O EFEITO DISSUASÓRIO DA FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NO AMAZONAS: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DAS MULTAS APLICADAS PELO IBAMA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Évelin Staevie do Santos
Sarah Lima de Souza
Raylene Rodrigues de Sena

Resumo

O objetivo desta pesquisa é relacionar a proteção ambiental ao escopo econômico da fiscalização, com enfoque nas queimadas e autuações realizadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) nos anos de 2022 a 2023, no Estado do Amazonas. A metodologia utilizada se refere a um estudo exploratório-descritivo, sob abordagem interdisciplinar e quali-quantitativa de materiais coletados através de consulta mediada por tecnologias digitais em plataformas online de matérias e documentos, e informações públicas fornecidas pela autarquia federal, com base na Lei nº 12.527/2011 (LAI). Para a classificação do material obtido foi utilizada a análise documental. A análise resultou na formulação de três categorias indexadoras a partir de dados públicos disponibilizados pelo IBAMA e pelo BDQueimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), evidenciando o Estado do Amazonas: 1) multa ambientais e valores; 2) fase atual das multas ambientais; e 3) focos da fiscalização ambientais. Interpretados, os codificadores denotaram que, embora os valores fixados das multas sejam vultosos, a fiscalização é pouco pulverizada, e os procedimentos administrativos morosos. Concluiu-se, então, que a fiscalização ambiental no Amazonas é ainda disfuncional quando comparada à pluralidade das leis ambientais e das tecnologias disponíveis para acompanhamento dos espaços geográficos e mediação dos atuais problemas socioambientais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SANTOS, Évelin S. do .; SOUZA, S. L. de; SENA, R. R. de. O EFEITO DISSUASÓRIO DA FISCALIZAÇÃO AMBIENTAL NO AMAZONAS: UMA ANÁLISE ECONÔMICA DAS MULTAS APLICADAS PELO IBAMA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 592–609, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10610860. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3232. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ACHKAR, A. A compensação ambiental da Lei nº 9.985/00: fundamentos e natureza jurídica (Dissertação de Mestrado em Direito). Florianópolis: UFSC, 2008.

AMAZONAS. Lei n. 7.590, de 05 de junho de 2007. Manaus: Assembleia Legislativa, 2007. Disponível em . Acesso em: 29/12/2023.

ARKSEY, H.; O’MALLEY, L. “Scoping studies: Towards a methodological framework”. International Journal of Social Research Methodology: Theory and Practice, vol. 8, n. 1, 2005.

ARTIGAS, P. S. Contribuição ao estudo das medidas compensatórias em direito ambiental (Tese de Doutorado em Direito Econômico e Financeiro). São Paulo: USP, 2011.

ÁVILA, F. “O conceito de segurança cidadã como parte integrante da segurança humana e o sistema interamericano de direitos humanos”. Conpedi Law Review, vol. 3, n. 1, 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Editora Edições, 2016.

BASTOS, B. B. et al. “Análise bibliométrica da produção científica sobre a relação do meio ambiente com o vetor tecno-ecológico na Amazônia Oriental brasileira”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 39, 2023.

BECKER, G. S. “Crime and punishment: an economic approach”. The Journal of Political Economy, vol. 76, 1968.

BRITO, L. A. G. S. M. Isenções fiscais e proteção ambiental: entre o poluidor-pagador, o usuário-pagador e o protetor-recebedor (Dissertação de Mestrado em Direito). Belém: UFPA, 2016.

CERQUEIRA, D.; BUENO, S. (coord.). Atlas da violência 2023. Brasília: FBSP, 2023.

FBSP - Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Cartografias das Violências na Região Amazônica: Relatório final. São Paulo: FBSP, 2022.

FERREIRA, R. M.; FIORILLO, C. A. P. “Responsabilidade ambiental das empresas de mineração e suas obrigações em face da política nacional de segurança de barragens”. Revista jurídica, vol. 4, n. 57, 2019.

