POR QUE A REDISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZAS EFETUADA PELO ESTADO É TÃO REVERENCIADA PELA OPINIÃO PÚBLICA? UMA DISCUSSÃO A PARTIR DE LINHAS LIBERTÁRIAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Maurício Fontana Filho

Resumo

A pesquisa trata da redistribuição de riqueza realizada pelo Estado, o que a atividade implica, como afeta coletividade e indivíduo, e como atua sobre o imaginário social. Investiga-se a linguagem de Estado no tema, que associa virtude à prática, e o interesse próprio dos grupos sociais em busca de privilégios através do sistema de democracia representativa. O método é o hipotético-dedutivo por pesquisa bibliográfica, coleta e análise de dados. A hipótese inicial a ser defendida aponta que a redistribuição de riquezas estatal é aclamada pela opinião pública em função da retórica da virtude utilizada pelo Estado e do interesse próprio do cidadão. Conclui-se por atribuir ao Estado o papel de corromper a sociedade através de uma linguagem propícia e dividi-la pela concorrência a incentivos e privilégios às custas alheias.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FONTANA FILHO, M. POR QUE A REDISTRIBUIÇÃO DE RIQUEZAS EFETUADA PELO ESTADO É TÃO REVERENCIADA PELA OPINIÃO PÚBLICA? UMA DISCUSSÃO A PARTIR DE LINHAS LIBERTÁRIAS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 20, p. 29–44, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5091167. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/403. Acesso em: 22 maio. 2022.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Maurício Fontana Filho, Universidade de Passo Fundo

Especialista em Ciências Sociais pela Universidade de Passo Fundo, UPF. Bacharel em Direito pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, UNIJUI.

Referências

BASTIAT, Frédéric. A lei. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2010.

BLUNTSCHLI, Johann Kaspar. Théorie générale de l’État. Paris: Librairie Guillaumin et Cie, 1877.

BOBBIO, Norberto. O futuro da democracia: uma defesa das regras do jogo. São Paulo: Paz & Terra, 2015.

BOURDIEU, Pierre. Sobre o Estado: cursos no Collège de France 1989-1992. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

BRASIL. Lei nº 7.998, de 11 de janeiro, 1990. Retrieved from: <http://www.planalto.gov.br>. Access: 09/03/2021.

BRASIL. Lei nº 10.836, de 09 de janeiro, 2004. Retrieved from: <http://www.planalto.gov.br>. Access: 09/03/2021.

BRASIL. Lei nº 12.711, 29 de agosto, 2012. Retrieved from: <http://www.planalto.gov.br>. Access: 09/03/2021.

BRASIL. Lei nº 12.990, 09 de junho, 2014. Retrieved from: <http://www.planalto.gov.br>. Access: 09/03/2021.

CEE - Centro de Estudos Estratégicos. “Extrema pobreza atinge 13,5 milhões: a pesquisa do IBGE e o papel do Estado na garantia de direitos”. Centro de Estudos Estratégicos da Fiocruz [2019]. Retrieved from: <https://cee.fiocruz.br>. Access: 09/03/2021.

CHARAUDEAU, Patrick. Linguagem e discurso: modos de organização. São Paulo: Editora Contexto, 2019.

CONSTANT, Benjamin. Princípios de política aplicáveis a todos os governos. Rio de Janeiro: Liberty Fund e Top Books, 2007.

DEVECHI, Antonio (org.). Constituições do Brasil: 1824-1988 – Documento Histórico. Curitiba: Juruá Editora, 2012.

DUPONT-WHITE, Charles Brook. L’individu et l’État. Paris: Librarie de Guillaumin et Cie, 1865.

ELLUL, Jacques. Propaganda: the formation of men’s attitudes. New York: Vintage Books, 1973.

FERRAJOLI, Luigi. Por uma teoria dos direitos e dos bens fundamentais. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2011.

FONTANA FILHO, Maurício. “A defesa hobbesiana do autoritarismo”. Revista Opinião Filosófica, vol. 10, n. 2, 2019.

FONTANA FILHO, Maurício. “Coronóptico digital: o Estado de exceção se tornará permanente?”. Boletim de conjuntura (BOCA), vol. 4, n. 12, 2020.

FONTANA FILHO, Maurício. “Por que Precisamos de um Estado? Justificando a Coerção”. MISES: Interdisciplinary Journal of Philosophy, Law and Economics, vol. 8, junho, 2020.

GOSEPATH, Stefan. “A Vindication of Distributive Justice”. Yearbook for Eastern and Western Philosophy, vol. 2019, n. 4, 2020.

HOPPE, Hans-Hermann. Democracia, o Deus que falhou: a economia e a política da monarquia, da democracia e da ordem natural. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2014.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua”. IBGE [2020]. Retrieved from: <https://www.ibge.gov.br>. Access: 09/03/2021.

JASAY, Anthony de. The State. Indianapolis: Liberty Fund, 1998.

JOUVENEL, Bertrand de. Ética da redistribuição. São Paulo: Instituto Liberal e Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2012.

KAESEMODEL, Gustavo Poletti. “Autopropriedade e a Ética Libertária”. MISES: Interdisciplinary Journal of Philosophy, Law and Economics, vol. 6, n. 1, 2018.

KARSTEN, Frank; BECKMAN, Karel. Além da democracia. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2013.

KOURILSKY, Philippe. O manifesto do altruísmo: questionamentos políticos, sociais e filosóficos sobre o individualismo e a necessidade do coletivo. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

LEROY-BEAULIEU, Paul. L’État moderne et ses fonctions. Paris: Librarie Félix Alcan, 1911.

MILL, John Stuart. Considerações sobre o governo representativo. São Paulo: Editora Escala, 2006.

MONTESQUIEU. O espírito das leis. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MORRESI, Sergio D. “Robert Nozick e o liberalismo fora do esquadro”. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n. 55, junho, 2002.

NOZICK, Robert. Anarquia, Estado e utopia. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011.

PAUL, Ron. Definindo a liberdade: 50 questões fundamentais que afetam a nossa liberdade. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2013.

RAND, Ayn. A revolta de Atlas, vol II. São Paulo: Arqueiro, 2010.

RAWLS, John. O liberalismo político. São Paulo: Wmf Martins Fontes, 2011.

RODRIGUES, Léo. “Em 6 anos, pessoas que se dizem pretas aumentam em todo o país”. Agência Brasil [22/05/2019]. Retrieved from: <https://agenciabrasil.ebc.com.br>. Access: 09/03/2021.

ROTHBARD, Murray N. A anatomia do Estado. São Paulo: Instituto Ludwig Von Mises Brasil, 2012.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. Le Petit Prince. China: Mariner Books, 1971.

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2015.

SCHOOLLAND, Ken; ELDRIDGE, Janette. The adventures of Jonathan Gullible: a free Market odyssey. Cape Town: Liberty Pub, 2004.

SCRUTON, Roger. As vantagens do pessimismo: e o perigo da falsa esperança. São Paulo: É Realizações, 2015.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia de Bolso, 2015.

WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Cultrix, 2018.

ZIMBARDO, Philip. O efeito Lúcifer: como pessoas boas se tornam más. Rio de Janeiro: Record, 2015.