A ROSA DO DESERTO UTILIZADA COMO FERRAMENTA DO ENSINO DE BOTÂNICA E DA PRÁTICA DOCENTE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rubens Pessoa de Barros
Rubens Correia Silva
Otavio Rodrigues dos Santos
Jhonatan David Santos das Neves

Resumo

O ensino pela pesquisa produz conhecimentos de biologia, especialmente em botânica, sendo um reflexo da prática docente e pode ser prejudicada não somente pela falta de estímulo em observar e interagir com as plantas e suas partes, mas pela ausência de condições básicas que possam auxiliar no aprendizado nas aulas.  O uso da experimentação em Biologia pode ser uma ferramenta que auxilia nesse aprendizado. Este estudo foi realizado com o objetivo de aprender a monitorar o brotamento e a fenologia da rosa do deserto cultivada em vasos com substrato preparado com diferentes doses de fertilizante, para auxiliar na prática docente do futuro professor. A rosa do deserto Adenium obesum (Forssk.) Roem. & Schult. (Apocynaceae). É uma planta popular devido ao seu alto valor ornamental se torna uma importante aliada no ensino de botânica. Existem poucos trabalhos que explorem a melhor forma de propagação vegetativa e desenvolvimento da rosa do deserto. Os procedimentos metodológicos do estudo levaram para a pesquisa experimental com o viés de aplicação da prática pedagógica. Para isso, foi feito um delineamento estatístico com quatro tratamentos e seis repetições utilizando partes da planta (caules com 10 cm). O estudo avaliou as variáveis no crescimento da planta: a) diâmetro do caule – DC; b) Índice de clorofila total – ICT; c) altura – AP; d) número de folhas – NF, e) número de ramos – RM. Os resultados mostraram que a testemunha obteve resultados significativos em comparação com os outros tratamentos. Os resultados experimentais indicaram que as doses utilizadas não influenciaram no desenvolvimento fenológico da planta. Infere-se que a rosa do deserto no cultivo em vaso desse estudo e nas condições de solo e substrato com as doses de fertilizantes não indicou um incremento vegetativo com significância. O estudo conclui que o uso da planta como modelo biológico, é muito importante para auxiliar nas aulas de botânica e melhorar a prática docente e uso das metodologias ativas do ensino de botânica. Para a formação docente inicial, esta prática experimental pode ser realizada de forma independente e adequada para qualquer curso de biologia.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
BARROS, R. P. de .; SILVA, R. C.; SANTOS, O. R. dos .; NEVES, J. D. S. das . A ROSA DO DESERTO UTILIZADA COMO FERRAMENTA DO ENSINO DE BOTÂNICA E DA PRÁTICA DOCENTE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 585–597, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10056206. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2409. Acesso em: 1 mar. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ANACLETO, A.; BUENO, R. S. “Germinação e sobrevivência de Adenium obdesum (forssk.) (Rosa do Deserto Apocynaceae) em diferentes substratos”. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, vol. 14, n. 4, 2021.

BARROZO JUNIOR, L. R. B. Cultivo de rosa do deserto em diferentes substratos (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Agronomia). Fortaleza: UFC, 2017.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: . Acesso em: 17/10/2023.

CAMARGO, F. D. T. The innovative classroom: pedagogical strategies to foster active learning. Porto Alegre: Editora Penso, 2018.

DAL-FARRA, R. A. “Teacher Education in Brazil”. In: OXFORD UNIVERSITY. Oxford Research Encyclopedia of Education. Oxford: Oxford University Press, 2022.

FEITOSA, W. G.; DAL-FARRA, R. A. “A perspectiva de docentes sobre o interesse de estudantes do 1º ano do ensino médio nas áreas de engenharia e tecnologia”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol.15, n. 45, 2023.

FERREIRA, D. F. “Sisvar: A computer statistical analysis system”. Ciência e Agrotecnologia, vol. 35, 2011.

FRANKLIN, D. N.; HARRISON, B. “How prepared do students feel for the quantitative nature of a biological sciences degree?”. Journal of Biological Education, vol. 56, 2022.

FREIRE, P. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2007

HOEHNE, F. C. “Programa instructivo e educativo”. Resenha Histórica, n. 2, 1937.

KATON, G. F.; TOWATA, N.; SAITO, L. C. “A cegueira botânica e o uso de estratégias para o ensino de botânica". In: LOPES, A. M. III Botanica no inverno. São Paulo: Editora da USP, 2013.

LAZARI, T. M.; AZEVEDO, L. F. “Efeito de diferentes substratos no enraizamento e desenvolvimento de estacas de rosa do deserto sob as condições climáticas do Tocantins”. Revista Agri-Environmental Sciences, vol. 4, n. 1, 2018.