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Consulta Pública de Embargos e Autuações Ambientais. Brasília: IBAMA, 2023. Disponível em: . Acesso em: 02/12/2023.

IBAMA – Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Resposta ao Pedido de Acesso à Informação LAI DIC (SEI nº 17423213). Brasília: IBAMA, 2023. Disponível em: . Acesso em: 02/12/2023.

INPE – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Programa Bdqueimadas para o território brasileiro. Brasília: INPE, 2023. Disponível em: . Acesso em: 29/11/2023.

LIMA JUNIOR, E. B. et al. “Análise documental como percurso metodológico na pesquisa qualitativa”. Cadernos da Fucamp, vol. 20, n. 44, 2021.

MARTÍNEZ-ALIER, J. “A global environmental justice movement: mapping ecological distribution conflicts”. Disjuntiva, vol. 1, n. 2, 2020.

MMA - Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima. “Combate a incêndios: Governo Federal dobra tota de brigadistas no Amazonas para 289”. MMA [2023]. Disponível em . Acesso em: 29/11/2023.

MONTEIRO, R. R. et al. “Transformações na governança ambiental brasileira: análise da evolução da participação social e do desenho institucional do Conselho Nacional de Meio Ambiente (2011-2023)”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 16, n. 46, 2023.

MPF - Ministério Público Federal. “MPF ajuíza ação para que Estado do Amazonas apresente documentos que demonstrem combate e prevenção ao desmatamento e às queimadas”. MPF [2023]. Disponível em: . Acesso em: 29/11/2023.

NAFZIGER, J. A. R. “Basic Functions and Principles of International Environmental Law in the Context of Managing Water Resources”. Denver Journal of International Law and Policy, vol. 39, n. 3, 2011.

NASCIMENTO, A. B. Do princípio da precaução à ética da responsabilidade: em busca dos pressupostos para a construção do Estado Democrático de Direito Ambiental (Dissertação de Mestrado em Ciências Jurídicas). São Leopoldo: Unisinos, 2012.

ONU – Organização das Nações Unidas. Environmental Rules of law: first global report. New York: ONU, 2023.

REDONDO, J. M.; IBARRA-VEGA, D. “Fundamentos conceptuales para la tasación de multas ambientales em Colombia”. Revista Finanzas y Política Económica, vol. 11, n. 1, 2019.

RIBEIRO, F. L. Valoração de danos ambientais: uma análise do método de avaliação contingente (Tese Doutorado em Economia Aplicada). Viçosa: UFV, 2002.

RUSCHEINSKY, A. et al. “Redes de cooperação na investigação e na formação para a aderência à sustentabilidade socioambiental”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 37, 2023.

SALAZAR, J. I. C. et al. “Mapas delictivos y análisis espacial de la criminalidad ambiental: México 2006-2018”. Revista Criminalidad, vol. 65, n. 1, 2023.

SANTILLI, J. Socioambientalismo e novos direitos: proteção jurídica à diversidade biológica e cultural. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2005.

SCHMITT, J. Crime sem castigo: a efetividade da fiscalização ambiental para o controle do desmatamento ilegal na Amazônia (Tese de Doutorado em Desenvolvimento Sustentável). Brasília: UnB, 2015.

SOUZA, J. P. M. C. Crimes ambientais no Brasil: Uma análise sob a ótica da economia do crime de Gary Becker (Tese de Doutorado em Economia). Brasília: UnB, 2021.

UHR, J.; UHR, D. “Crimes ambientais e agentes privados: evidências para os estados brasileiros”. Análise Econômica, vol. 33, n. 63, 2015.

VIAPIANA, L. T. Economia do crime: uma explicação para a formação do criminoso. Porto Alegre: Editora AGE, 2006.

WWF - World Wide Fund For Nature Brasil. “Amazônia, desmatamento e queimadas: um novo desastre em 2020: as trágicas queimadas que vimos em 2019 estão se repetindo neste ano”. WWF-Brasil [2020]. Disponível em: . Acesso em: 29/11/2023.