DO PRESENTE AO FUTURO: A MULHER NA CIÊNCIA BRASILEIRA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Lara Lorhany Gomes da Costa Rodrigues
Emilly Layne Martins do Nascimento
Laura Andreina Matos Márquez
Tania Paola López Aguilar
Tania Paola López Aguilar

Resumo

Apesar de contribuírem substancialmente no universo científico, as mulheres continuam majoritariamente invisíveis em
quantidade, reconhecimento e influência. As razões para isto perpassam as dimensões sociais, culturais e estruturais, e acontecem em vários momentos da vida dessas mulheres, desde a infância até a vida adulta. Este trabalho analisa o contexto teórico e pragmático sobre o avanço da mulher na ciência brasileira, os principais desafios (maternidade, vida universitária, trabalho doméstico e vida salarial). Este estudo é abordado numa perspectiva analítico-documental, uma vez que implica a revisão da literatura acadêmica e a elaboração de conclusões e recomendações, por meio da análise e comparação dos dados fornecidos pela cienciometria. Foi utilizada a base de dados Scopus para a busca de documentos com diversas combinações de palavras-chave. Além disso, foram considerados todos os tipos de documentos publicados, no período de todos os anos até o presente. Assim, foram anotadas informações destas pesquisas, tais como: área de estudo, ano, número de citações, idioma, País do estudo e tipo do documento de cada publicação. Em relação à produção científica das mulheres, foram encontrados 1286 artigos na área de ciências sociais, um número significativamente maior em relação às outras áreas de estudo e isto pode estar associado que desde a infância a mulher é influenciada indiretamente a partir das brincadeiras, como cuidado de bonecas e da casa. Já os artigos encontrados na área de matemática, foram apenas 29. No momento, as mulheres continuam orientadas no estudo das ciências sociais, negócios, direito e nas carreiras em ciências e tecnologia são quase inexpressivas. Portanto, é necessário equilibrar a participação feminina em todos os cursos para erradicar a representação por gênero.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
RODRIGUES, L. L. G. da C. .; NASCIMENTO, E. L. M. do .; MÁRQUEZ, L. A. M. .; AGUILAR, T. P. L. .; AGUILAR, T. P. L. . DO PRESENTE AO FUTURO: A MULHER NA CIÊNCIA BRASILEIRA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 7, n. 21, p. 36–52, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5204512. Disponível em: https://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/442. Acesso em: 17 set. 2021.
Seção
Artigos

Referências

AGÊNCIA BRASIL. “Científica brasilena es una de las personas más influyentes del mundo”. Portal Eletrônico Agência Brasil [2017]. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br>. Acesso em: 21/05/2021.

AGÊNCIA BRASIL. “Rousseff anunció 100 mil becas más para la Ciencia sin Fronteras”. Portal Eletrônico Agência Brasil [2014]. Disponível em: <https://agenciabrasil.ebc.com.br>. Acesso em: 21/05/2021.

ÁVILA, R. C. “Formação das mulheres nas escolas de medicina”. Revista Brasileira de Educação Médica, vol. 38, 2014.

BARROS, S. C. V.; MOURÃO, L. “Panorama da participação feminina na educação superior, no mercado de trabalho e na sociedade”. Psicologia & Sociedade, vol. 30, 2018.

BITENCOURT, S. M. “Maternidade e universidade: desafios para a construção de uma igualdade de gênero”. Anais do 41º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais. Caxambu: ANPOCS, 2017.

BLAZQUEZ, N.; FERNÁNDEZ, L. “Policy Review on Science and Technology with Gender Perspective in Mexico”. Cadernos Pagu, vol. 49, 2017.

BRANDAU, R.; MONTEIRO, R.; BRAILE, D. M. “Importância do uso correto dos descritores nos artigos científicos”. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, vol. 20, n. 1, 2005.

