TRICOTILOMANIA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Bárbara Battistotti Vieira
Henrique Cabral Furcin
Regina Basso Zanon

Resumo

A Tricotilomania é um transtorno que se caracteriza pelo ato repetitivo e compulsivo de arrancar cabelos ou pelos, resultando em prejuízos físicos e funcionais. A literatura mostra que indivíduos com tricotilomania podem considerar que os profissionais de saúde não estão capacitados ou bem informados para ajudá-los, o que pode gerar vergonha e uma baixa procura por ajuda especializada. O conhecimento sobre como o transtorno é visto e tratado em cada contexto sociocultural é importante, podendo fundamentar o desenvolvimento de estratégias e de políticas que respeitem as especificidades dessa população. O presente trabalho tem como objetivo analisar as produções científicas brasileiras sobre a tricotilomania, com vistas a sistematizar os principais resultados das mesmas em relação às compreensões e tratamentos para o transtorno disponíveis no país. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, sendo que 24 artigos atenderam os critérios de inclusão e foram analisados qualitativa e quantitativamente. A análise dos artigos na íntegra mostrou que, no Brasil, os principais tratamentos  para tricotilomania relatados na literatura são farmacológicos e as pesquisas se concentram no período entre 2002 e 2012. A maioria dos estudos (91,66%) são da área médica (Psiquiatria e Dermatologia). Dada a importância de um trabalho interdisciplinar no tratamento da tricotilomania, indica-se a necessidade de maior dedicação da Psicologia na investigação científica sobre tricotilomania, em especial na exploração das potencialidades da Terapia Cognitivo-Comportamental, considerando que a psicoterapia vem apresentando resultados mais promissores no tratamento dos sintomas da tricotilomania do que os tratamentos farmacológicos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
VIEIRA, B. B.; FURCIN, H. C.; ZANON, R. B. TRICOTILOMANIA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA LITERATURA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 500–515, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10049265. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2402. Acesso em: 1 mar. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ANDRÉ, P. et al. “Trichotillomania - Psychopathological correlates and associations with health-related quality of life in a large sample”. CNS Spectrums, vol. 26, n. 3, 2021.

APA - American Psychiatric Association. Manual de diagnóstico e estatística de perturbações mentais: DSM-4-TR. Porto Alegre: Editora Artmed, 2002.

APA - American Psychiatric Association. Manual Diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5-TR. Porto Alegre: Editora Artmed, 2022.

BARROSO, L. A. L. et al. “Trichotillomania: a good response to treatment with N-acetylcysteine”. Anais Brasileiros de Dermatologia, n. 92, 2017.

CAIXETA, L.; LOPES, D. B. “Trichotillomania in a dementia case”. Dementia and Neuropsychologia, vol. 5, n. 1, 2011.

CARVALHO, V. O. et al. “Trichotillomania: a cry for help”. BMJ Case Reports, vol. 20, 2009.

CISOŃ, H. et al. “Trichotillomania and trichophagia: modern diagnostic and therapeutic methods”. Dermatology and Therapy, vol. 8, n. 3, 2018.

COHEN L. J. et al. “Clinical profile, comorbidity, and treatment history in 123 hair pullers: a survey study”. The Journal of Clinical Psychiatry, vol. 56, n. 7, 1995.

CRESCENTE JUNIOR, J. A. B.; GUZMAN, C. S.; TAVARES, H. “Quetiapine for the treatment of trichotillomania”. Brazilian Journal of Psychiatry, vol. 30, n. 4, 2008.

FARHAT L. C. et al. “Pharmacological and behavioral treatment for trichotillomania: An updated systematic review with meta‐analysis”. Depression and Anxiety, vol. 37, n. 8, 2020.

FERNANDES, M. R. D. N. et al. “Trichotillomania incognito: two case reports and literature review. Skin Appendage Disorders, vol. 7, n. 2, 2021.

FONTENELLE, L. F. et al. “Electroconvulsive therapy for trichotillomania in a bipolar patient”. Bulletin of the Menninger Clinic, vol. 83 n. 1, 2019.

FONTENELLE, L. F. et al. “The man with the purple nostrils: a case of rhinotrichotillomania secondary to body dysmorphic disorder”. Acta Psychiatrica Scandinavica, vol. 106 n. 6, 2002.

FRANÇA, K. et al. “Trichotillomania (hair pulling disorder): clinical characteristics, psychosocial aspects, treatment approaches, and ethical considerations”. Dermatologic Therapy, vol. 32, n. 4, 2019.

FRANKLIN, M. E.; ZAGRABBE, K.; BENAVIDES, K. L. “Trichotillomania and its treatment: a review and recommendations”. Expert Review of Neurotherapeutics, vol. 11, n. 8, 2011.

GALVÃO, T. F.; PANSANI, T. S. A.; HARRAD, D. “Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA”. Epidemiologia e Serviços de Saúde, vol. 24, n. 2, 2015.

GORDON, A. R. “Do retiro na tricotilomania ao mundo das trocas objetais”. Jornal de Psicanálise, vol. 44, n. 80, 2011.

GOULART-JUNIOR, R. M.; BRITTO, I. A. “Intervenção analítico-comportamental em tricotilomania”. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, vol. 12, n. 1-2, 2010.

GRANT, J. E.; CHAMBERLAIN, S. R. “Trichotillomania”. American Journal of Psychiatry, vol. 173, n. 9, 2016.

LIMA, M. C. P. et al. “Tricotilomania: dificuldades diagnósticas e relato de dois casos”. Revista Paulista de Pediatria, vol. 28, n. 1, 2010.

MARIUSSO, L. M. et al. “Trichotillomania: Case report of pharmacological treatment outcome with clomipramine”. Psychiatry Research, vol. 284, 2019.

MIRZA, M. B.; TALAT, N.; SALEEM, M. “Gastrointestinal trichobezoar: an experience with 17 cases.” Journal of Pediatric Surgery, vol. 55 n. 11, 2020.

PEREIRA, J. M. “Tricoses compulsivas”. Anais Brasileiros de Dermatologia, vol. 79, n. 5, 2004.

PINTO, A. C. V. D. et al. “Trichotillomania: a case report with clinical and dermatoscopic differential diagnosis with alopecia areata.” Anais Brasileiros de Dermatologia, vol. 92, n. 1, 2017.

PIRAS, G. N. et al. “An atypical death from Rapunzel syndrome: a case report.” Forensic Science, Medicine and Pathology, vol. 1 n. 8, 2023.

SNORRASON, I. et al. “Sex Differences in Age at Onset and Presentation of Trichotillomania and Trichobezoar: A 120-Year Systematic Review of Cases.” Child Psychiatry and Human Development, vol. 53, n. 1, 2022.

SOUZA, K. A. A.; ARAÚJO, T. M. E. “Prevalência do vírus da imunodeficiência humana em estudantes universitários: revisão sistemática”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 7, n. 21, 2021.

VILELA, A. C. et al. “Trichotillomania associated with bipolar disorder and obsessive compulsive disorder: Pathoplasty or comorbidity?”. International Journal of Trichology, vol. 6, n. 36. 2014.