FAKE NEWS, SAÚDE E CAMPANHAS DE VACINAÇÃO CONTRA O SARAMPO: REVISÃO CONCEITUAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Adriane Fatima De Boni
Airton Adelar Mueller
Aline Benso
Renata Torres de Sene

Resumo

O tema das notícias falsas (fake news) tornou-se popular em meados da segunda década do século XXI. Seus significados, origens e impactos sociais são, todavia, ainda um fenômeno de baixa inteligibilidade, até mesmo nos meios acadêmicos.  Isto posto, este estudo tem como objetivo apresentar uma revisão conceitual sobre a temática das notícias falsas relacionadas à saúde e campanhas de vacinação, sobretudo, ao sarampo. Para o estudo deste complexo fenômeno utilizou-se como metodologia a pesquisa bibliográfica. Empreendeu-se, particularmente, uma revisão narrativa da literatura. Como resultados apresenta-se, primeiramente, as raízes históricas das notícias falsas propriamente ditas (fake news). Em seguida, distingue-se o conceito de fake news de outros similares, como pós-verdade e desinformação. Na sequência, problematiza-se o surgimento da comunicação online e sua relação com as notícias falsas, situando-o no âmbito de transformações na esfera da comunicação social contemporânea. Aponta-se, também, elementos que permitem identificar associações entre fake news e a área da saúde, sobretudo, as campanhas de vacinação contra o sarampo. Por fim, traz-se possíveis respostas para o problema, a partir de contribuições recentes de entidades e grupos de combate à desinformação. O estudo concluiu que resistências à política de imunização vêm sendo desencadeadas e infladas por meio de fake News, o que, portanto, evidencia certa urgência em regulamentar as atividades desempenhadas nos ambientes virtuais.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DE BONI, A. F. .; MUELLER, A. A.; BENSO, A. .; SENE, R. T. de . FAKE NEWS, SAÚDE E CAMPANHAS DE VACINAÇÃO CONTRA O SARAMPO: REVISÃO CONCEITUAL. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 321–347, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10558773. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/3111. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ALLCOTT, H.; GENTZKOW, M. “Social media and fake news in the 2016 election”. Journal of Economic Perspectives, vol. 31, n. 2, 2017.

ANDERSON, C.W.; BELL, E.; SHIRKY, C. “Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tempos”. Revista de Jornalismo ESPM, n. 5, 2013.

ARAÚJO, J. I. F. et al. “Hesitação vacinal em adultos no enfrentamento da covid-19: argumentos de quem hesita”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 16, n. 47, 2023.

AUGUSTO, O. “Fake news ameaçam vacinação”. Correio Braziliense, n. 20157, 2018.

BOUNEGRU, L. et al. Field Guide to 'Fake News' and Other Information Disorders. Amsterdam: Public Data Lab, 2018.

BRASIL. “Saúde sem Fake News”. Gov.br [2019]. Disponível em: . Acesso em: 08/08/2023.

BRAZ, R. “Queda da cobertura vacinal contra sarampo evidencia falhas na política de saúde”. Drauzio Varella [2020]. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2023.

BRONIATOWSKI, D. A. et al. “Weaponized Health Communication: Twitter Bots and Russian Trolls Amplify the Vaccine Debate”. American Journal of Public Health, vol. 108, n. 10, 2018.

BROWN, A. L. et al. “Vaccine confidence and hesitancy in Brazil”. Caderno de Saúde Pública, vol. 34, n. 9, 2018.

BUCCI, E. “‘Fake news’, eleições e democracia: O vírus das notícias fraudulentas prepara o caldo de cultura do autoritarismo”. O Estado de São Paulo [2018]. Disponível em: . Acesso em: 03/12/2023.

CAMPOS, L. “O que são Fake News?”. Brasil Escola [2018]. Disponível em: . Acesso em: 23/05/2023.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1999.

CASTILHO, C. “Apertem os cintos: estamos entrando na era da pós verdade”. Observatório da Imprensa [2016]. Disponível em: . Acesso em: 14/11/2023.

CAVACA, A. G. et al. “‘Valor-saúde’: critérios epidemiológicos potenciais para a comunicação e saúde”. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, vol. 12, n. 1, 2018.

CHRISTOFOLETTTI, R. “Padrões de manipulação no jornalismo brasileiro: fake news e a crítica de Perseu Abramo 30 anos depois”. Revista Rumores, vol. 12, n. 23, 2018.

