MÉTODO E PRÁTICA: A HISTÓRIA E A ATUALIDADE DAS ESPECIFICIDADES DA HISTORIOGRAFIA ANTIGA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Lucas Barroso

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as especificidades da escrita da história do Mediterrâneo antigo, mobilizando conceituações e aparatos narrativos de diversas temporalidades, perpassando a antiguidade até a contemporaneidade. Nesse sentido, para tal empreendimento, mobilizaremos arcabouços teóricos já consolidados de autores clássicos como Croce (1964), Ankersmit (1988), Loraux (1992) e Ranke (2010), e também de historiadores mais atuais como Guarinello (2003), Vlassopoulos (2007) e Cabanes (2009). Além disso, tendo como norte as particularidades intrínsecas ao distanciamento temporal da Antiguidade, também proporemos discussões acerca do próprio tempo histórico em si, partindo do impacto do tempo presente no ato da narrativa historiográfica.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BARROSO, L. MÉTODO E PRÁTICA: A HISTÓRIA E A ATUALIDADE DAS ESPECIFICIDADES DA HISTORIOGRAFIA ANTIGA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 21, p. 24–35, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5202798. Disponível em: http://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/428. Acesso em: 17 set. 2021.
Seção
Artigos

Referências

ANKERSMIT, F. R. “Historical Representation” History and Theory, vol. 27, n. 3, 1988.

AUERBACH, E. Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 1976.

BENTIVOGLIO, J. “Leopold von Ranke”. In: MALERBA, J. (Org.). Lições de História: o caminho da ciência no longo século XIX. Porto Alegre: EDIPUCRS / Rio de Janeiro: FGV, 2010.

BLOCH, M. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CABANES, P. Introdução à história da Antiguidade. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

CROCE, B. História, pensamento e ação. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

DETIENNE, M. Os Mestres da Verdade na Grécia Arcaica. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

FINLEY, M. O Mundo de Ulisses. Lisboa: Presença, 1982.

FINLEY, M. Uso e Abuso da História. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

GUARINELLO, N. L. “Uma morfologia da História: as formas da História Antiga”. Politeia, vol. 3, n. 1, 2003.

KANT, I. Ideia de uma história universal de um ponto de vista cosmopolita. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LORAUX, N. “Elogio do anacronismo”. In: NOVAES, A. (org.). Tempo e História. São Paulo: Companhia das Letras / Secretaria Municipal de Cultura, 1992.

MACHADO, R. S. “História e Poesia na Poética de Aristóteles”. Mneme: Revista de Humanidades, vol. 2, n. 3, 2001.

RANKE, L. “O Conceito de História Universal”. In: MARTINS, E. R. (org.). História Pensada: Teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010.

TRABULSI, J. A. D. Ensaio sobre a Mobilização Política na Grécia Antiga. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

VLASSOPOULOS, K. Unthinking the Greek Polis. Ancient Greek History Beyond Eurocentrism. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.