A PSICOLOGIA NA RUA: INQUIETAÇÕES, ESTEREÓTIPOS E DESAFIOS NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL COM PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Amanda Tamura Figueiredo
Joyce Henrique Santos Cabral
Sara Leticia de Sousa Febraio
Renan Vieira de Santana Rocha

Resumo

A atuação com a população em situação de rua é consideravelmente desafiadora ante a Psicologia; logo, abordar exemplos de boas práticas conduzidas neste cenário pode tornar possível ponderar melhores caminhos à formação de psicólogas e psicólogos atentas/os a tal público. Desta forma, neste artigo, desenvolvido a parte de uma experiência de Estágio Supervisionado Específico em Psicologia Institucional, realizado em um Centro de Acolhida no Estado de São Paulo, ensejamos apresentar algumas inquietações que foram se tornando cada vez mais evidentes e frequentes em nossa prática, de acordo com a rotina que era presenciada dentro da instituição e com cada escuta promovida a cada assistido/residente e funcionários. Inquietações essas voltadas para que tipo de ações e programas são desenvolvidos para garantir, em prática, o bem estar dessa população, tendo em vista os direitos previstos pela Constituição Federal. Além disso, qual a importância de oferecer assistência à saúde mental para uma população em situação de vulnerabilidade social dentro das instituições? De antemão, é importante levantarmos nesse artigo que, além do sofrimento psíquico que os acompanha em cada fala dita, há cada encontro promovido, estereótipos os acompanham, o que erige a questão de como o psicólogo está inserido dentro da instituição e como lida com essas demandas. Assim, procuraremos apresentar a visão e a função desenvolvida pelo profissional de Psicologia dentro dessas instituições de acolhimento e, por fim, os desafios da Psicologia com o “social”, uma vez que esses indivíduos são vistos como elementos isolados da sociedade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
FIGUEIREDO, A. T.; CABRAL, J. H. S.; FEBRAIO, S. L. de S.; ROCHA, R. V. de S. . A PSICOLOGIA NA RUA: INQUIETAÇÕES, ESTEREÓTIPOS E DESAFIOS NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL COM PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Boletim de Conjuntura (BOCA), Boa Vista, v. 8, n. 23, p. 97–107, 2021. DOI: 10.5281/zenodo.5623787. Disponível em: http://revista.ioles.com.br/boca/index.php/revista/article/view/494. Acesso em: 9 dez. 2021.
Seção
Artigos

Referências

AMORIM, A. K. A.; NOBRE, M. T. “Pesquisa-intervenção, políticas públicas e movimentos sociais: uma experiência junto à população em situação de rua”. Psicologia Política, vol. 18, n. 42, maio, 2018.

BARROS, D. R. et al. “Esquizofrenia e uso abusivo de álcool e outras drogas: uma relação”. Temas em Saúde, vol. 19, n. especial, março, 2019.

BENELLI, S. J. “As éticas nas práticas de atenção psicológica na assistência social”. Estudos de Psicologia, vol. 31, n. 02, junho, 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativo do Brasil. Brasília: Planalto, 1988. Disponível em: . Acesso em: 28/10/2021.

BRASIL, Decreto n. 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Brasília: Planalto, 2009. Disponível em: . Acesso em: 28/10/2021.

BRASIL. Saúde da População em Situação de Rua – Um Direito Humano. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br>. Acesso em: 28/10/2021.

DALBEM, J. X.; DELL’AGLIO, D. D. “Teoria do apego: bases conceituais e desenvolvimento dos modelos internos de funcionamento”. Arquivos Brasileiros de Psicologia, vol. 57, n. 01, junho, 2005.

DALTRO, M. R.; FARIA, A. A. “Relato de Experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade”. Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 19, n. 01, abril, 2019.

MESQUITA, A. C.; CARVALHO, E. C. “A Escuta Terapêutica como estratégia de intervenção em saúde: uma revisão integrativa”. Revista da Escola de Enfermagem da USP, vol. 48, n. 06, dezembro, 2014.

NASCIMENTO, J. M. F. et al. “Escuta Terapêutica: uma tecnologia do cuidado em saúde mental”. Revista de Enfermagem UFPE Online, vol. 14, e244257, março, 2020.

PAIVA, I. K. S. et al. “Direito à saúde da população em situação de rua: reflexões sobre a problemática”. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 21, n. 08, agosto, 2016.

RODRIGUES, I. S. A construção social do morador de rua: o controle simbólico da identidade (Dissertação de Mestrado em Ciências Sociais). Juiz de Fora: UFJF, 2015.

SANTOS, L. N. A Psicologia na Assistência Social: Convivendo com a Desigualdade. São Paulo: Cortez Editora, 2016.

SENHORAS, E. M. “O campo de poder das vacinas na pandemia da Covid-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 6, n. 18, 2021.

SOUZA, S. A. L.; SILVEIRA, L. M. C. “(Re)Conhecendo a Escuta como Recurso Terapêutico no Cuidado à Saúde da Mulher”. Revista Psicologia e Saúde, vol. 11, n. 01, abril, 2019.

ZIMERMAN, D. E. Fundamentos Psicanalíticos. Porto Alegre: ArtMed, 2010.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)