REFLEXÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Denise de Mattos Gaudard
Rafael Ângelo Fortunato

Resumo

O tema desta pesquisa trata de um estudo exploratório que busca evidenciar e esclarecer como determinados fatos, (des) entendimentos, eventos e até outros marcos legais, contribuíram para que a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) sofresse um atraso de 21 anos para ser promulgada pela Lei n. 12305, em 02.08.2010. O objetivo primordial é analisar o a sequência de fatos, a natureza complexa e abrangente da legislação, seu arcabouço jurídico institucional e a evolução das políticas públicas ambientais relacionadas à gestão dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSUs) no Brasil. Como base do Referencia Teórico, se pretende: 1. Expor as principais lacunas vinculadas à precariedade de atuação do poder público nas articulações de políticas públicas e, 2. Procurar entender os fatos por trás do longo processo de promulgação da lei, identificando os principais agentes, obstáculos, entraves e até retrocessos, permitindo melhor compreensão dos desafios da capacidade de inovação dessas legislações ambientais. A metodologia partiu de pesquisa exploratória, descritiva e qualitativa, através de análise documental e bibliográfica, a exemplo das notas taquígrafas e registros das sessões do Congresso Nacional (CN). Se elaborou três quadros com recortes dos principais eventos históricos da evolução das políticas ambientais, iniciando em 1989, com o Projeto de Lei (PL) nº359/89 e culmina em 2010, com a lei. Os resultados expuseram que determinados grupos e agentes do executivo e do legislativo demonstraram pouca capacidade de negociação e de articulação política que visasse sanar as divergências dos interesses, mitigar obstáculos e até impedir alguns retrocessos identificados. Adicionalmente, se evidenciou que outros grupos se valeram de diversos recursos, formas e representações, cujas estratégias foram utilizadas visando lograr interesses institucionais, setoriais e corporativos, interferindo na regulamentação do marco legal. Portanto, se conclui que as lacunas estão principalmente vinculadas à contumaz precariedade de atuação do poder público nas articulações para a implementação de políticas públicas; a ausência de eficácia na comunicação e no chamamento para uma maior participação de representações da sociedade civil e do setor produtivo nos debates, formulação e regulamentação de leis que são prioritárias para o bem coletivo da população.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
GAUDARD, D. de M. .; FORTUNATO, R. Ângelo. REFLEXÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 404–431, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10565427. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3139. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004: Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

ABRELPE - Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo: ABRELPE, 2022.

ALMEIDA, L A. “Capacidades estatais e a implementação de políticas públicas: uma análise da agenda recente de pesquisa”. RP3 - Revista de Pesquisa em Políticas Públicas, n. 2, 2020.

ALMEIDA, L. A.; GOMES, R. C. “Atores, Recursos e Interesses na Formulação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Administração Pública e Gestão Social”. Revista Administração Pública e Gestão Social, vol. 10, n. 3, 2018.

AMORIM, J. M. “Avaliação da Conferência de Estocolmo, do Relatório Brundtland e da Agenda 21 em relação ao saneamento”. Revista Eletrônica de Ciências USP, n. 42, 2002.

ANDERSEN, D. D. E.; KNUTSEN, C. H.; SKAANING, S. “Dimensions of State Capacity and Modes of Democratic Breakdown”. QOG Working Paper Series, n. 14, 2023.

ARAÚJO, S. M. V. “O desafio da aplicação da lei dos resíduos sólidos. Estudo. Análise de Nota Taquigrafas e atas - Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados”. Anais do XI Seminário Meio Ambiente e Direito Ambiental, Desenvolvimento Urbano e Regional. Brasília: UnB, 2020

ARAÚJO, S. M. V.; JURAS, I. Comentários à lei dos resíduos sólidos: Lei nº 12.305. São Paulo: Editora Saraiva, 2011.

BEM – Brazil Waste Management. Brazil’s Solid Waste Plan unlocks investments and opportunities for U.S”. International Trade Administration [2022]. Disponível em: . Acesso em: 12/01/2024.

