DESPROTEÇÕES RELACIONAIS – PERCEPÇÕES E ATUAÇÕES DE PROFISSIONAIS DO SUAS COM FOCO EM CONVIVÊNCIAS PROTETIVAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Acileide Cristiane Fernandes Coelho
Daiana Silva de Brito
Maria Inês Gandolfo Conceição

Resumo

O artigo traz como tema a atuação de profissionais do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) com foco na convivência protetiva familiar e comunitária. O objetivo do estudo foi explorar como profissionais do SUAS percebem barreiras e facilitadores para ações relacionadas à segurança de convívio e à prevenção de desproteções relacionais e de contextos de violência que envolvem crianças, adolescentes e suas famílias. A metodologia usada nesta pesquisa foi de abordagem qualitativa-exploratória, com dados coletados a partir de entrevistas semiestruturadas realizadas com dez especialistas que atuam no SUAS. Os dados foram analisados por meio de análise temática em seis fases: familiarização dos dados, codificação, geração de temas, revisão de temas, definição de temas e elaboração de relatório. Os resultados identificados no estudo nos mostram que, diante das desproteções ampliadas pela crise sanitária, é fundamental priorizar políticas públicas com foco nas seguranças sociorrelacionais. Verificou-se que a segurança de acolhida, a escuta qualificada, o vínculo e as ações coletivas são processos importantes que podem gerar relações protetivas e contribuir para identificação de contextos de violência. Para tanto, é preciso garantir a qualificação profissional e investir em melhores condições de trabalho. O presente estudo permitiu levantar aspectos que contribuem para a atuação com foco na ampliação de diálogos sobre a segurança de convívio, sendo relevante para pensarmos caminhos entre a teoria e a prática visando a convivências protetivas.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
COELHO, A. C. F.; BRITO, D. S. de .; CONCEIÇÃO, M. I. G. . DESPROTEÇÕES RELACIONAIS – PERCEPÇÕES E ATUAÇÕES DE PROFISSIONAIS DO SUAS COM FOCO EM CONVIVÊNCIAS PROTETIVAS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 499–528, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10595259. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3191. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ALCÂNTARA, L. M. E.; DUARTE, F. G. “Manifestações das desproteções sociais: relações entre o neoliberalismo e a (des)proteção social”. O Social em Questão, vol. 22, n. 45, 2019.

AVERY A. R. et al. “Differences in Stress and Anxiety Among Women With and Without Children in the Household During the Early Months of the COVID-19 Pandemic”. Frontiers in Public Health, vol. 9, 2021.

BENEDETTI, T. B.; REBESSI, I. P.; NEUFELD, C. B. “Programas de Orientação de Pais em Grupo: Uma Revisão Sistemática”. Revista Psicologia: Teoria e Prática, vol. 22, n. 1, 2020.

BOOTH, A. T. et al. “Child-reported family violence: a systematic review of available instruments”. Trauma, Violence, and Abuse, vol. 0, 2023.

BOSCHETTI, I.; BEHRING, E. R. “Assistência Social na pandemia da covid-19: proteção para quem?” Serviço Social e Sociedade, n. 140, 2021.

BRASIL. Concepção de convivência e fortalecimento de vínculos. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social, 2017. Disponível em: . Acesso em: 05/10/2023.

BRASIL. Política Nacional de Assistência Social. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social, 2004. Disponível em: . Acesso em: 10/07/2023.

BRAUN, V.; CLARKE, V. “Using thematic analysis in psychology”. Qualitative Research in Psychology, vol. 3, n. 2, 2006.

CARRETEIRO, T. C. O. C. “Reflexões sobre adolescências e a complexidade das comunidades de afeto no processo socioeducativo”. Sociedade e Estado, vol. 35, n.1, 2020.

COELHO, A. C. F.; CONCEIÇÃO, M. I. G. “Exclusão sociodigital e desproteção de crianças, adolescentes e famílias em tempos de crise”. Pesquisas e Práticas Psicossociais, vol. 16, n. 2, 2021.

CONCEIÇÃO, M. I. G. “Análise temática: como fazer análise qualitativa de dados qualitativos”. In: SEILD E. M. F. et al. (eds.). Estratégias metodológicas de pesquisa em psicologia clínica: avanços e desafios. Curitiba: CRV, 2021.

COSTA, A. P.; AMADO, J. Análise de conteúdo suportada por software. Aveiro: Ludomedia, 2018.

CRONEMBERGER, I. H. G. M.; TEIXEIRA, S. M. “O sistema de proteção social brasileiro, política de assistência social e a atenção à família”. Pensando Famílias, vol. 19, n. 2, 2015.

CROSSLEY, S. “Realising the (troubled) family, 'crafting the neoliberal state’”. Families, Relationships and Societies, vol. 5, julho, 2016.

