AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ: VISÃO DOS AGENTES PÚBLICOS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Silvio Roberto Stefani
Jean Francisco Bernardino
Marcia Aparecida Zampier

Resumo

O presente estudo tem como tema as políticas públicas adotadas nos municípios da microrregião de Guarapuava, no estado do Paraná, com ênfase na perspectiva dos agentes públicos para compreender o panorama politico-administrativo local. Adotou-se uma metodologia com abordagem mista de natureza aplicada e descritiva, foram utilizados procedimentos bibliográficos por meio de revisão sistemática de literatura, bem como dados documentais fornecidos pelo site do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) coletados em 2023. Os dados foram analisados utilizando medidas estatísticas como média, mediana e desvio padrão, possibilitando analisar as respostas, apontando as diversas percepções entre os entrevistados. A pesquisa abrange diversas áreas, incluindo Educação, Saúde, Assistência Social, Administração Financeira, Indicadores de Previdência e Transparência. No âmbito da Educação, foram explorados temas como Planejamento, Acesso, Práticas Pedagógicas e Serviços Escolares. Na área da Saúde, as questões incluíram Gestão, Territorialização e Serviços. A avaliação da Assistência Social contemplou aspectos como Planejamento, Vigilância, e Recursos. A Administração Financeira abordou Orçamento, Despesas e Arrecadação. Os indicadores de Previdência direcionados para parâmetros como Regime, Governança e Transparência. A Transparência, por sua vez, foi constatada em diversos aspectos regulamentares. Os resultados evidenciaram variações estatísticas entre os municípios analisados. Guarapuava, Virmond e Rio Bonito do Iguaçu destacaram-se, sobretudo nos Instrumentos de Planejamento. Em contraste, Quedas do Iguaçu, Cantagalo e Laranjeiras do Sul enfrentam desafios na área de Acesso e Permanência na Educação, Coordenação do Cuidado na Saúde, Articulação Territorial e Intersetorial na Assistência Social. A análise dos dados proporciona uma visão específica das dinâmicas municipais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
STEFANI, S. R.; BERNARDINO, J. F. .; ZAMPIER, M. A. . AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ: VISÃO DOS AGENTES PÚBLICOS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 75–103, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10475695. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2796. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ANDRADE ZANCHIN, V.; CARNEIRO, A. F.; PIACENTINI, A. L. S. “Dimensões Da Sustentabilidade Nos Orçamentos Dos Municípios De Rondônia Com Maior Índice Firjan De Desenvolvimento Municipal”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 39, 2023.

BATISTA, F. F. “Governo que Aprende: Gestão do Conhecimento em Organizações do Executivo Federal”. Brasília: Ipea, 2004. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

BORGES, M. L. et al. “Corrupção na Saúde durante a Pandemia da COVID-19 no Brasil”. Campos Neutrais, vol. 4, n. 1, 2022.

CABRAL, F. G. O “Tribunal de Contas da União é um órgão político?”. Revista de Investigações Constitucionais, vol. 7, n. 1, 2020.

CAIRNEY, P. “The politics of policy analysis: Theoretical insights into real-world problems”. Journal of European Public Policy, vol. 30, n. 9, 2023.

CASTRO, S. H. R.; CASTRO, R. R. “Avaliação de políticas públicas: uma nova fronteira para o Controle Externo e pilar estruturante da democracia”. Revista Controle, vol. 19, n. 1, 2021.

CECHINEL, A. et al. “Estudo/análise documental: uma revisão teórica e metodológica”. Criar Educação, vol. 5, n. 1, 2016.

CEREJO, S. B. et al. “A Fiscalização de Políticas Públicas Educacionais: A Experiência do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia”. Direito UNIFACS – Debate Virtual, n. 275, 2023.

CHADID, R. A função do Tribunal de Contas no Brasil. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2019.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. L. Pesquisa de Métodos Mistos. Porto Alegre: Editora Penso, 2013.

D’ESCOFFIER, L. N. et al. “A avaliação educacional na produção científica vista por meio de análise de redes sociais”. Ensaio, vol. 30, 2022.

DELGADO, P. R. “Desenvolvimento Humano no Paraná: Avanços e Desafios”. Revista Paranaense De Desenvolvimento, vol. 41, n. 138, 2021.

DYE, T. D. Understanding Public Policy. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1984

EASTON, D. A Framework for Political Analysis. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1965.

FLACH, L. et al. “Gestão pública de Smart Cities brasileiras e seus efeitos na educação local”. Education Policy Analysis Archives, vol. 30, 2022.

GARCIA, V.; ARAÚJO LEONETTI, C. “O controle e a avaliação pelo Tribunal de Contas da União das políticas públicas implementadas por desonerações tributárias no Brasil”. Revista Brasileira de Políticas Públicas, vol. 11, n. 1, 2021.

GUIMARÃES, P. R. B. Métodos quantitativos estatísticos. Curitiba: Iesde Brasil, 2008.

