RESSIGNIFICAÇÕES SOBRE O USO PEDAGÓGICO DO CELULAR A PARTIR DO ENSINO REMOTO EMERGENCIAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Robson Lima de Arruda

Resumo

Este ensaio texto discorre sobre o uso do celular como principal suporte tecnológico utilizado durante o ensino remoto emergencial, decorrente do distanciamento físico provocado pela Covid-19. Nessa direção, traça um parâmetro de como o celular era visto antes do ensino remoto e como, a partir do seu uso nas aulas remotas, novas possibilidades se colocam como necessárias e urgentes para (re)pensar o uso desse aparelho no pós-pandemia.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
LIMA DE ARRUDA, R. RESSIGNIFICAÇÕES SOBRE O USO PEDAGÓGICO DO CELULAR A PARTIR DO ENSINO REMOTO EMERGENCIAL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 6, n. 17, p. 74–81, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.4774336 . Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/340. Acesso em: 17 ago. 2022.
Seção
Ensaios

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil. Pesquisa sobre o uso das tecnologias e comunicação nos domicílios brasileiros: TIC Domicílios 2019. 1ª edição. São Paulo: CGI.br, 2020a.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil Pesquisa sobre o uso da internet no Brasil durante a pandemia do novo coronavírus: Painel TIC COVID-19. 3ª edição. São Paulo: CGI.br, 2020b.

COSCARELLI, C. V.; RIBEIRO, A. E. (orgs.). Letramento digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

COSCARELLI, C. V. “Multiletramentos e empoderamento na educação”. In: FERRAZ, O. (orgs.). Educação, (multi)letramentos e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura. Salvador: EDUFBA, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2018.

GADOTTI, M. “Perspectivas atuais da educação”. São Paulo em Perspectiva, vol. 14, n.2, 2000.

LIBÂNEO, J. C. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2011.

MERCADO, L. P. L. Formação continuada de professores e novas tecnologias. Maceió: EDUFAL, 1999.

MORAN, J. “Mudando a educação com metodologias ativas”. In: SOUZA, C. A.; MORALES, O. E. T. (orgs.). Convergências midiáticas, educação e cidadania: aproximações jovens, vol. 2. Ponta Grossa: Foca Foto-PROEX/UEPG, 2015.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 2014.

NÓVOA, A. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. São Paulo: SIMPRO, 2007.

PRENSKY, M. “Digital Natives Digital Immigrants”. In: PRENSKY, M (ed). On the Horizon. Lincon: NCB University Press, 2001.

RODRIGUES, F.; SEGUNDO, G.; RIBEIRO, L. “O uso do celular na sala de aula e a legislação vigente no Brasil”. In: Anais do III Congresso sobre Tecnologias na Educação – Ctrl+E. Fortaleza: CEUR, 2018. Disponível em: <http://ceur-ws.org>. Acesso em: 23/04/02021.

SENHORAS, E. M. “Coronavírus e educação: análise dos impactos assimétricos”. Boletim de Conjuntura, vol. 2, n. 5, 2020.

SOARES, S. B. V. “Coronavírus e a modernização conservadora da educação”. In: SOARES, S. B. V. et al. (orgs.). Coronavírus, educação e luta de classes no Brasil. Editora Terra Sem Amos, 2020.