VIABILIDADE DO TRATAMENTO COMUNITÁRIO NA AMÉRICA LATINA: PERSPECTIVAS INOVADORAS PARA O CUIDADO DE PESSOAS EM SOFRIMENTO SOCIAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raquel da Silva Barros
Elaine Lucas dos Santos
Eroy Aparecida da Silva
Efrem Milanese
Ana Regina Noto

Resumo

O Tratamento Comunitário é uma metodologia inovadora que vem sendo implementada, com as comunidades de vários países da América Latina, visando a integração de pessoas em situação de vulnerabilidade social. O objetivo deste trabalho foi investigar a viabilidade de implementação do Tratamento Comunitário na América Latina a partir da experiência de profissionais responsáveis pela aplicação da metodologia em onze países. Trata-se de um estudo qualitativo baseado em entrevistas semiestruturadas com 20 profissionais que atuaram no Tratamento Comunitário nos onze países. Os relatos foram gravados e transcritos, traduzidos quando necessários e submetidos à análise de conteúdo, seguindo seis critérios de viabilidade: aceitabilidade, demanda, implementação, adaptação, integração e expansão. Os entrevistados identificaram demanda por Tratamento Comunitário nos diferentes países, com boa aceitação por parte dos profissionais e população alvo. A implementação variou de acordo com as peculiaridades de cada território ou país. Foi valorizada, como elemento central para a viabilidade, a abordagem na perspectiva da participação ativa da comunidade, horizontalizada e em rede. Foram sugeridas adaptações para simplificar a implementação. O Tratamento Comunitário foi percebido como uma intervenção viável pelos entrevistados dos onze países, podendo ser uma importante referência para políticas dirigida a populações em vulnerabilidade social na América Latina.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BARROS, R. da S.; SANTOS, E. L. dos; SILVA, E. A. da .; MILANESE, E.; NOTO, A. R. VIABILIDADE DO TRATAMENTO COMUNITÁRIO NA AMÉRICA LATINA: PERSPECTIVAS INOVADORAS PARA O CUIDADO DE PESSOAS EM SOFRIMENTO SOCIAL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 18, n. 54, p. 52–78, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.12601593. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/4665. Acesso em: 14 jul. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ALVES, A. F. S. et al. “Diz em que cidade você se encaixa, cidade alta, ou cidade baixa?”: Gentrificação e a população em situação de rua de Salvador/BA. Boletim da Conjuntura (BOCA), vol. 4, n. 12, 2020.

ANGROSINO, M. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

BARBOSA, R. S. “Programa Ruanda: os (des)caminhos em prol da proteção integral de crianças e adolescentes em situação de risco no espaço urbano de Campina Grande”. Anais do VI Seminário Internacional Direitos Humanos. Rio de Janeiro: UERJ, 2016.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BARRIENTOS, A. “Social Protection and Poverty”. International Journal of Social Welfare, vol. 20, n. 3, 2011.

BEZERRA, H. S. et al. “Acesso aos serviços de saúde mental entre homens e mulheres: uma revisão sistemática”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 17, n. 51, 2024.

BOFF, R. A.; BARBOSA, V. K. “Vulnerabilidade socioeconômica e sofrimento social na sociedade capitalista: a necessidade de políticas públicas garantidoras de direitos fundamentais”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 41, 2023.

BORGATTI, S. P.; EVERETT, M. G.; JOHNSON, J. C. Analyzing Social Network. London: Sage Publications, 2013.

BOWEN, D. J. et al. “How we design feasibility studies”. American Journal of Preventive Medicine, vol. 36, n. 5, 2009.

BRONFENBRENNER, U. “Ecological models of human development”. In: PETERSON, P. et al. International Encyclopedia of Education. Oxford: Elsevier, 1994.

CARVALHO, E. L. et al. “Psicologia Social Comunitária e a Saúde da População em Situação de Rua: Vivências da Psicologia à Redução de Danos”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 6, n. 18, 2021.

CASTRO, M. S. P. A política pública de assistência social e o estado brasileiro: assistencialismo, universalização ou focalização? Natal: Editora da UFRN, 2018.

CLIFTON, A. et al. “Personality disorder in social networks: Network position as a marker of interpersonal dysfunction”. Social Networks, vol. 31, n. 1, 2009.

