TRADUÇÃO DO CONHECIMENTO E DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS: PERSPECTIVA DE GESTORES E PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Rávila Suênia Bezerra da Silva
Anna Cecília Queiroz de Medeiros
Luciane Paula Batista Araújo de Oliveira
Thaiz Mattos Sureira
Adriana Gomes Magalhães

Resumo

O presente artigo tem como objetivo investigar a compreensão e aplicabilidade da tradução do conhecimento (TC) no cuidado das Doenças Crônicas Não Transmissíveis na perspectiva de gestores e profissionais da Atenção Primária à Saúde (APS). Foi realizado na V Unidade Regional da Saúde Pública localizada na Região de Saúde Trairi e Potengi –RN. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário semiestruturado, elaborado pelos pesquisadores, os dados foram analisados por meio de estatística descritiva utilizando o software SPSS versão22.0. O estudo contou com 75 participantes, a maioria do sexo feminino, onde os profissionais afirmaram não ter conhecimento acerca da TC, assim como os gestores relataram já ter ouvido falar em TC, entretanto não sabiam explicar ou definir o que era e não recebem apoio da gestão em participar de capacitações na área. Verificou-se ainda que tanto gestores quanto profissionais da APS buscavam informações a respeito das DCNT nos meios formais de comunicação. Quanto à forma de comunicação com os usuários, o meio mais utilizado foi por aplicativo de mensagem para smathphones o WhatsApp. Os achados do presente estudo apontam para necessidade de capacitações para gestores e profissionais a respeito da TC e sua importância para qualificação do cuidado, uma vez que os estudos evidenciam a TC como estratégia relevante para auxiliar no desenvolvimento de ações e melhorias nos serviços de saúde, na tomada de decisões e principalmente no desenvolvimento do cuidado ofertado aos usuários com DCNT acompanhados na APS.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
SILVA, R. S. B. da; MEDEIROS, A. C. Q. de; OLIVEIRA, L. P. B. A. de .; SUREIRA , T. M.; MAGALHÃES, A. G. TRADUÇÃO DO CONHECIMENTO E DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS: PERSPECTIVA DE GESTORES E PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 16, n. 46, p. 161–177, 2023. DOI: 10.5281/zenodo.8423673. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/2297. Acesso em: 21 fev. 2024.
Seção
Artigos

Referências

ANDRADE, K. R. C.; PEREIRA, M. G. “Knowledge translation in the reality of Brazilian public health”. Revista de Saúde Pública, vol. 54, n. 72, 2019.

ARANTES, B. M. et al. “A Tradução Do Conhecimento Nas Práticas De Promoção Da Saúde”. Scientific Investigation In Dentistry, vol 21, n 1, 2016.

AZEVEDO, A.V.S; SILVA, M. A; REIS, T.C.M. “Promoção da saúde no contexto das redes sociais significativas”. Nova Perspectiva Sistêmica, n. 63, 2019.

BECKER, R. M.; HEIDEMANN, I. T. S. B. “Health promotion in care for people with chronic non - transmittable disease: integrative review”. Texto e Contexto - Enfermagem, vol. 29, 2020.

BRASIL. Portaria n. 635, de 22 de maio de 2023. Brasília: Ministério da Saúde, 2023. Disponível em: . Acesso em: 04/09/2023.

BRASIL. Portaria n. 1.922, de 17 de julho o de 2019. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: . Acesso em: 04/09/2023.

BRASIL. Vigitel Brasil 2019: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2020. Disponível em: . Acesso em: 04/09/2023.

BUENO, M. “Tradução do Conhecimento, Ciência da Implementação e Enfermagem”. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, vol. 11, n. 4616, 2021.

FERRAZ, L. et al. “Tradução do Conhecimento e os desafios contemporâneos na área da saúde: uma revisão de escopo”. Saúde em Debate, vol. 43, n. 2, 2019.

HARRISON, M. B.; GRAHAM, I.D. Knowledge translation in nursing and healthcare: a roadmap to evidence-informed practice”. London: Hoboken: Wiley Blackwell, 2021.

HARZHEIM, E. “Previne Brasil”: bases da reforma da Atenção Primária à Saúde”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 25, n. 4, 2020.