HA, H.; HUR, H. “Public Official Empowerment and Rule-Breaking Behaviors: Evidence from Panel Analysis of US Federal Agencies”. Public Organization Review, n. 25, 2023.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Brasileiro. Rio de Janeiro: IBGE, 2023. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2023.

JACOBY FERNANDES, J. U. Tribunais de Contas do Brasil: jurisdição e competência. Belo Horizonte: Editora Fórum, 2016.

JANNUZZI, P. M. Indicadores Sociais no Brasil: Conceitos, fontes de dados e aplicações. São Paulo: Editora Alínea, 2017.

LASWELL, H. D. Politics: Who Gets What, When, How. Cleveland: Meridian Books, 1958.

LIMA, R. F. L. Tribunais de Contas do Brasil: um relatório acerca da eficiência técnica utilizando a análise envoltória de dados (Dissertação de Mestrado em Administração Pública). Maceió: UFAL, 2023.

LINDBLOM, C. E. “Still Muddling, Not Yet Through”. Public Administration Review, vol. 39, 1979.

LINDBLOM, C. E. “The Science of Muddling Through”. Public Administration Review, vol. 19, 1959.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação, abordagens qualitativas. São Paulo: Editora EPU, 1986.

LYNN, L. E. Designing Public Policy: A Casebook on the Role of Policy Analysis. Santa Monica: Goodyear, 1980

MAHARDHANI, A. J. “The role of public policies in promoting technological innovation and sustainability”. Contemporary Administration and Management Magazine, vol. 2, 2023.

MEAD, L. M. “Public Policy: Vision, Potential, Limits”. Policy Currents, n. 16, 1995

MEDEIROS, J. L. “A atuação do tribunal de contas e as políticas públicas de saúde”. Caderno Virtual, vol. 1, n. 56, 2023.

NASUTION, M. A.; ACHMAD, N. “The Measurement of Public Policy Assessment of North Sumatra Province, Indonesia”. International Journal of Sustainable Development and Planning, vol. 18, n. 3, 2023.

PEGORARO, D. et al. “A eficiência no setor público: Uma análise das publicações cientificas nacionais”. Anais do IX Encontro Brasileiro de Administração Pública. Rio de Janeiro: FGV, 2022.

PEREIRA JÚNIOR, E. L. P. et al. “Governance Applicable to Public Organizations: An Analysis based on the Multicriteria Method (MCDM) Parsimonious AHP (PAHP) under the perspective of the Leadership Mechanism in the light of the Union Court of Audits (TCU)”. Procedia Computer Science, vol. 221, 2023.

PETERS, B. G. American Public Policy. Chatham: Chatham House. 1986.

PORTUGAL JÚNIOR, P. S. et al. “Estabelecimento de um indicador de eficiência do gasto público para o desenvolvimento municipal: uma análise aplicada no Sul de Minas”. Economia e Região, vol. 10, n. 2, 2022.

RODRIGUES, S. L. et al. “Sustainability in practice: a study on the municipal public management of Teresina”. Gestão e Produção, vol. 29, 2022.

RODRÍGUEZ-EDEZA, M. Á. “Modelo general para la creación de las políticas públicas”. Forum: Revista Departamento de Ciência Política, vol. 19, 2021.

SÁ, L. F. V. N.; DETONI, R. L. S. “A Análise Econômica do Direito no controle externo das políticas públicas”. Revista Controle, vol. 17, n. 1, 2019.

SCHIMMELPFENNIG, R.; MUTHUKRISHNA, M. “Cultural evolutionary behavioral science in public policy”. Behavioural Public Policy [2023]. Disponível em: . Acesso em: 12/09/2023.

SILVA, M. C. “Critérios de avaliação de políticas públicas e de desempenho: aspectos CONCEITUAIS e empíricos”. Revista Governet: Boletim do Orçamento e Finanças, n. 167, 2019.

SILVA, O. H. F.; SOARES, A. S. “As Políticas Públicas para a Educação Infantil na Cidade de Betim no Estado de Minas Gerais”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 39, 2023.

SIMON, H. Comportamento Administrativo. Rio de Janeiro: USAID, 1957

SOUSA, M.; LEMES DE SORDI, M. R. “Discursos sobre avaliação educacional na rede municipal de ensino de São Paulo”. Estudos Em Avaliação Educacional, vol. 33, 2020.

SOUZA, C. “Políticas públicas: uma revisão da literatura”. Sociologias, n. 16, 2006.

STEFANI, S. R. et al. “Cidades Sustentáveis e ISO37120: A Visão dos Munícipes”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 43, 2023.

TABORDA, L. E. et al. “Acessibilidade da Pessoa Idosa a Serviços Públicos nas Plataformas Digitais no Município de Ponta Grossa-PR”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 42, 2023.

TCE-PR – Tribunal de Contas do Estado do Paraná. Avaliação da Atuação Governamental. Relatório público. Curitiba: TCE, 2023. Disponível em: . Acesso em: 12/09/2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)