ESCUDERO VALLEJO, F. J.; TREJOS JARAMILLO, W. A. “Covid-19 y su relación con la violencia intrafamiliar durante los meses abril a octubre del año 2020”. Latinoamericana de Estudios de Familia, vol. 14, n. 1, 2022.

FONTANA FILHO, M.; PICCOLI, G. R. “Efeitos psicológicos da violência doméstica nas crianças pela lente da psicologia social: o projeto integrador da Unijui”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 12, n. 35, 2022.

GUEST, G. et al. Applied thematic analysis. London: Sage, 2012.

GUIMARÃES, A. P. D.; OLIVEIRA, H.; SILVA, J. M. “Violência relacionada ao trabalho e apropriação da saúde do trabalhador: sofrimento anunciado no Sistema Único de Assistência Social”. Physis: Revista de Saúde Coletiva, vol. 30, n. 2, 2020.

HUANG N. et al. “The prevalences, changes, and related factors of child maltreatment during the COVID-19 pandemic: A systematic review”. Child Abuse and Neglect, vol. 135, 2023.

JACINTO, P. M. S. “Violência e saúde mental na infância e adolescência: um ensaio reflexivo”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 7, n. 19, 2021.

LETTIERE-VIANA, A. et al. “Coping strategies for violence against children, adolescents and women in the contet of social isolation due to COVID-19: scoping review”. Texto e Contexto Enfermagem, vol. 30, 2021.

LIMA, A. E. O.; SANTOS, H.; PAIVA, R. “Políticas públicas para infância: um estudo da condição da criança no Brasil e na Espanha durante a pandemia da Covid-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 12, n. 36, 2022.

LÖSCH, S. S; RAMBO C. A.; FERREIRA J. L. “A pesquisa exploratória na abordagem qualitativa em educação”. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, vol. 18, 2023.

MIOTO, R. C. T.; DAL PRÁ, K. R.; WIESE, M. L. “Política Social e processos de judicialização: Serviços sociais e famílias em foco”. Ser Social, vol. 20, n. 42, 2018

MUSIAL, D. C.; MARCOLINO-GALLI, J. F. “Vulnerabilidade e risco: apontamentos teóricos e aplicabilidade na Política Nacional de Assistência Social. O Social Em Questão, vol. 44, 2019.

OLIVEIRA, S.; GUIMARÃES, O. M.; FERREIRA, J. L. de. “As entrevistas semiestruturadas na pesquisa qualitativa em educação”. Revista Linhas, vol. 24, n. 55, 2023.

RAKOTOMALALA V. T. S. S. et al. “A mapping of parenting support policies worldwide to prevent violence against children”. Child Abuse and Neglect, vol. 146, 2023.

REINACH, S.; BARROS, B. W. “O aumento da violência contra crianças e adolescentes no Brasil em 2022”. Anais do XVII Anuário Brasileiro de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2023.

SANTOS, M. P. A. et al. “População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde”. Estudos Avançados, vol. 34, 2020.

SENHORAS, C. A. B. M. “Dimensionamento da violência contra a criança e o adolescente no Brasil”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 1, n. 1, 2020a.

SENHORAS, C. A. B. M. “Tipologia da violência contra a criança e o adolescente no Brasil”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 1, n. 2, 2020b.

SILVA, J. L.; BARROS, W. C. T. S. “Evidence on the impacts of COVID-19 pandemic on violence against children: scoping review”. Texto e Contexto Enfermagem, vol. 30, 2021.

SPOSATI, A. O. “Modelo brasileiro de proteção social não contributiva: concepções fundantes”. In: UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Concepção e gestão da proteção social não contributiva no Brasil. Brasília: Unesco, 2009.

TORRES, A. S.; FERREIRA S. S. “Trabalho Profissional: Responsabilidade de Proteção Nos Serviços Socioassistenciais”. O Social em Questão, n. 45, 2019.

TRENT, M.; DOOLEY, D. G.; DOUGÉ, J. “The impact of racism on child and adolescent health”. Pediatrics, vol. 144, n.2, 2019.

VIKANDER, M.; KÄLLSTRÖM, A. “What children exposed to domestic violence value when meeting social workers: A practice-oriented systematic research review”. Child and Family Social Work, vol, n. 1, 29, 2024.

VINUTO, J. “A amostragem em bola de neve na pesquisa qualitativa: um debate em aberto”. Temáticas, vol. 22, 2014.

WHO - World Health Organization. “Global Status Report on Preventing Violence Against Children”. World Health Organization [2020]. Disponível em: < https://www.who.int> Acesso em: 15/01/2024.

ZAMBRANO-VILLALBA, C.; SÁNCHEZ-MEDINA, R. “Relaciones interpersonales y violencia en el sistema familiar en confinamiento por COVID 19 en América Latina: revisión sistemática”. Revista Eleuthera, vol. 24, 2022.