MARTÍNEZ RETAMERO, N. M. Investigación sobre la invisibilidad del mundo vegetal en educación infantil: el cuidado de las plantas. (Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Educação Infantil). Granada: Universidad de Granada, 2016.

MARTINS, C. M. C. et al. “As ideias dos estudantes, o ensino de biologia vegetal e o vestibular da UFMG”. Anais do II Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. São Paulo: ABRAPEC, 1999.

MENDES, R. B. et al. Cultivo e Manejo da Rosa-do-Deserto. São José dos Pinhais: Editora Brazilian Journals, 2021.

MENESES, L. C. et al. “Iniciativas para o aprendizado de botânica no ensino médio”. Anais do XI Encontro de Iniciação à Docência. João Pessoa: Editora da UFPB, 2009.

MISKALO, A. L. et al. “Formação docente e inclusão escolar: uma análise a partir das perspectivas dos professores”.Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 41, 2023.

MORGADO, S. F. A horta escolar na educação ambiental e alimentar: experiência do Projeto Horta Viva nas escolas municipais de Florianópolis. (Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação em Agronomia): Florianópolis: UFSC, 2006.

MOURA, G. R. S. et al. “O ensino de Ciências na 5ª série e 6ª série da Escola Fundamental”. Educação em Ciências: da Pesquisa à Prática Docente, n. 3, 2001.

NASCIMENTO, B. M. et al. “Propostas pedagógicas para o ensino de botânica nas aulas de ciências: diminuindo entraves”. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, vol. 16, n. 2, 2017.

NICOLE, L. et al. “Using model organisms in an undergraduate laboratory to link genotype, phenotype, and the environment”. Journal of Biological Education, vol. 47, 2013.

OLIVEIRA, L. T. et al. “Jardim Didático como Ferramenta Educacional para Aulas de Botânica no IFRN”. Holos, vol. 4, 2012.

PÉREZ, E. R. et al. “La magia de las plantas: combatiendo la ceguera vegetal en la comunidad El Orito, Zacatecas. México”. Anais do Congresso Latino Americano de Botânica. Salvador: Sociedade Brasileira de Botânica, 2014.

PRICE, J. A.; OLVER, J. “Introducing nematodes and the use of model organisms: a practical class for undergraduate students”. Journal of Biological Education, vol. 57, 2023.

REISS, M. J. “Biology education – progress or retreat?”. Journal of Biological Education, vol. 54, 2020.

RENGEL, J. D. B. Uma nova perspectiva no ensino de Botânica: a Fenomenologia de Goethe aplicada ao ensino de Botânica (Dissertação de Mestrado em Formação Científica, Educacional e Tecnológica). Curitiba: UTFPR, 2018.

SACK, J. D. “Biology Simulations”. The American Biology Teacher, vol. 85, 2023.

SANGLARD, L. F. et al. “Active teaching methodologies in health education”. RGO, Rev Gaúch Odontol, vol. 70, 2022.

SANTOS, D. Y. A. C.; CECCANTINI, G. Propostas para o ensino de Botânica: manual do curso para atualização de professores dos ensinos fundamental e médio. São Paulo: Editora da USP, 2004.

SANTOS, M. M. et al. “Tecnologias para produção de mudas de rosa do deserto (Adenium obesum)”. Multi Science Journal, 2015.

SENNBLAD, B.; BREMER, B. “Classification of apocynaceae s.l. According to a New Approach Combining Linnaean and Phylogenetic Taxonomy”. Systematic Biology, vol. 51, n. 3, 2002.

SILVA, A. B. et al. “Germinação e desenvolvimento inicial de rosa do deserto em diferentes substratos”. Journal of Environmental Analysis and Progress. 2022

SOARES, A. N. R. et al. “Emergência de sementes de nim em função da maturidade fisiológica e do substrato”. Embrapa Tabuleiros Costeiros, vol. 13, n. 1, 2015.

STAKE, R. E. The art of case study research. Thousand Oaks: Sage, 1995.

TALUKDAR, T. “Development of nacl-tolerant line in an endangered ornamental, Adenium multiflorum Klotzsch through in vitro selection”. International Journal of Recent Scientifc Research, vol. 3, n. 10, 2012.

TASSA, K. O. M. et al. “Educação inclusiva e o curso de formação de docentes: desafios e relatos de experiência”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 14, n. 41, 2023

TORRES, J. P.; MARCIANO, R. H. R. “Formação de professores: desenhando uma disciplina inclusiva a partir do Desenho Universal para a Aprendizagem”. Revista Docência do Ensino Superior, vol. 12, 2022.

VIOLA, M. G. Estudo sobre a concepção de flor para educandos de uma escola estadual de educação básica em Porto Alegre (Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências). Porto Alegre: UFRGS. 2011.