PSICOMETRIA DE UM INSTRUMENTO DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Ronivon Fonseca
Marise Fagundes Silveira
Higor da Silva Cordeiro
Rafael Soares Duarte de Moura
Andréa Maria Eleutério de Barros Lima Martins

Resumo

O presente estudo teve por objetivo analisar a estrutura fatorial e as propriedades psicométricas do instrumento World Health Organization Violence Against Women (WHO VAW), que adota uma perspectiva de gênero para avaliar a violência contra a mulher, para uso em situações emergenciais, como a promovida pela COVID-19. Trata-se de um estudo transversal, quantitativo, descritivo e, em última instância, metodológico, realizado a partir dos dados coletados utilizando o questionário WHO VAW com mulheres notificadas no sistema de vigilância epidemiológica da cidade de Montes Claros – Minas Gerais com suspeita ou diagnóstico de COVID-19, no período de maio a dezembro de 2020. Foram selecionadas, para este estudo, 443 mulheres. A idade das participantes variou entre 18 a 59 anos, com média de 33,9 anos e desvio padrão de 10,0 anos. Os dados resultantes do estudo foram submetidos a uma análise estatística descritiva, com o objetivo específico de estruturar, resumir e exibir os dados coletados na forma de texto e tabelas. Para cumprir com o objetivo último de avaliar as propriedades psicométricas e a validade do WHO VAW no contexto pandêmico, conduziu-se uma análise fatorial confirmatória para verificar a viabilidade do instrumento. A escala WHO VAW apresentou propriedades psicométricas satisfatórias de validade de construto fatorial, convergente e discriminante, bem como de confiabilidade. A partir dos resultados da análise quantitativa e descritiva e da análise fatorial combinatória, foi identificado efeito teto na dimensão Violência Psicológica (51,47%) e efeito piso na dimensão Violência Sexual (85,33%). Além disso, os escores WHO VAW das dimensões psicológica, física e sexual apresentaram os respectivos valores: 4,15 (+2,23) pontos; 3,65 (+ 3,60) pontos; e 0,63 (+1,60) pontos. Confirmou-se a viabilidade de se utilizar o WHO VAW como instrumento de identificação e controle da violência contra a mulher em contextos emergenciais de saúde pública, tais como a pandemia de COVID-19.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FONSECA, J. R.; SILVEIRA, M. F. . .; CORDEIRO, H. da S.; MOURA, R. S. D. de . .; MARTINS, A. M. E. de B. L. PSICOMETRIA DE UM INSTRUMENTO DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 18, n. 52, p. 01–22, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.11003195. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3920. Acesso em: 19 maio. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ACOSTA, D. F. et al. “Violência contra mulheres cometida por parceiros íntimos: (in)visibilidade do problema”. Texto e Contexto - Enfermagem, vol. 24, n. 1, 2015.

ALLOATTI, M. N.; MATOS DE OLIVEIRA, A. L. “Deepening and widening the gap: The impacts of the COVID-19 pandemic on gender and racial inequalities in Brazil”. Gender, Work and Organization, vol. 30, n. 1, 2023.

BARROS, E. N. et al. “Prevalência e fatores associados à violência por parceiro íntimo em mulheres de uma comunidade em Recife/Pernambuco, Brasil”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 21, n. 2, 2016.

BOTT, S. et al. “Intimate partner violence in the Americas: a systematic review and reanalysis of national prevalence estimates”. Revista Panamericana de Salud Pública, vol. 20, n. 43, 2019.

BROWN, T. A. Confirmatory factor analysis for applied research. New York: The Guilford Press, 2015.

CAMPOS, B. et al. “Violence against women: programmatic vulnerability in times of sars-cov-2/covid-19 in São Paulo”. Psicologia e Sociedade, vol. 32, 2020.

CHAGAS, E. R. et al. “Mortalidade por violência contra mulheres antes e durante a pandemia de Covid-19. Ceará, 2014 a 2020”. Saúde em Debate, vol. 46, n. 132, 2022.

CHEUNG, G. W.; RENSVOLD, R. B. “Evaluating Goodness-of-Fit Indexes for Testing Measurement Invariance”. Structural Equation Modeling: A Multidisciplinary Journal, vol. 9, n. 2, 2002.

COHEN, J. “The Concepts of Power Analysis”. In: COHEN, J. (ed.). Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences. New York: Academic Press, 1977.

DELACRE, M.; LAKENS, D.; LEYS, C. “Why psychologists should by default use Welch’s t-test instead of student’s t-test”. International Review of Social Psychology, vol. 30, 2017.

DISTEFANO, C; MORGAN, G. B. “A Comparison of Diagonal Weighted Least Squares Robust Estimation Techniques for Ordinal Data”. Structural Equation Modeling: A Multidisciplinary Journal, vol. 21, n. 3, 2014.

DUNN, T. J.; BAGULEY, T.; BRUNSDEN, V. “From alpha to omega: A practical solution to the pervasive problem of internal consistency estimation”. British Journal of Psychology, vol. 105, 2014.

FARIAS, R. C. F.; MARIANO, N. F. “Violência doméstica entre graduandas de medicina”. Brazilian Journal of Health Review, vol. 3, n. 5, 2020.