BRASIL DE FATO. “Conozca ocho mujeres negras científicas brasileñas”. Portal Eletrônico Brasil de Fato [27/07/2017]. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br>. Acesso em: 21/05/2021.

BRITO, C.; PAVANI, D.; LIMA, P. “Meninas na Ciência: atraindo jovens Mulheres para carreiras de Ciência e Tecnologia”. Revista Gênero, vol. 16, n. 10, 2015.

CARVALHO, G. K.; FÉLIX, F.; NASCIMENTO, W. D. A.; AGUIRRE, M. A. “Gênero em questão: O processo de inserção da mulher na educação superior”. Anais do VII Congreso de la Asociación LatinoAmericana de Población / XX Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Foz do Iguaçu: ABEP, 2016.

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. “CNPq anuncia inclusão do campo licença-maternidade no Currículo Lattes”. Portal Eletrônico do CNPq [2021]. Disponível em: <https://www.gov.br/cnpq>. Acesso em: 21/05/2021.

CONICET - Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica. “Ser mujeres en la ciencia: en conmemoración al Día internacional de la mujer, Ines Perez nos habla acerca de la perspectiva de género en el mundo científico”. Portal Eletrônico Conicet [2021]. Disponível em: <https://www.conicet.gov.ar>. Acesso em: 21/05/2021.

CUNHA SILVA, M.; VASCONCELOS, M. R. “Evolução da desigualdade na distribuição dos salários no Brasil”. Economia Aplicada, vol. 16, n. 1, 2012.

DOT. LIB. “COVID-19: 4 cientistas brasileiras de destaque”. Portal Eletrônico DOT. LIB [2021]. Disponível em: <https://dotlib.com/blog>. Acesso em: 21/05/2021.

FERREIRA, F. “Conciliando identidades: mulher, mãe, esposa, cientista”. Anais do 10º Seminário Internacional Fazendo Gênero. Florianópolis: UFSC, 2013.

GATTO, A.; SILVA, C. “Sem considerar maternidade, ciência brasileira ainda penaliza mulheres”. Portal Eletrônico Gênero e Número [20/06/2018]. Disponível em: <http://www.generonumero.media>. Acesso em: 26/05/2021.

GONZALEZ PEREZ, T. “El aprendizaje de la maternidad: discursos para la educación de las mujeres en España (siglo XX)”. Convergencia, vol. 15, n. 46, 2008.

GRUBITS, S. “Mulheres indígenas brasileiras: educação e políticas públicas”. Psicologia & Sociedade, vol. 26, n. 1, 2014.

GUEDES, M. “A presença feminina nos cursos universitários e nas pós-graduações: desconstruindo a ideia da universidade como espaço masculino”. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, vol. 15, junho, 2008.

INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. “Mulheres são maioria na Educação Superior brasileira”. Portal Eletrônico do INEP [2018]. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br>. Acesso em: 20/05/2021.

INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial. “Mulheres e inovação: perspectivas de cientistas brasileiras”. Portal Eletrônico do INPI [2018]. Disponível em: <https://www.gov.br/inpi/pt-br>. Acesso em: 20/05/2021.

LAYA, A. El Derecho al Cuidado en los Convenios Colectivos de Trabajo del Sector Privado - Análisis comparativo de Convenios Colectivos en las ramas de actividades con mayor índice de feminización del sector privado. Buenos Aires: ELA – Equipo Latinoamericano de Justicia y Género, 2014.

LETA, J. “Mulher, mulheres. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso”. Estudos Avançados, vol. 17, n. 49, 2003.

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. “Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica”. Revista Katálysis, vol. 10, n. SPE, 2007.

MACIAS-CHAPULA, C. A. “O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional”. Ciência da Informação, vol. 27, n. 2, 1998.

MANTILLA-FALCÓN, L. M.; GALARZA-GALARZA, J. C.; ZAMORA-SÁNCHEZ, R. A. “La inserción de la mujer en la educación superior ecuatoriana: caso Universidad Técnica de Ambato”. Revista Latinoamericana de Estudios Educativos (Colombia), vol. 13, n. 2, 2017.