BRASIL Decreto Lei n. 7.404, de 23 de setembro de 2010. Brasília: Planalto, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL, F. C.; CARLI A. (orgs.). Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS): Uma Análise Interdisciplinar de sua efetividade. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Planalto, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Brasília: Planalto, 1981. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL. Lei n. 7.802, de 11 de julho de 1989. Brasília: Planalto, 1989. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023

BRASIL. Lei n. 10.257, de 10 de julho de 2001. Brasília: Planalto, 2001. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023

BRASIL. Lei n. 12.305, de 02 de agosto de 2010. Brasília: Planalto, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023

BRASIL. Lei n. 14.445, de 05 de janeiro de 2007. Brasília: Planalto, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023

BRASIL. Plano de gerenciamento de resíduos sólidos: 2022-2023. Brasília: Senado Federal, 2021. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL. Projeto de Lei n. 203, 01 de abril de 1991. Brasília: Câmara de Deputados, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL. Projeto de Lei n. 305, 13 de abril de 1991. Brasília: Câmara de Deputados, 1991. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRASIL. Projeto de Lei n. 6136, de 31 de outubro de 2005. Brasília: Câmara dos Deputados, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

BRUHN, N. C. et al. “Recyclable waste in Brazilian municipalities: A spatial-temporal analysis before and after the national policy on solid waste”. Journal of Cleaner Production, vol. 421, 2023.

CNM - Confederação Nacional dos Municípios. Relatório situação dos Resíduos sólidos. Brasília: CNM, 2022. Disponível em: . Acesso em: 10/06/2023.

EIGENHEER, E M. Limpeza urbana através dos tempos. Rio de Janeiro: Editora Pallotti, 2009

FERNANDEZ, J. U. J. Lixo: Limpeza Pública Urbana; gestão de Resíduos Sólidos sob o enfoque do direito. Belo Horizonte: Editora Del Rey, 2001.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília: IBAMA, 2022. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores de Desenvolvimento Sustentável: Brasil. Brasília: IBGE, 2004. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2023.

JANNUZZI, P. M. “A importância do contexto institucional, político e ideacional na avaliação de políticas públicas”. Revista Brasileira de Avaliação, vol. 11, n. 2, 2022.

JARDIM, A. et al. (eds.). Política nacional, estão e gerenciamento de resíduos sólidos. São Paulo: Editora da PUC-SP, 2012.

JURAS, I. “Aspectos gerais à política nacional de resíduos sólidos”. Revista Ambito Juridico [2012]. Disponível em: . Acesso em: 16/07/2023.

MILANEZ, B.; TEIXEIRA, C. “Proposta de método de avaliação de indicadores de sustentabilidade para gestão de resíduos sólidos urbanos”. In: FRANKENBERG, M. et al. (orgs.). Gestão ambiental urbana e industrial. Porto Alegre: Editora da PUC-RS, 2013.

MOREIRA, M. C. Dados e informações sobre resíduos sólidos urbanos no Brasil (Dissertação de Mestrado em Saúde Pública). Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2013.

ONU/PNUMA. Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Whashington: New York: ONU/PNUMA, 1989.

PIMENTEIRA, P. Gestão Integrada de Resíduos Sólidos no Rio de Janeiro: Impactos das decisões dos gestores nas políticas públicas Rio de Janeiro (Tese de Doutorado em Planejamento Energético). Rio de Janeiro: UFRJ, 2015.

RAUBER, M. E. “Apontamentos Sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei Federal n° 12.305, de 02.08.2010. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, vol. 4, n. 4, 2011

SIQUEIRA, D. P.; WOLOWSKI, M. R. O. “Cooperativas de Reciclagem como Instrumento de Efetivação de Direitos da Personalidade: Uma Breve Perspectiva Brasileira e Mundial”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 44, 2023.

SOARES, L. S. V. A História da Política Nacional de Resíduos Sólidos: reflexões acerca do seu tímido avanço. São Paulo: Editora Dialética, 2022.