COSTA, O. B. R. “Onde estamos? considerações sobre a modernidade, negacionismo, ciência e a covid-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 3, n. 8, 2020.

D’ANCONA, M. Pós-verdade: a nova guerra contra os fatos em tempos de Fake News. Barueri: Faro Editorial, 2018.

DALMAZO, C.; VALENTE, J. C. L. “Fake news nas redes sociais online: propagação e reações à desinformação em busca de cliques”. Media e Jornalismo, vol. 18, n. 32, 2018.

DAVENPORT, L. “Aumento das fake news põe em risco os pacientes com câncer”. Medscape [2018]. Disponível em: . Acesso em: 03/12/2023.

DRESCH, L. S. C. et al. “Fake news e vacinas na era ‘pós-verdade’”. Tempus, Actas de Saúde Coletiva, vol. 14, n. 2, 2020.

ELIAS, C. S. et al. “Quando chega o fim? Uma revisão narrativa sobre terminalidade do período escolar para alunos deficientes mentais”. SMAD: Revista Electrónica en Salud Mental, Alcohol y Drogas, vol. 8, n. 1, 2012.

FALLIS, D. “What is disinformation?” Library Trends, vol. 63, n. 3, 2015.

FAUSTO NETO, A. “Midiatização, prática social - prática de sentido”. Anais do XV Encontro Anual da COMPÓS. Bauru: UNESP, 2006.

FIGUEIREDO A. et al. “Mapping global trends in vaccine confidence and investigating barriers to vaccine uptake: a large-scale retrospective temporal modelling study”. Lancet, vol. 396, 2020.

FISCHER, M. “Uma grande roubada. Na era do remix e da agregação, fica difícil definir o que é plágio”. Revista de Jornalismo ESPM, n. 13, 2015.

FRUGOLI, A. G. et al. “Fake news sobre vacinas: uma análise sob o modelo dos 3Cs da Organização Mundial da Saúde”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 55, 2021.

GENRO FILHO, A. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Porto Alegre: Editora Tchê, 1989.

GRANEZ, M. S. De Gutenberg ao jornalismo pós-industrial: o percurso do autor no webjornalismo do interior (Tese de Doutorado em Comunicação). Santa Maria: UFSM, 2018.

GRANOVETTER, M. “The strength of weak ties: a network theory revisited”. Sociological Theory, vol. 1, 1983.

GUIMARÃES, S. K.; CUNHA, L. A. G. “Meio Ambiente, Economia e Saúde Coletiva: Uma Conciliação Possível?”. In: SENHORAS, E. M. (org.). Saúde Pública: Contextos da realidade. Boa Vista: Editora IOLE, 2023.

GUROVITZ, H. “O inverno das redes sociais”. G1 [2018]. Disponível em: . Acesso em: 20/12/2023.

GUROVITZ, H. “Verdade, jornalismo e democracia. Parte I: o paradoxo”. G1 [2016]. Disponível em: . Acesso em: 20/12/2023.

HARARI, Y. N. Sapiens: uma breve história da humanidade. Porto Alegre: Editora L&PM, 2020.

HENRIQUES, C. M. P. “A dupla epidemia: febre amarela e desinformação”. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, vol. 12, n. 1, 2018.

HJARVARD, S. “Midiatização: Teorizando a mídia como agente de mudança social e cultural”. Matrizes, vol. 5, n. 2, 2012.

ILLADES, E. Fake News: la nueva realidad. Ciudad de México: Grijalbo, 2018

MACHADO, C. C. V. et al. Ciência contaminada: analisando o contágio de desinformação sobre coronavírus via Youtube. São Paulo: INCT, 2020.

MARDA, V.; MILAN, S. Wisdom of the Crowd: Multistakeholder Perspectives on the Fake News Debate”. Philadelphia: Annenberg School for Communication, 2018.

MARTINS, A. G.; GONSALVES, R.; ESTEVAO, I. R. “Terraplanismo: perspectivas psicanalíticas de um movimento”. Analytica, vol. 11, n. 20, 2022.

MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Editora Cultrix, 1979.

OBJETHOS - Observatório da Ética Jornalística. Guia de Cobertura Ética da Covid-19. Florianópolis: UFSC, 2020.

ONU – Organização das Nações Unidas. “OMS alerta para ‘campanhas de desinformação’ nas redes sociais sobre sarampo”. ONU [2019]. Disponível em: . Acesso em: 04/01/2024.

OPAS - Organização Pan-Americana Da Saúde. “Desinformação alimenta dúvidas sobre vacinas contra a COVID-19, afirma diretora da OPAS”. OPAS [2021]. Disponível em: . Acesso em: 05/01/2024.