CORTE, J.; BRAM, V.; BIE, M. “Networks for Welfare Provision: Getting a Grip on Processes of Social Exclusion by Evaluating Network Effectiveness”. Social Policy and Administration, vol. 51, n. 7, 2017.

DUNBAR, R. I. M. “The Anatomy of Friendship”. Trends in Cognitive Sciences, vol. 22, n. 1, 2018.

ESCAMILLA, C. H. Z.; ACOSTA, G. M. “Representaciones y praticas socioambientales de las comunidades negras de Guapi, Colombia”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 16, n. 47, 2023.

ESPÍNDOLA, M. I. et al. “Interpersonal relationships and drug use over time among homeless people: a qualitative study”. BMC Public Health, vol. 20, n. 1, 2020.

FERNANDES, M. A. “Democratizando as relações pela conquista da cidadania: O trabalho da educação comunitária”. Paidéia, vol. 17, n. 28, 2022.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Brasília: Editora Líber Livro, 2008.

GALVÃO, C. M. et al. “A busca das melhores evidências”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 37, n. 4, 2003.

KADUSHIN, C. Understanding the Social Network: Theories, Concepts, and Findings. Oxford: Oxford University Press, 2012.

KOLAK, M. A. et al. “Social-Spatial Network Structures and Community Ties of Egocentric Sex and Confidant Networks: A Chicago Case Study”. Social Science and Medicine, vol. 291, 2021.

LIMA, M. G. et al. Tratamento Comunitário: experiência de um paradigma de transformação social. Brasilia: Editora Technopolitick, 2020.

LIN, Q. et al. “Social-Spatial Network Structures among Young Urban and Suburban Persons who Inject Drugs in a Large Metropolitan Area”. International Journal of Drug Policy, vol. 122, 2023.

MENDES, K. T. et al. “População em situação de rua, vulnerabilidades e drogas: uma revisão sistemática”. Psicologia e Sociedade, vol. 31, 2019.

MILANESE, E. Tratamento Comunitário: manual de trabalho. Brasília: Editora Technopolitik, 2018.

MORÉ, C. “A ‘entrevista em profundidade’ ou ‘semiestruturada’, no contexto da saúde. Dilemas epistemológicos e desafios de sua construção e aplicação”. Investigação Qualitativa em Ciências Sociais, vol. 3, 2015.

PATTON, M. Q. Qualitative research and evaluation methods. London: Sage Publications, 2002.

PRADO, N. M. B. L.; SANTOS, A. M. “Promoção da saúde na Atenção Primária à Saúde: sistematização de desafios e estratégias intersetoriais”. Saúde Debate, vol. 42, n. 1, 2018.

SALLES, M. M.; BARROS, S. “Inclusão social de pessoas com transtornos mentais: a construção de redes sociais na vida cotidiana”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 18, n. 7, 2013.

SCISLESKI, A. C. C. et al. “Juventude e pobreza: a construção de sujeitos potencialmente perigosos”. Revista Interamericana de Psicología, vol. 40, n. 1, 2006.

SLUZKI, C. E. “Personal social networks and health: conceptual and clinical implications of their reciprocal impact”. Families, Systems and Health, vol. 28, n. 1, 2010.

SOARES, J. P. et al. “Gestão em Saúde e Burnout: Prevalência e fatores associados durante a pandemia da COVID-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 17, n. 50, 2024.

SOUZA, J. D.; KANTORSKI, L. P.; MIELKE, F. B. “Vínculos e Redes Sociais de Indivíduos Dependentes de Substâncias Psicoativas sob tratamento em CAPS AD”. Revista Eletrônica de Saúde Mental Álcool e Drogas, vol. 2, n. 1, 2006.

SPECK, R. V. “Psychotherapy of the Social Network of a Schizophrenic Family”. Family Process, vol. 6, n. 2, 1967.

TONG, A.; SAINSBURY, P.; CRAIG, J. “Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): A 32-item checklist for interviews and focus groups”. International Journal for Quality in Health Care, vol. 19, n. 6, 2007.

VALENTE, T. W. “Network interventions”. Science, vol. 337, n. 6090, 2012.

VALENTE, T. W. Social Network and Health: Models, Methods, and Applications. New York: Oxford University Press, 2010.