OS DESEJOS PARA A VIDA: O QUE DIZEM OS JOVENS E ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE PERIFERIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eliéte Zanelato
Sônia da Cunha Urt

Resumo

O presente trabalho objetiva interpretar os desejos para a vida, de jovens e adolescentes, verificando suas relações contraditórias com a atividade de estudo vivenciada no Ensino Médio em escolas de periferia. A fundamentação teórica para as discussões se pauta na Psicologia Histórico-Cultural e na Teoria da Atividade, as quais compreendem os desejos como reguladores e motivadores do aparecimento e desaparecimento de necessidades. Estas, por sua vez, podem gerar o motivo que impulsiona a atividade humana. Os dados foram coletados em 2018, em duas escolas de uma cidade de Mato Grosso do Sul e em duas escolas de uma cidade de Rondônia. Foi utilizado os resultados obtidos a partir do questionário escrito, o qual teve como abrangência 335 estudantes que frequentavam do 1º ao 3º ano do Ensino Médio. Os desejos apresentados foram classificados em 13 eixos, desses, os mais citados estavam relacionados a “faculdade e/ou trabalho futuro” e o menos citado direcionado a obtenção de conhecimentos. De forma geral, compreende-se que se trata de estudantes da classe trabalhadora que desejam principalmente um emprego e/ou uma faculdade que direcione para um emprego (23%) e que com o seu salário seja possível manter uma estabilidade financeira (7%) capaz de proporcionar a compra de uma casa e de um carro (bens materiais - 12%), como também possuir bem-estar pessoal e social (15%). As particularidades da atividade de estudo oferecida nas escolas de periferia os direcionam para a adaptação ao mercado de trabalho flexível, o qual necessita de indivíduos com capacidades socioemocionais de sobreviver as condições precárias de empregabilidade, não ao trabalho como categoria constitutiva do gênero humano/ser social.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
ZANELATO, E.; URT, S. da C. . OS DESEJOS PARA A VIDA: O QUE DIZEM OS JOVENS E ADOLESCENTES DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE PERIFERIA: . Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 17, n. 49, p. 23–37, 2024. DOI: 10.5281/zenodo.10474104. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2993. Acesso em: 26 fev. 2024.
Seção
Ensaios

Referências

ANJOS, R. E. “The school education of adolescents and the formation of self-awareness”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 43, 2023.

BERENCHTEIN NETTO, N. B. Suicídio: uma análise psicossocial a partir do materialismo histórico-dialético (Dissertação de Mestrado em Psicologia). São Paulo: PUC-SP, 2007.

DAVIDOV, V. V. “Uma nova abordagem para a interpretação da estrutura e do conteúdo da atividade. Trad. José Carlos Libâneo”. In: HEDEGARD, M.; JENSEN, U. J. Activity theory and social practice: cultural historical approaches. Aarhus: Aarthus University Press, 1999.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Editora Expressão Popular, 2018.

FRIGOTTO, G. “A educação é um dos serviços mais lucrativos”. Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra [2015]. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Rendimento de todas as fontes 2018. Brasília: IBGE, 2019a. Disponível em: . Acesso em: 12/09/2023.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Outras formas de trabalho 2018. 2019b. Disponível em: . Acesso em: 10/09/2023.

KUENZER, A. Z. “Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível”. Educação e Sociedade, vol. 38, n. 139, 2017.

LEONTIEV, A. N. “The intellectual development of the child”. In: WINN, R. (ed.). Soviet Psychology: a symposium. New York: Philosophical Library, 1961.

LEONTIEV, A. N. Atividade, Consciência, Personalidade. Bauru: Editora Mireveja, 2021.

MARX, K. Sobre o suicídio. São Paulo: Editora Boitempo, 2006.

PERONI, V. “Implicações da relação público-privada para a democratização da educação no Brasil”. In: PERONI, V. (org.). Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado na educação. São Leopoldo: Editora Oikos, 2015.

PERONI, V. M. V. “Múltiplas formas de materialização do privado na educação básica pública no brasil: sujeitos e conteúdo da proposta”. Currículo sem Fronteiras, vol. 18, n. 1, 2018.

PERONI, V.; OLIVEIRA, C. M. B. “O marco regulatório e as parcerias público-privadas no contexto educacional”. Revista Práxis Educacional, vol. 15, n. 31, 2019.

SAVIANI, D. Escola e democracia. Campinas: Editora Autores Associados, 2021.

SOLOVIEVA, Y. et al. “La postura histórico-cultural de Vigotsky no es constructivista”. Ciencia Ergo-Sum, vol. 29, n. 2, 2022.

STANGUE, R. K.; CASTRO, R. F.; SOUSA, A. S. “Control and improvement of punctuation in academic writing: a pedagogical intervention with teachers under formation at Ariquemes/RO”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 41, 2023.

ZANELATO, E.; URT, S. C. “A atividade pedagógica para adolescentes: contribuições da psicologia histórico-cultural”. Psicologia em Estudo, vol. 26, 2021.