OPAS - Organização Pan-Americana Da Saúde. “Entenda a infodemia e a desinformação na luta contra a Covid-19”. OPAS [2020]. Disponível em: . Acesso: 04/01/2024.

PASQUIM, H.; OLIVEIRA, M.; SOARES, C. B. “Fake news sobre drogas: pós-verdade e desinformação”. Saúde e Sociedade, vol. 29, n. 2, 2020.

PAULA, L. T.; BLANCO, Y. A.; SILVA, T. R. S. “Pós-verdade e fontes de informação: um estudo sobre fake news”. Revista Conhecimento em Ação, vol. 2, n. 1, 2018.

POSETTI, J.; BONTCHEVA, K. Disinfodemic: Deciphering COVID-19 disinformation. Paris: Unesco, 2020.

RECUERO, R. “Redes sociais na internet, difusão de informação e jornalismo: elementos para discussão”. Raquel Recuero [2009]. Disponível em: . Acesso em: 03/12/2023.

RÊGO, A. R. “O mercado da desinformação ganha aliados com a tecnologia deepfake”. Nujoc Checagem [2020]. Disponível em: . Acesso em: 02/09/2023.

ROBERTS, H. J. et al. “The Chinese approach to artificial intelligence: An analysis of policy, ethics, and regulation”. AI and Society, vol. 36, n. 1, 2021.

ROTHER, E. T. “Revisão sistemática x revisão narrativa”. Acta Paulista de Enfermagem, vol. 20, n. 2, 2007.

SACRAMENTO, I.; PAIVA, R. “Fake news, WhatsApp e a vacinação contra febre amarela no Brasil”. Matrizes, vol. 14, n. 1, 2020.

SANTOS-D’AMORIM, K.; MIRANDA, M. F. O. “Informação incorreta, desinformação e má informação: Esclarecendo definições e exemplos em tempos de desinfodemia”. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, vol. 26, 2021.

SENHORAS, E. M. (org.). Saúde Pública: Contextos da realidade. Boa Vista: Editora IOLE, 2023.

SHAO, C. et al. “The spread of misinformation by social bots”. ArXiv, 2017.

SILVA, M. P. Produção, Comunicação e Representação do Conhecimento e da Informação. Ponta Grossa: Atena Editora, 2020.

SOUZA, J. P. Teorias da notícia e do jornalismo. Chapecó: Editora Argos, 2002.

SPINELLI, E. M.; SANTOS, J. A. “Jornalismo na Era da Pós-verdade: fact-checking como ferramenta de combate às fake News”. Revista Observatório, vol. 4, n. 3, 2018.

THE ECONOMIST. “Once considered a boom to democracy, social media have started to look like its nemesis”. The Economist [2017]. Disponível em: . Acesso em: 03/12/2023.

TWOREK, H.; LEERSSEN, P. “An Analysis of Germany’s NetzDG Law”. Institute for Information Law [2019]. Disponível em: . Acesso em: 28/12/23.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Jornalismo, fake news e desinformação: manual para educação e treinamento em jornalismo. Paris: Unesco, 2019.

VASCONCELLOS-SILVA, P. R.; CASTIEL, L. D.; GRIEP, R. H. “A sociedade de risco midiatizada, o movimento antivacinação e o risco de autismo”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 20, n. 2, 2015.

VIEIRA, L. M. V.; SILVA, N. R.; CORDEIRO, D. F. “Análise descritiva das fake news da saúde através de mineração de textos no Portal da Saúde”. Anais do XXI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Centro-Oeste. Goiânia: Intercom, 2019.

VOSGERAU, D. S. A. R.; ROMANOWSKI, J. P. “Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas”. Revista de Diálogo Educacional, vol.14, n. 41, 2014.

WISCHMEYER, T. “‘What is Illegal Offline is Also Illegal Online’ – The German Network Enforcement Act 2017”. In: PETKOVA, B.; OJANEN, T. Fundamental Rights Protection Online: The Future Regulation of Intermediaries. New York: SSRN, 2019.

WOLF, M. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença, 1984.

XAVIER, A. N. de O. et al. “Comunicação Digital da Saúde Pública no Brasil: Leitura de Gênero, Idade e Etnia nas Campanhas Publicitárias de Saúde”. In: SENHORAS, E. M. (org.). Saúde Pública: Agendas Multidisciplinares. Boa Vista: Editora IOLE, 2023.