A UTILIZAÇÃO DA PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: PRINCÍPIOS BÁSICOS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Mariana Angelica Ferreira
Anaíla de Araújo Oliveira
Emanuel Nildivan Rodrigues da Fonseca
Fernanda Cruz Ramos Ferreira
Simone de Oliveira Moreira

Resumo

Este estudo concentra-se na abordagem da violência obstétrica e na aplicação da prevenção quaternária como estratégia para mitigar sua ocorrência nos serviços de saúde. O objetivo deste trabalho é evidenciar a prevenção quaternária como ferramenta que visa minimizar ou extinguir os agravos decorrentes da violência obstétrica. A pesquisa, realizada por meio de uma revisão integrativa da literatura entre julho e novembro de 2023, utilizou as bases de dados PubMed via MEDLINE, o portal de periódicos CAPES com acesso CAFe e a fonte de dados BVS. Os descritores "Violência", "Obstetrícia" e "Prevenção", validados pelo DeCS/MeSH, foram conectados pelo operador booleano "AND". A análise resultou em uma amostra inicial de 340 artigos, dos quais foram criteriosamente selecionados 09 após a avaliação dos resumos e leitura integral. Revelou-se que a assistência inadequada à mulher desempenha um papel significativo na morbimortalidade materna e infantil. Estimativas da Organização Mundial da Saúde indicam que cerca de 295 mil mulheres morrem anualmente devido a complicações relacionadas à maternidade. A promoção da humanização da assistência torna-se essencial, com ênfase em boas práticas durante o pré-natal, trabalho de parto e puerpério. A atenção à mulher deve enfatizar a autonomia, respeito aos direitos, apoio empático, estímulo ao uso de métodos não invasivos para alívio da dor, liberdade de posição e adoção de práticas baseadas em evidências científicas, destacando a importância da atualização profissional contínua.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FERREIRA, M. A.; OLIVEIRA, A. de A. .; FONSECA, E. N. R. da; FERREIRA, F. C. R. .; MOREIRA, S. de O. A UTILIZAÇÃO DA PREVENÇÃO QUATERNÁRIA EM SITUAÇÕES DE VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA: PRINCÍPIOS BÁSICOS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 287–303, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10531291. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3103. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ANDRADE, H. S.; CARVALHO, S. E. “Genealogia da Prevenção Quaternária: entre o uso da Medicina Baseada em Evidências e a reformulação do cuidado na Atenção Primária à Saúde”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 28, 2023.

AQUINO, L. S. et al. “Síndrome de Burnout: repercussões na saúde do profissional de Enfermagem”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 6, n. 16, 2021.

BABA, K.; KATAOKA, Y. “An E-Learning Program for Continuing Midwifery Education on Handling High-Risk Abuse Cases: A Pretest–Posttest Design”. International Journal of Environmental Research And Public Health, vol. 20, n. 13, 2023.

BAIRD, K. M. et al. “An exploration of Australian midwives’ knowledge of intimate partner violence against women during pregnancy”. Women and Birth, vol. 28, n. 3, 2015.

BAMIGBOYE, O. T. et al. “Influencia de una intervención educativa en el conocimiento y en el manejo de la violencia de pareja por parte de enfermeras obstetras en Nigeria”. Enfermería Clínica, vol. 33, n. 5, 2023.

BARDIN, L. Organização da análise: análise de conteúdo. São Paulo: Editora Edições 70, 2016.

DEPALLENS, M. A. et al. “Prevenção quaternária, reforma curricular e educação médica”. Interface -Comunicação, Saúde, Educação, vol. 24, 2020.

FLAATHEN, E. M. E. et al. “User-involvement in the development of a culturally sensitive intervention in the safe pregnancy study to prevent intimate partner violence”. Violence Against Women, vol. 27, n. 12, 2021.

GÓMEZ-FERNÁNDEZ, M. A. et al. “Violência entre parceiros íntimos como tema de estudo durante a formação de enfermeiras e parteiras na Catalunha (Espanha): um estudo qualitativo. A formação do enfermeiro na prática, v. 27, p. 13-21, 2017.

JBI - Joanna Briggs Institute. “Supporting Document for the Joanna Briggs Institute Levels of Evidence and Grades of Recommendation”. JBI [2014]. Disponível em: . Acesso em: 23/12/2023.

LANSKY, S. et al. “Violência obstétrica: influência da Exposição Sentidos do Nascer na vivência das gestantes”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 24, 2019.

LEITE, T. H. et al. “Desrespeitos e abusos, maus tratos e violência obstétrica: um desafio para a epidemiologia e a saúde pública no Brasil”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 27, 2022.

NASCIMENTO, S. L. et al. “Conhecimentos e experiências de violência obstétrica em mulheres que vivenciaram a experiência do parto”. Enfermería Actual en Costa Rica, n. 37, 2019.

OLIVEIRA, M. R. R. et al. “Mulher e parto: significados da violência obstétrica e a abordagem de enfermagem”. Revista de Enfermagem UFPE Online, vol. 14, 2020.

PAGE, M. et al. “The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews”. BMJ, vol. 372, n. 71, 2020.

RAMOS, T. M. et al. “Nursing students' knowledge about obstetric violence”. ABCS Health Sciences, vol. 47, 2022.

SANTOS, E.C.L. et al. Manual de Cardiologia Cardiopapers. São Paulo: Editora Atheneu, 2015

SCHOPF, K. et al. “Prevenção Quaternária: da medicalização social à atenção integral na Atenção Primária à Saúde”. Escola Anna Nery, vol. 26, 2021.

SENHORAS, E. M. BNDES e a era de ouro da internacionalização empresarial brasileira (1999-2009). Boa Vista: Editora da UFRR, 2019.

SILLER, H. et al. “Midwives perceiving and dealing with violence against women: Is it mostly about midwives actively protecting women? A modified grounded theory study”. Journal of Interpersonal Violence, vol. 37, n. 3, 2022.

SILVA, F. C. et al. “O saber de puérperas sobre violência obstétrica”. Revista de Enfermagem UFPE Online, vol. 13, 2019.

TESSER, C. D.; NORMAN, A. H. “Prevenção quaternária e medicalização: conceitos inseparáveis”. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, vol. 25, 2021.

URSI, E. S.; GAVÃO, C. M. “Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura”. Revista Latino-Americana de Enfermagem, vol. 14, 2006.

YALAHOW, A. et al. “Training reproductive health professionals in a post-conflict environment: exploring medical, nursing, and midwifery education in Mogadishu, Somalia”. Reproductive Health Matters, vol. 25, n. 51, 2017.

ZANARDO, G. L. P. et al. “Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa”. Psicologia e Sociedade, vol. 29, 2017.