MOREIRA, W. “Revisão de literatura e desenvolvimento científico”. Janus, vol. 1, n. 1, 2004.

NÚÑEZ-CORTÉS, P. La maternidad: nuevas realidades en el derecho de la Unión Europea. Madrid: Dykinson, 2017.

OIT - Oficina Regional para América Latina y el Caribe. La brecha salarial entre hombres y mujeres en América Latina. Lima: OIT, 2019.

ONU - Organização das Nações Unidas, ou simplesmente Nações Unidas. “Los derechos de la mujer son derechos humanos”. Portal Eletrônico da ONU [2014]. Disponível em: <https://brasil.un.org>. Acesso em: 20/05/2021.

PARLAMERICAS. “Leyes nacionales”. Portal Eletrônico PARLAMERICAS [2021]. Disponível em: <https://parlamericas.org>. Acesso em: 25/05/2021.

PARRA, M. R.; COUTINHO, R. X.; PESSANO, E. F. C. “Um Breve Olhar sobre a Cienciometria: origem, evolução, tendências e sua contribuição para o ensino de ciências”. Revista Contexto & Educação, vol. 34, n. 107, 2019.

PESSINA, M. ¿La ciencia, cuestión de hombres? Mujeres entre la discriminación, los estereotipos y los sesgos de género. Quito: Ediciones CIESPAL, 2017.

PONTES, A. G.; ZAMPERETTI, M. P. “As mulheres na história da arte, na cultura visual e as percepções visuais”. Anais do Seminário de História da Arte-UFPel, vol. 2, n. 8, 2020.

PONTES, T. et al. “Mães acadêmicas: equilibrando os papéis de mães e pesquisadoras”. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, vol. 27, n. 4, 2019.

PROFISSÃO BIOTEC. “8 cientistas brasileiras que se destacaram no combate à COVID-19”. Portal Eletrônico Profissão Biotec [2021]. Disponível em: <https://profissaobiotec.com.br>. Acesso em: 25/05/2021.

RIBEIRO, R. A.; OLIVEIRA, L.; FURTADO, C. C. “O inglês como língua franca da ciência”. Anais do Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação. Fortaleza: FEBAB, 2019.

ROTHER, E. T. “Revisão sistemática X revisão narrativa”. Acta Paulista de Enfermagem, vol. 20, n. 2, 2007.

RUIZ, M. A.; GRECO, O. T.; BRAILE, D. M. “Fator de impacto: importância e influência no meio editorial, acadêmico e científico”. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, vol. 24, n. 3, 2009.

SANTOS, N.; CANDIDO, L. KUPPENS, C. “Produtividade em pesquisa do CNPq: análise do perfil dos pesquisadores da Química”. Química Nova, vol. 33, n. 2, 2010.

TOKARNIA, M. “Estudo da Unesco mostra que mulheres são minoria nas ciências”. Portal Eletrônico Guia do Estudante [2018]. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br>. Acesso em: 20/05/2021.

TOSI, L. “Mulher e ciência: a revolução científica, a caça às bruxas e a ciência moderna”. Cadernos Pagu, n. 10, 2012.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. “Mujeres en la educación superior: ¿la ventaja femenina ha puesto fin a las desigualdades de género?”. Portal Eletrônico da UNESCO [2021]. Disponível em: <https://brasil.un.org>. Acesso em: 20/05/2021.

URPIA, A. M. O.; SAMPAIO, S. M. R. “Tornar-se mãe no contexto acadêmico: dilemas da conciliação maternidade - vida universitária”. Revista do Centro de Artes, Humanidades e Letras, vol. 3, n. 2, 2009.

ZAMBONATO, A. “A língua da ciência”. Revista Pesquisa da FAPESP [07/08/2019]. Disponível em: <https://revistapesquisa.fapesp.br>. Acesso em: 12/08/2020.