FBSP - Fórum Brasileiro De Segurança Pública. Nota Técnica: Violência doméstica durante a pandemia de COVID-19. São Paulo: FBSP, 2020. Disponível em: . Acesso em: 13/01/2024.

GARCIA-MORENO, C. et al. Estudo Multi-Países da OMS sobre Saúde da Mulher e Violência Doméstica Contra a Mulher: resultados iniciais sobre prevalência, resultados de saúde e resposta das mulheres. Genebra: OMS, 2005.

GUIMARÃES, S. S. et al. “Isolamento social, proteção à saúde e risco para violência durante a pandemia de COVID-19”. Psicologia Argumento, vol. 39, n. 104, 2021.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Editora Bookman, 2009.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo Demográfico de 2022. Montes Claros: IBGE. Disponível em: . Acesso em: 25/01/2024.

KALKBRENNER, M. T. “Alpha, Omega, and H Internal Consistency Reliability Estimates: Reviewing These Options and When to Use Them”. Counseling Outcome Research and Evaluation, vol 1, 2021.

LEITE, F. M. C. et al. “Intimate partner violence against women during covid-19: A population-based study in Vitória, state of Espírito Santo, Brazil”. PLoS ONE, vol. 18.n. 12, 2023.

LENHARD, W.; LENHARD, A. “Computation of Effect Sizes“. Research Gate [2017]. Disponível em: . Acesso em: 23/01/2024.

LI, C. H. “Confirmatory factor analysis with ordinal data: Comparing robust maximum likelihood and diagonally weighted least squares”. Behavior Research Methods, vol. 48, n. 3, 2016.

LOSSO, E. N. et al. “Violência contra as mulheres em tempos de pandemia da Covid-19 em um município paranaense”. Brazilian Journal of Development, vol. 8. n. 12, 2022.

MADALOZ, R. F. et al. “Da dor à dignidade: uma leitura crítica das histórias de vida de mulheres que superaram a violência doméstica”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 16, n. 47, 2023.

MARQUES, E. S. et al. “Violência contra mulheres, crianças e adolescentes durante a pandemia da COVID-19: panorama, fatores contribuintes e medidas de mitigação”. Cadernos de Saúde Pública, vol. 36, n. 4, 2020.

MENEGHEL, S. N. et al. “Feminicídios: Estudo em capitais e municípios brasileiros de grande porte populacional”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 22, n. 9, 2017.

MOREIRA, L. E. et al. “Women in a pandemic context: A theoretical-political essay about house and warfare”. Psicologia e Sociedade, vol. 32, 2020.

NYBERGH, L.; TAFT, C.; KRANTZ, G. “Psychometric properties of the WHO Violence Against Women instrument in a female population-based sample in Sweden: a cross-sectional survey”. BMJ Open, vol. 3, 2013.

OLIVEIRA, B. S.; NASCIMENTO, F. L. “Pandemia da COVID-19 e a violência doméstica no Brasil e em Roraima”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 5, n. 10, 2020.

OLIVEIRA, M. V. J. et al. “Análise temporal das agressões físicas contra a mulher sob a perspectiva da odontologia legal na cidade de Fortaleza, Ceará”. Revista Brasileira de Odontologia Legal, vol. 6, n. 3, 2019.

OPAS - Organização Pan-Americana de Saúde. COVID-19 e a violência contra a mulher: o que o setor/sistema de saúde pode fazer. Genebra: OPAS, 2020. Disponível em: . Acesso em: 25/01/2024.

OSTADTAGHIZADEH, A. et al. “Gender-based violence against women during the COVID-19 pandemic: recommendations for future”. BMC Women’s Health, vol. 23, n. 1, 2023.

PADILHA, L. et al. “Caracterização dos casos de violência contra a mulher em tempos de pandemia por Covid-19 em um município do sudoeste do Paraná”. Revista de Ciências Humanas da UNIPAR, vol. 26, n. 3, 2022.

PASQUALI, L. “Psychometrics”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 43, 2009.

PETRILLO, J. et al. “Using Classical Test Theory, Item Response Theory, and Rasch Measurement Theory to Evaluate Patient-Reported Outcome Measures: A Comparison of Worked Examples”. Value in Health, vol. 18, n. 1, 2015.

RICHARDSON, J. T. E. “Eta squared and partial eta squared as measures of effect size in educational research”. Educational Research Review, vol. 6, n. 2, 2011.

SANTOS, I. B. et al. “Violence against women in life: Study among primary care users”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 2, 2020.

SCHRAIBER, L. B. et al. “Validade do instrumento WHO VAW STUDY para estimar violência de gênero contra a mulher”. Revista Saúde Pública, vol. 4, n. 44, 2010.

SILVA, A. F. et al. “Marital violence precipitating/ intensifying elements during the covid-19 pandemic”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 25, 2020.

SILVA, N. N. Amostragem Probabilística: um curso introdutório. São Paulo: Editora da USP, 2001.

VASCONCELOS, N. M. et al. “Prevalence and factors associated with intimate partner violence against adult women in Brazil: National Survey of Health, 2019”. Revista Brasileira de Epidemiologia, vol. 24, 2021.