JARDIM, L. V.; NAVARRO, D. “Contribuição da ESF no controle de doenças crônicas não transmissíveis”. Journal of the Health Sciences Institute, vol. 35, n. 2, 2017.

KHODDAM, H. et al. “Knowledge translation in health care: a concept analysis”. Medical Journal of the Islamic Republic of Iran, vol. 17, n. 1, 2014.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

MASSUDA, A. “Mudanças no financiamento da Atenção Primária à Saúde no Sistema de Saúde Brasileiro: avanço ou retrocesso?”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 25, n. 4, 2020.

MATTA, S. R. et al. “Fontes de obtenção de medicamentos por pacientes diagnosticados com doenças crônicas, usuários do Sistema Único de Saúde”. Cadernos de Saúde Pública, vol. 34, n. 3, 2018.

MORETTI, F. A. et al. “Acesso a informações de saúde na internet: uma questão de saúde pública?”. Revista Associação Médica Brasileira, vol. 58, n.6. 2012.

OLIVEIRA, C. N. et al. “Práticas de cuidado para doenças não transmissíveis na Estratégia Saúde da Família”. Abreviações de Enfermagem, vol. 39, n. 2, 2021.

OLIVEIRA, J. H. et al. “Enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis na atenção primária à saúde em Goiás: estudo descritivo, 2012 e 2014”. Epidemiologia e Serviços de Saúde, vol. 29, n. 5, 2020.

PEREIRA, C. B. M. et al. “Relato de experiência: educação em saúde sobre doenças crônicas não transmissíveis em um comércio popular”. Revista UFG, vol. 16, n. 18, 2016.

ROCHA, M. F. M. R. et al. “Programa educativo na prevenção de doenças crônicas não transmissíveis: diabetes e hipertensão arterial”. Ensino, Saúde e Ambiente, vol. 13, n. 3, 2020.

SANTOS, W. P. et al. “Doenças crônicas não transmissíveis: conhecimentos e práticas de enfermeiros da atenção primária”. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social, vol. 2, 2018.

SATO, T. O. et al. “Doenças crônicas não transmissíveis em usuários de unidades de saúde da família – prevalência, perfil demográfico, utilização de serviços de saúde e necessidades clínicas”. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, vol. 21, n. 1, 2017.

SCHNEIDER, L. R.; RODRIGUES JUNIOR, S. A. “Estratégias para promover a translação do conhecimento na atenção primária à saúde: revisão de escopo”. Revista Gaúcha de Enfermagem, vol. 43, 2022.

SETA, M. H. D. et al. “Programa Previne Brasil: o ápice das ameaças à Atenção Primária à Saúde?”. Ciência e Saúde Coletiva, vol. 26, 2021.

SILOCCHI, C.; JUNGES, J. R. “Equipes de atenção primária: dificuldades no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis”. Trabalho, Educação e Saúde, vol. 15, n. 2, 2017.

SILVA, V.L.; PELLENZ, N. L. K. “Os gestores de saúde na atenção primária à saúde versus capacitação para uma atuação satisfatória”. Revista Cientifica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, vol. 4, n. 4, 2019.

STRINGHINI, M. L. F. et al. “WHATSAPP® como ferramenta de promoção da saúde no diabetes: Relato de Experiência”. Revista UFG, vol. 19, 2019.

TUZE, A. H. et al. “A psicologia e o trabalho multiprofissional na atenção primária à saúde: vivências em uma unidade básica de saúde na cidade de São Paulo”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 13, n. 37, 2023.

VIEIRA, A. C. G.; GASTALDO, D. H. “Como traduzir o conhecimento científico à prática? Conceitos, modelos e aplicação”. Revista Brasileira de Enfermagem, vol. 73, n. 5, 2020.

XAVIER, P. B. et al. “Impactos da COVID-19 no trabalho colaborativo na atenção primária à saúde”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 44, 2023.

XAVIER, P. B. et al. “Trabalho na atenção básica durante a pandemia da COVID-19: Percepções dos profissionais de saúde acerca da atuação da gestão municipal”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 15, n. 45, 2023.