C. R; TIRIBA, L. “Classe, cultura e experiência na obra de E. P. Thompson: contribuições para a pesquisa em educação”. Revista HISTEDBR, n. 55, março, 2014.