UNINDO CONTABILIDADE E SERIOUS GAME: EXPLORANDO ALTERNATIVAS EM MOBILE LEARNING E ANALISANDO A EXPERIÊNCIA DOS DISCENTES

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Lindomar Júnior Fonseca Alves
Carlos Alberto Diehl
Ana Maria Marques Palagi
Neusa Piacentini

Resumo

As mudanças nas dinâmicas sociais demandam esforços na busca de alternativas para aprimorar os processos de ensino e aprendizagem no ensino tecnológico. Nesse contexto, o objetivo desta pesquisa foi avaliar a experiência dos estudantes no uso de Serious Games no ensino de conteúdos práticos de contabilidade, com foco particular em dispositivos móveis, empregando a Teoria do Flow como lente teórica. O estudo foi realizado em um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, localizado no Estado do Rio Grande do Sul. Foi adotado o método de pesquisa Design Science Research. O procedimento de coleta dos dados ocorreu por meio do questionário Model for the Evaluation of Educational GAmes (MEEGA+). A análise envolveu a determinação de medianas para as respostas dos participantes, utilizando a escala Likert. Entre os achados, destaca-se o não atingimento do "Estado de Flow", que é o cerne da teoria utilizada. Isso pode ser explicado, em parte, pela limitada disponibilidade de Serious Games e pelas falhas operacionais relatadas. No entanto, é importante mencionar que os alunos avaliaram positivamente a experiência, destacando a relevância do conteúdo e a percepção de aprendizado proporcionada pelo Serious Game. Esta pesquisa sugere que, apesar das críticas descritas, os Serious Games são uma alternativa viável para o ensino de contabilidade, destacando a importância da adaptação das práticas pedagógicas às demandas dos alunos hiperconectados. Esta pesquisa contribui de maneira tripla. Primeiro, fornece novas evidências sobre a aceitação de novas tecnologias de aprendizagem pelos estudantes do ensino tecnológico. Segundo, preenche uma lacuna em âmbito nacional, uma vez que não foram encontradas pesquisas similares no país. Terceiro, se diferencia de estudos internacionais ao adotar a Teoria do Flow como lente teórica, indo além da descrição de casos e resultados, como analisado em estudos anteriores.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ALVES, L. J. F.; DIEHL, C. A.; PALAGI, A. M. M.; PIACENTINI, N. UNINDO CONTABILIDADE E SERIOUS GAME: EXPLORANDO ALTERNATIVAS EM MOBILE LEARNING E ANALISANDO A EXPERIÊNCIA DOS DISCENTES. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 575–591, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10595711. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3194. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

AJAYI, A.; AYO, C. K.; OLAMIDE, O. “Mobile learning and accounting students' readiness in tertiary and professional institutions in Nigeria”. Cogent Arts and Humanities, vol. 6, n. 1, 2019.

BURKE, P. F. et al. “Improving mobile learning in secondary mathematics and science: Listening to students”. Journal of Computer-Assisted Learning, vol. 38, n. 1, 2022.

CHENG, G.; SHAO, Y. “Influencing factors of accounting practitioners' acceptance of mobile learning”. International Journal of Emerging Technologies in Learning, vol. 17, n. 1, 2022.

CSIKSZENTMIHALYI, M. “Teoria do Flow, pesquisa e aplicações”. ComCiência, n. 161, 2014.

CSIKSZENTMIHALYI, M. A descoberta do fluxo: a psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1999.

HERRADOR-ALCAIDE, T. C.; HERNÁNDEZ-SOLÍS, M.; HONTORIA, J. F. “Online learning tools in the era of mobile learning: utility and attitudes in accounting college students”. Sustainability, vol. 12, n. 12, 2020.

HEVNER, A. R.; VOM BROCKE, J. “A proficiency model for Design Science Research Education”. Journal of Information Systems Education, vol. 34, n. 3, 2023.

KAO, M. C.; YUAN, Y. H.; WANG, Y. X. “The study on designed gamified mobile learning model to assess students' learning outcome of accounting education”. Heliyon, vol. 9, n. 2, 2023.

KEMPARAJ, U.; CHAVAN, S. “Qualitative research: a brief description”. Indian Journal of Medical Sciences, vol. 67, n. 3, 2013.

KING, C. et al. “Integrating a mobile-based gaming application into a postsecondary forest ecology course”. Natural Sciences Education, vol. 43, n. 1, 2014

KUECHLER, W.; VAISHNAVI, V. “A framework for theory development in Design Science Research: multiple perspectives”. Journal of the Association for Information Systems, vol. 13, n. 6, 2012.

