PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SOB A ÓTICA DOS TRIBUTOS IMPLÍCITOS NO NÍVEL CORPORATIVO EM COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Raimundo da Silva
Alfredo Sarlo Neto
Donizete Reina
Edson Queiroz Nascimento
Schleiden Pinheiro Nascimento

Resumo

Esta pesquisa investigou se empresas com menores cargas tributárias possuem impostos implícitos maiores do que empresas com maiores cargas tributárias explícitas. Utilizando uma base de dados de empresas listadas na B3 no período de 2011 a 2018, foi empregado o modelo de regressão de mínimos quadrados ordinários (MQO) para testar as hipóteses. Os resultados convergem com a teoria dos impostos implícitos, evidenciando sua existência nas empresas com menores cargas tributárias listadas na B3. Os dados também indicam que os impostos implícitos neutralizam benefícios fiscais decorrentes da redução de impostos explícitos para empresas com menores cargas tributárias. Em contraste, empresas com maiores cargas tributárias explícitas conseguem reter os benefícios obtidos com a economia fiscal e repassá-los aos acionistas. Estes resultados são consistentes com a teoria, mas estão restritos à amostra selecionada. Futuras pesquisas podem ampliar a análise para outros setores a fim de examinar as evidências de impostos implícitos. Acredita-se que em setores regulamentados, essas evidências possam ser ainda mais proeminentes.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SILVA, R. da .; SARLO NETO, A.; REINA, D. .; NASCIMENTO, E. Q.; NASCIMENTO, S. P. PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO SOB A ÓTICA DOS TRIBUTOS IMPLÍCITOS NO NÍVEL CORPORATIVO EM COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 402–423, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.10023629. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2391. Acesso em: 21 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

CALIJURI, M. S. S. Avaliação da gestão tributária a partir de uma perspectiva multidisciplinar (Tese de Doutorado em Contabilidade). São Paulo: USP, 2009.

CAO, J.; CUI, Y. “Does Tax‐Favored Policy Improve the Profitability of Environmental Protection Firms? An Empirical Study from the Implicit Tax Perspective”. Asia‐Pacific Journal of Financial Studies, vol. 52, n. 3, 2023.

CHYZ, J. A.; LUNA, L.; SMITH, H. E. “Implicit taxes of US domestic and multinational firms during the past quarter century”. The Journal of the American Taxation Association, vol. 43, n. 2, 2021.

CUNHA, A. O.; PULCINELLI, A. L. G.; MARCELINO, J. A. “Planejamento tributário: economia tributária de empresas investidoras em projetos apoiados pela lei 8.313/1991. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 4, n. 10, 2020.

ELDER, P.; CHOLDEN, E. J. “Tax planning for foundations”. Journal of Accountancy, vol. 119, 1965.

FULLER, K. P. et al. “Corporate debt policy and tax uncertainty”. Review of Quantitative Finance and Accounting [2023]. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

GUENTHER, D. A.; SANSING, R. C. “Implicit Tax, Tax Incidence, and Pretax Returns”. The Accounting Review, vol. 98, n. 2, 2023.

HAESE, J. M.; GALDI, F. C. “Impactos da Lei 11.312/06 sobre a proporção do volume de participação de Capital Estrangeiro em Títulos Públicos: uma análise sobre a visão da Tributação Implícita”. Anais do X Congresso Nacional de Administração e Contabilidade. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2019.

HANLON, M.; HEITZMAN, S. “A review of tax research”. Journal of Accounting and Economics, vol. 50, n. 2, 2010.

HO, K. W.; KI, E. S. “Effect of tax-related information on pre-tax income forecast and value relevance”. Journal of Asian Finance, Economics and Business, vol. 7, n. 1, 2020.

INGER, K. K. “Relative valuation of alternative methods of tax avoidance”. The Journal of the American Taxation Association, vol. 36, n. 1, 2014.

JENNINGS, R. et al. “The extent of implicit taxes at the corporate level and the effect of TRA86”. Contemporary Accounting Research, vol. 29, n. 4, 2012.

KNAISCH, J. “How to Account for Tax Planning and Its Uncertainty in Firm Valuation?”. Research Gate [2023]. Disponível em: . Acesso em: 23/09/2023.

MARKLE, K. S.; MILLS, L. F.; WILLIAMS, B. “Implicit corporate taxes and income shifting”. The Accounting Review, vol. 95, n. 3, 2020.

OLIVEIRA, G. A. S. Indicadores de concorrência. Brasília: CADE, 2014.

RAZALI, M. W. M. et al. “Board diversity and tax planning in the context of Malaysian listed firm”. International Journal of Applied Economics, Finance and Accounting, vol. 17, n. 1, 2023.

SMITH, H. “Implicit Taxes in Imperfect Markets”. Advances in Taxation, vol. 29, 2017.

WANG, Q. “Income Tax Planning as a Tool for Achieving Financial Stability”. Engineering Economics, vol. 33, n. 5, 2022.

WASSERMAN, C. Tributação implícita: redução da taxa de retorno pré-imposto em ativos favoravelmente tributados (Tese de Doutorado em Contabilidade). São Paulo: USP, 2009.

WILKIE, P. J. “Empirical Evidence of Implicit Taxes in the Corporate Sector”. Journal of the American Taxation Association, vol. 14, n. 1, 1992.

WOLFF, E. N. “Taxes and the revaluation of household wealth”. Journal of Pension Economics and Finance, vol. 21, n. 4, 2022.

YOO, J. “Preferential corporate income tax treatment: valuation in the market portfolio”. International Journal of Economic Theory, vol. 19, 2023.