NOSSA VOZ, NOSSA LUTA: A MÚSICA COMO FERRAMENTA DE RESISTÊNCIA E LIBERTAÇÃO PARA A COMUNIDADE LGBTQIA+

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Bruna dos Santos Cardoso

Resumo

Este ensaio trata-se de uma revisão bibliográfica de caráter narrativo, qualitativo e exploratório, tendo como intuito a elucidação da potência da arte musical enquanto ferramenta social para a comunidade LGBTQIA+. Na coleta de dados foram utilizados ao todo 16 obras para a composição deste estudo, utilizando-se as bases de dados: Scientific Eletronic Library Online (SCIELO), Fronteiras-Estudos Midiáticos, Revista UFG, Repositório Institucional UFBA, Portal de Periódicos Científicos UFRGS e Dialnet. A partir da análise dos resultados, pode-se concluir que há uma forte dinâmica relacional entre as produções de subjetividade que reverberam no coletivo, ocasionando a visibilização de alteridades e potências narrativas para mudanças socioculturais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CARDOSO, B. dos S. NOSSA VOZ, NOSSA LUTA: A MÚSICA COMO FERRAMENTA DE RESISTÊNCIA E LIBERTAÇÃO PARA A COMUNIDADE LGBTQIA+: . Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 21, p. 117–124, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5525246. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/463. Acesso em: 9 dez. 2021.
Seção
Ensaios

Referências

BARBOSA, Ana Mae. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: Com Arte, 1998.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BARROS, Valena de Jesus. A música como fonte de comunicação e expressão do contexto social dos seres humanos (Trabalho de Conclusão de Curso de Bacharelado em Biblioteconomia). Belém: UFPA, 2016.

BIESDORF, Rosane Kloh; WANDSCHEER, Marli Ferreira. “Arte, uma necessidade humana: função social e educativa”. Itinerarius Reflectionis: Revista Eletrônica do curso de pedagogia do campus Jataí-UFG-Goiás, vol. 7, n. 1, 2011.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Disque 100. Disponível em: <https://www.mdh.gov.br/ informacao-ao-cidadao/disque-100>. Acessado em: 10/05/2021.

BUORO, Anamelia Bueno. O olhar em construção: uma experiência de ensino e aprendizagem da arte na escola. São Paulo: Editora Cortez, 2000.

CARVALHO, Luciomar de; LISBOA FILHO, Flavi Ferreira. “Representações LGBTQIA+ e estudos culturais: invisibilidades da diversidade de gênero em audiovisuais publicitários de moda”. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação Em Saúde, vol. 13, n. 3, 2019.

FISCHER, Ernest. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1987.

GASTALDI, Alexandre Bogas Fraga et al. (orgs.). Observatório de Mortes Violentas de LGBTI+ no Brasil – 2020: Relatório da Acontece Arte e Política LGBTI+ e Grupo Gay da Bahia. Florianópolis: Editora Acontece Arte e Política LGBTI+, 2021.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

GOFFMAN, Ken; JOY, Dan. Contracultura através dos tempos: do mito de Prometeu à cultura digital. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.

GUERRA, Wesley Sa Teles. “Orgulho e preconceito dentro da comunidade LGBTQIA+”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 3, n. 7, 2020.

KOEHLER, Sonia Maria Ferreira. “Homofobia, cultura e violências: a desinformação social”. Interacções, vol. 9, n. 26, 2013.

LEDUR, Rejane Reckziegel. Professores de Arte e Arte Contemporânea: contextos de produção de sentido (Dissertação de Mestrado em Educação). Porto Alegre: UFRGS, 2005.

NEVES, Thiago Tavares das. Coração sonoro-afetos, corpos e máquinas nas festas de música eletrônica (Tese de Doutorado em Ciências Sociais). Natal: UFRN, 2016.

PEREIRA, Carlos Alberto Messeder. O que é contracultura. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

RIBAS, Rafael Malvar et al. Contracultura musical brasileira: movimentos e particularidades (Dissertação de Mestrado em Educação, Arte e História da Cultura). São Paulo: UPM, 2016.

ROCHA, Rose Melo et al. “Comunicação e estudos de gênero: políticas de audiovisibilidade e narrativas midiáticas”. Fronteiras-estudos midiáticos, vol. 22, n. 2, 2020.