LAM, J.; CHAN, R. K. H; YAN, K. Y. K. “A report on the online learning experience of students in accounting course”. International Journal of Services and Standards, vol. 10, n. 4, 2015.

LIMA, T. B et al. “Aplicação de sala de aula invertida e de tecnologias digitais na educação profissional”. Boletim de Conjuntura, vol. 13, n. 39, 2023.

MALAQUIAS, R. F. et al. “The use of a Serious Game and academic performance of undergraduate accounting students: an empirical analysis”. Turkish Online Journal of Distance Education, vol. 19, n. 2, 2018.

MIRANDA, G. J. et al. “A pesquisa em educação contábil: produção científica e preferências de doutores no período de 2005 a 2009”. Revista Contabilidade e Finanças, vol. 24, 2013.

MOORTHY, K. et al. “Habit and hedonic motivation are the strongest influences in mobile learning behaviours among higher education students in Malaysia”. Australasian Journal of Educational Technology, vol. 35, n. 4, 2019.

MORENO, J.; ÁLVAREZ, J. “Mobile videogame as a didactic strategy to facilitate college adjustment”. Formación Universitaria, vol. 13, n. 1, 2020.

MÜLBERT, A. L.; PEREIRA, A. T. C. “Processo de pesquisa adaptado para a investigação em inovação em educação a distância segundo a abordagem design-based research”. Revista Tecnologia da Informação e Comunicação: Teoria e Prática, vol. 1, n. 1, 2017.

PETRI, G.; VON WANGENHEIM, C. G.; BORGATTO, A. F. “MEEGA+, Systematic Model to Evaluate Educational Games”. In: LEE, N. (ed.). Encyclopedia of Computer Graphics and Games. Berlin: Springer, 2017.

RICHARDSON, P. et al. “Students' perceptions on using iPods in accounting education: a mobile‐learning experience”. Asian Review of Accounting, vol. 21, n. 1, 2013.

SÁNCHEZ-PRIETO, J. C. et al. “Break the walls! Second-order barriers and the acceptance of mLearning by first-year pre-service teachers”. Computers in Human Behavior, vol. 95, 2019.

SANTOS, S. L.; BAIMA, G.M.; BOTTENTUIT JÚNIOR, J. B. “Aplicativos móveis para aprendizagem de língua inglesa: busuu, duolingo e memrise”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 45, 2023.

SCHLEMMER, E.; OLIVEIRA, L. C.; MENEZES, J. “O habitar do ensinar e do aprender em tempos de pandemia e a virtualidade de uma educação OnLIFE”. Práxis Educacional, vol. 17, n. 45, 2021.

SEOW, P. S.; WONG, S. P. “Using a mobile gaming app to enhance accounting education”. Journal of Education for Business, vol. 91, n. 8, 2016.

SIEDLECKI, S. L. “Understanding descriptive research designs and methods”. Clinical Nurse Specialist, vol. 34, n. 1, 2020.

SILVA, R.; RODRIGUES, R.; LEAL, C. “Games-based learning in accounting education–which dimensions are the most relevant?” Accounting Education, vol. 30, n. 2, 2021.

VENDRAMIN, E. et al. “O que se pesquisa em ensino contábil? Análise do Congresso USP de Contabilidade e Iniciação Científica”. Revista Catarinense da Ciência Contábil, vol. 19, n. 1, 2020.

VIANA, J. A. R; COSTA, M. J. M; MARQUES, S. M. F. “Repensando a cultura escolar na pandemia: uma discussão acerca das implicações emergentes das metodologias ativas”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 37, 2023.

VOSHAAR, J. et al. “The impact of using a mobile app on learning success in accounting education”. Accounting Education, vol. 32, n. 2, 2023.

WANG, N. et al. “Features and influencing factors of mobile learning behavior of employees in accounting profession”. International Journal of Emerging Technologies in Learning, vol. 17, n. 20, 2022.

WESTERA, W. “Simulating Serious Games: a discrete-time computational model based on cognitive Flow theory”. Interactive Learning Environments, vol. 26, n. 4, 2018.

YU, Z. et al. “Effects of mobile learning technologies and social media tools on student engagement and learning outcomes of English learning”. Technology, Pedagogy, and Education, vol. 31, n. 3, 2022.